Relator do mensalão tucano, Barroso vai decidir se o julgamento será no Supremo ou no Tribunal de Minas Gerais

André Richter
Agência Brasil  

O advogado do ex-deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB), José Gerardo Grossi, comunicou ao Supremo Tribunal Federal a renúncia do ex-parlamentar. Com a comunicação oficial, caberá ao ministro Luís Roberto Barroso decidir se a Ação Penal 536, o processo do mensalão mineiro, continuará em tramitação na Corte. Barroso é o relator da ação. No processo, Azeredo é acusado de desvio de dinheiro público durante a campanha pela reeleição ao governo de Minas Gerais em 1998.

Com a renúncia, Azeredo perdeu o foro privilegiado e o processo poderá ser remetido à Justiça de primeira instância. No entanto, o envio das acusações não é automático. No caso do ex-governador mineiro, Barroso vai avaliar se a renúncia teve a intenção de retardar o fim da ação penal.

No dia 11 deste mês, Barroso abriu prazo de 15 dias para que o advogado de Azeredo apresente as alegações finais no processo. Esta fase é a última antes do julgamento pelo plenário da Corte. Após manifestação da defesa, o processo deverá seguir para o revisor, ministro Celso de Mello, e, em seguida, para Barroso, relator da ação penal.

Nas alegações finais do Ministério Público, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que Azeredo atuou como “um maestro” no suposto esquema e que ele desviava recursos públicos em benefício próprio para financiar sua campanha política. O procurador também diz que a prática dos crimes só foi possível por meio do “esquema criminoso” montado pelo publicitário Marcos Valério, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Caminhando em cima do fio da espada…

Helena Beatriz

Francisco Bendl escreveu: “O Brasil está caminhando em cima do fio da espada, qualquer escorregão e seremos cortados ao meio.” Estamos sim. Concordo in totum com o que escreveu.

A desinformação e a deturpação dos fatos relacionados à morte do cinegrafista me causam repulsa. Vemos um deputado do PSOL – em quem votei para prefeito!! – envolvido com uma tal de Sininho – que de fada não tem nada – que aos 28 anos cursa uma faculdade sem fim (estudante profissional?), não trabalha, mas tem 2 endereços de residência etc etc etc.

Vemos um advogado, João Tancredo, que é presidente de uma ONG chamada DDH (Defensores de Direitos Humanos), que reúne advogados que, entre outras atividades, dedicam-se à defesa dos black blocs. Pois bem, este advogado doou R$ 260 mil à campanha do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) ao governo do Rio. Reafirmo: em quem votei!! Como já votei no Lula, infelizmente.

Este homem afirmou – em defesa dos atos de vandalismo do movimento Black bloc , que resultou no assassinato do cinegrafista – que a vítima não portava crachá.
Mentira. Mentira! As fotos da sangrenta cena mostram a identificação do cinegrafista: no meio do vermelho esparramado no chão, havia sua identificação branca. O branco no chão contrastando com seu sangue vermelho vivo.

MEIA-VERDADE

Tanta mentira. Tantas desinformações que esses bloguistas comprados ou apaziguados disseminam pela rede, com uma virulência inconcebível, capaz de infectar muitos incautos. Porque pior que a mentira deslavada é a meia-verdade. Ela confunde os menos informados e faz parecer verdade.

E essa confusão toda vai ao encontro dos interesses desses partidos de extrema esquerda como o PSTU, PSOL e outros menos conhecidos. É isso o que querem: confundir. Porque explicar, baseados na lógica e no bom senso, não conseguem. É impossível para qualquer cidadão com um mínimo de informação básica engolir tanta sandice.

GRANDE MÍDIA

Ai de nós não fosse a tão agredida ‘grande mídia’, com todos os seus erros e defeitos, a denunciar tais descalabros. Jamais saberíamos do envolvimento da cúpula petista com a corrupção avassaladora e sua tentativa de dar um golpe na Democracia – o tal Mensalão.
Não é à toa que esses esquerdinhas, que se julgam acima da lei e da ordem, pedem a mordaça, a tal lei de regulamentação da mídia. Não querem dar explicação alguma. A Democracia para esses novos senhores da guerra não interessa, ao contrário, é um estorvo.

Mascarenhas Soares escreveu: “Os socialistas, racionalistas, seguem idéias vagas, utopias, mas a realidade é outra, diferente do mapa. Os indivíduos são diferentes, buscam múltiplos interesses, a melhor forma é deixar que exerçam as suas potencialidades, livremente. Quando a extinta URSS vivia o seu apogeu político e econômico, no mesmo período, nos EUA, os operários ganhavam três vezes mais. O que prova que o socialismo é inferior, moral e economicamente.”

A história já nos mostrou quem e por que fracassou. Ditaduras sanguinárias que fecham seus portões para não haver debandada geral não podeM ser boa coisa. É lógico… Falam do império americano, mas fazem fila para conseguir um visto. E o dito império precisa fechar suas portas tal a quantidade de imigrantes. Para o Império russo ninguém quer migrar. Por quê?!

A Ucrânia quer se livrar do jugo desses tiranos e não consegue. Putin não deixa. Enfim, os esquerdinhas querem defender uma ideologia do século passado, que se auto-implodiu.
Só as “carolinas” da América Latina não viram.

Na Ucrânia, presidente anuncia trégua e negociações com opositores

Da Agência Lusa
O presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, anunciou hoje (19) uma “trégua” e o início de negociações com a oposição, depois de conversações privadas com três líderes opositores, segundo comunicado oficial na página da Presidência na internet.

“Baseados nos resultados da reunião, as partes anunciaram uma trégua e o início de negociações que visam a acabar com o derramamento de sangue e estabilizar a situações do país em benefício da paz civil”, diz o comunicado.

Após várias semanas de calma, Kiev voltou na terça-feira a ser palco de violentos confrontos entre ativistas antigovernamentais e forças de segurança, que acabariam por lançar um assalto, com recurso a blindados e canhões de água, contra os manifestantes concentrados na Praça da Independência. Os ativistas responderam com coquetel-molotov e petardos.

Os recentes acontecimentos têm suscitado a condenação da comunidade internacional, nomeadamente na Europa e dos Estados Unidos, onde vários países admitiram a possibilidade de impor sanções contra os responsáveis pela repressão.

De acordo com o último balanço do Ministério da Saúde ucraniano, os confrontos fizeram pelo menos 26 mortos e 241 feridos hospitalizados, incluindo 79 policiais e cinco jornalistas.

Antes da assinatura do acordo, o Exército ucraniano foi autorizado a usar armas e restringir a circulação de pessoas, como “medidas antiterroristas” adotadas por Kiev para neutralizar “extremistas” infiltrados entre os manifestantes, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Defesa ucraniano.

Procurador-geral é contra prisão domiciliar definitiva de Genoino


André Richter
Agência Brasil 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou  ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer contra da prisão domiciliar definitiva do ex-deputado José Genoino (PT), condenado a quatro anos e oito meses de prisão na Ação Penal 470, o processo do mensalão. Segundo Janot, a prisão domiciliar que Genoino cumpre neste momento deve ser mantida até a estabilização de seu estado de saúde.

No parecer enviado ao STF, Janot afirma que o ex-parlamentar deve passar por nova perícia médica para avaliar seu quadro de saúde. O procurador pede que a junta médica esclareça se Genoino pode cumprir a pena na prisão convencional.

No documento, Janot manifesta-se contra o pedido de defesa para cumprimento de toda a pena em casa. “Ressalve-se, no entanto, que eventual manutenção de excepcional medida deve ocorrer apenas até que seja obtida a plena estabilização do seu eu quadro clínico, conforme salientado no próprio relatório médico em que o sentenciado se escora, não havendo falar em caráter definido na concessão do regime almejado”, afirmou.

Na segunda-feira, a defesa Genoino pediu ao STF que ele cumpra prisão domiciliar definitiva. De acordo com o advogado Luiz Fernando Pacheco, ele é portador de cardiopatia grave e não tem condições de cumprir a pena em um presídio por ser “paciente idoso vítima de dissecção da aorta”.

Segundo ele, o sistema penitenciário não tem condições de oferecer tratamento médico adequado ao ex-parlamentar. “Qualquer outra solução significa expor desnecessariamente o paciente a elevado risco de morte, tendo em conta a possibilidade da ocorrência de trombos, picos hipertensivos ou eventos hemorrágicos ou cardiológicos”, afirmou o advogado.

90 DIAS

Genoino teve prisão decretada em novembro de ano passado e chegou a ser levado para a Penitenciária da Papuda, no Distrito Federal. Mas, por determinação do ministro Joaquim Barbosa, ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar temporária por 90 dias. Durante o período em que ficou na Papuda, o ex-deputado passou mal e foi levado para um hospital particular.

Em ofício enviado ao presidente do STF em dezembro, para informar as condições dos presídios locais, o juiz da Bruno André Silva Ribeiro, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, afirmou que a Penitenciária da Papuda tem condições de oferecer tratamento médico a Genoino e que ele deve retornar à prisão.

Segundo o juiz, cumprem pena nos presídios do Distrito Federal 306 detentos hipertensos, 16 cardiopatas, dez com câncer; 56 com diabetes, 65 com portadores do vírus HIV; 14 com hepatite, 41 com hepatite C, 18 com tuberculose e 289 com asma.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGGenoino é um farsante. Foi examinado novamente pela equipe de cardiologistas da Câmara que se manifestaram contra a aposentadoria dele por invalidez. Ganha cerca de 25 mil por mês (aposentadoria da Câmara e Bolsa Ditadura” e ainda quer mais… Que triste exemplo esse ex-guerrilheiro dá aos jovens do Brasil. (C.N.)

 

Acredite se quiser: Brasil tem a 11ª conta de luz mais cara do mundo


Lu Aiko Otta

O Estado de S. Paulo

BRASÍLIA – Mesmo com o pacote de 2012 para reduzir o custo da eletricidade, o Brasil ainda tem a 11ª tarifa mais elevada do mundo, mostra levantamento da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). O valor é 8,8% superior à média de uma lista de 28 países selecionados pela entidade, que mantém uma espécie de “custômetro” da energia, permanentemente atualizado. Antes das medidas adotadas pela presidente Dilma Rousseff, o Brasil estava na quarta posição.

A tributação responde por boa parte do problema. Segundo a entidade, impostos e contribuições federais e estaduais, mais os encargos setoriais, que são taxas específicas cobradas junto com a conta, respondem por 36,6% da tarifa. Questionado, o Ministério de Minas e Energia não respondeu.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGÉ inacreditável. O país com maior volume de água e maior potencial hidrelétrico do planeta, com maior possibilidade de aproveitamento de energia eólica e com domínio do ciclo da energia nuclear, este país é o Brasil, que vai aumentar o valor da conta de luz com uma cota extra de 4,6%, prevê a Aneel, a agência reguladora que é como as outras, apenas um cabide empregos colossal. (C.N.)

Dilma ameaça colocar as Forças Armadas para fazer segurança na Copa

Deu no Estadão

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (19) durante entrevista a rádios de Alagoas, no Palácio da Alvorada, em Brasília, que o governo planeja medidas que vão reforçar a segurança nas cidades-sede da Copa do Mundo.

“Estaremos muito bem preparados para garantir segurança na Copa do Mundo”, disse. “Temos certeza de que vamos fazer a Copa das Copas”, ressaltou.

A presidente ainda afirmou que se necessário, o governo fará uso das forças armadas se houver atos de violência durante o evento.

“A Polícia Federal, a Força Nacional de Segurança, a Polícia Rodoviária federal, todos os órgãos do Governo Federal estão orientados para agir dentro de suas competências e, se necessário, acionaremos as Forças Armadas”, disse.

A presidente disse que será investido R$ 1,9 bilhão para a segurança durante o evento, que deixará um legado permanente às cidades que sediarão o Mundial.

Em relação a possíveis manifestações, Dilma defendeu a realização de protestos, já que a Constituição garante a liberdade de manifestação, mas condenou atos de vandalismo e o anonimato. “Repudio completamente o uso da violência em manifestações.

E acho inadmissível em um país democrático o uso da violência. Pessoas que usam a violência e escondem o rosto não são democratas”, afirmou. “Estamos trabalhando numa legislação para coibir atos de vandalismo.”

Para a presidente, democratas são aqueles que exercem pacificamente seus direitos e a liberdade de questionar, propor, exigir mudanças.”

Relator rejeita recurso da Editora Três em indenização a Fernando Collor

José Carlos Werneck

A Editora Três, que publica a revista Istoé, não conseguiu reverter decisão que a condenou a indenizar o senador Fernando Collor de Mello por ter publicado, em 2005, entrevista em que o ex-presidente da República foi citado como exemplo de sociopata com transtornos ligados à corrupção. O ministro Marco Buzzi,do Superior Tribunal de Justiça, negou o Recurso Especial em que a editora contestava a condenação de 50 mil reais por dano moral, fixada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

A ação de indenização foi proposta pelo ex-presidente Collor, após entrevista publicada pela revista Istoé  com o médico João Augusto Figueiró, intitulada “Uma vez corrupto… Sempre corrupto”, sobre a personalidade humana e os atos de corrupção. A condenação deve ser paga solidariamente pela editora, o jornalista editor e diretor da revista à época, Domingo Alzugaray, e o médico entrevistado.

Inicialmente,o pedido foi julgado improcedente, pois o juiz de Primeira Instância considerou que se tratava da opinião do médico, e que o político deveria se submeter às consequências naturais de sua vida pública, devendo prevalecer o interesse público. Fernando Collor recorreu da decisão e o TJRJ reconheceu a lesão à honra objetiva do senador. Admitiu que a matéria publicada teria desconsiderado o fato de o Supremo Tribunal Federal ter inocentado o ex-presidente da acusação de corrupção e de outras imputações relacionadas.

RECURSO

A editora e o jornalista recorreram ao STJ. No recurso alegaram que o foco da entrevista não era o ex-presidente, mas a corrupção como sociopatia. Afirmaram, também, que “Collor foi citado porque teve seu nome envolvido em escândalos notórios de corrupção” e sustentaram que não foi a revista quem incluiu o nome do senador no contexto, mas o entrevistado, “movido pela intensa vinculação de seu nome com denúncias de corrupção que o destituíram do poder”.

Ao decidir individualmente a questão, o ministro Buzzi negou provimento ao recurso. Destacou que a alegada violação à Lei de Imprensa (Lei 5.250/67) não tem fundamento, pois o STF decidiu que a norma não foi recepcionada pela Constituição de 1988. Nesse ponto, o recurso sequer pode ser conhecido para ter seu mérito julgado, conforme precedentes do próprio Superior Tribunal de Justiça.

O recurso também sustentava haver diferença entre julgados de casos idênticos, mas o ministro Buzzi concluiu que a indicação dos casos não foi feita corretamente, o que é imprescindível para que se analise a hipótese.

O relator aplicou a Súmula 284/STF, que prevê que o recurso é inadmissível quando a deficiência na sua fundamentação não permitir a exata compreensão da controvérsia.  O ministro não constatou indicações expressas de dispositivos legais tidos por violados pela decisão do TJRJ, “o que não permite verificar se a legislação federal infraconstitucional foi ou não malferida”.

A editora já apresentou recurso interno para que a questão seja analisada na Quarta Turma do Tribunal.

 

Deputado Eduardo Azeredo renuncia ao mandato e mensalão tucano deixará de ser julgado no Supremo

Deu em O Tempo

A carta de renúncia do deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB-MG) deve ser entregue na tarde desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados pelo filho dele, Renato Penido Azeredo.

A assessoria de imprensa do deputado ainda não crava a renúncia, mas confirma que Renato está se deslocando para Brasília com o documento. O deputado não irá comparecer nesta quarta ao Congresso Nacional. A carta deverá ser lida em plenário pelo deputado federal Marcus Pestana (PSDB).

O procurador geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) documento pedindo a condenação do deputado a 22 anos de prisão e pagamento de multa por envolvimento no processo do “mensalão mineiro”. Janot citou dois crimes no documento enviado ao STF: peculato e lavagem de dinheiro.

Ao renunciar ao mandato, o processo poderá ser julgado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais e não mais pelo STF como deveria ocorrer por ele ser deputado.

A renúncia ao mandato de deputado já vinha sendo considerada, nas últimas semanas, a saída jurídica para Azeredo se livrar do julgamento do mensalão mineiro no STF e, com isso, produzir o “arquivamento” na Corte.

SUCESSÃO

De acordo com a Câmara dos Deputados, com a renúncia do deputado federal Eduardo Azeredo (PSDB), o deputado João Bittar (DEM-MG) será efetivado na vaga do parlamentar. Hoje, Bittar já ocupa a vaga deixada por Carlos Melles, que atualmente é Secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais.

No lugar de João Bittar será chamado Ruy Adriano Borges Muniz (DEM-MG), que é prefeito de Montes Claros, no Norte de Minas. Caso o prefeito não aceite, o ex-deputado federal Edmar Moreira (atualmente PR) deverá ser convocado para a vaga. Moreira ficou nacionalmente conhecido como “deputado do castelo”, em 2009, por ser dono de um imóvel avaliado em R$ 25 milhões, em São João Nepomuceno, na Zona da Mata, que foi posto à venda por R$ 25 milhões, embora o valor declarado à Receita Federal fosse de R$ 3 milhões.

Nos bastidores, a informação é a de que o Moreira já estaria, inclusive, na Câmara dos Deputados na tarde desta quarta-feira (19). A assessoria da Casa, porém, ainda não confirma a informação.

Sugestões para o Brasil melhorar, à moda chinesa

Almério Nunes

Circula na internet, com muito sucesso um texto atribuído ao primeiro-ministro da China, em que sugeriria dez soluções para melhorar o Brasil:

1. Pena de morte para crimes hediondos comprovados
2. Punição severa para políticos corruptos
3. Quintuplicar o investimento na educação
4. Redução drástica da carga e reforma tributária
5. Redução de 80% nos salários dos políticos brasileiros
6. Desburocratização imediata
7. Recuperação do apagão de investimentos dos últimos 50 anos
8. Investir fortemente na mudança de cultura do povo
9. Investir em ciência e tecnologia imediatamente
10. Menoridade penal e trabalhista a partir de 16 anos

SUGESTÕES ADICIONAIS

Eu tenho algumas sugestões adicionais:

1) que tenhamos a nossa moeda FORA do sistema financeiro atual … exatamente como a China. O yuan foi criado em 1260 (1260!) e ninguém se atreve a modificá-lo. Os resultados estão aí.
2) que tenhamos marcas nacionais em pastas de dentes, sabonetes, desodorantes, cremes de barbear, leite, detergentes, iogurtes … ou continuaremos pagando bilhões para usar as marcas dos outros.

3) que tenhamos somente um, ou dois partidos políticos, com novas regras de funcionamento. A cada eleição… tempo de TV  igual para um e para outro (se forem dois).

4) punir a corrupção com a pena de morte, sumariamente.

5) que tenhamos um imposto sobre os ricos, gradualmente crescente (sonegadores: pena de morte)

6) exaltação da Pátria Brasileira nas redes de TV e rádio, nas escolas e universidades, diariamente.

7) imediata extinção de bancos particulares; seríamos atendidos pelo Banco do Brasil, CEF e BNDES.

8) que tenhamos Educação e Saúde totalmente suportadas pelo Estado Brasileiro, desde o Jardim de Infância até a Universidade.

9) que tenhamos um Transporte Público totalmente subsidiado pelo Estado.

10) implementar o ministério da Amazônia e a secretaria de Minérios. Para proteger aquela região, seriam criados 50 (cinquenta) exércitos, moderníssimamente equipados.

O ministro seria o General-de-Exército Augusto Heleno Pereira, homem corretíssimo e competentíssimo e a maior autoridade em Amazônia, no mundo. Eu teria mais outras cem sugestões, mas com estas aí … já estaria de bom tamanho.

O jogo perigoso da desinformação

Luciano Martins Costa
Observatório da Imprensa

Os três principais jornais de circulação nacional, que ainda definem a agenda institucional no país, fecham a semana com uma proeza digna de figurar na longa lista de trapalhadas da imprensa, cujo troféu mais lustroso é o caso da Escola Base. Por uma dessas ironias da história, no dia 22 do mês que vem completam-se vinte anos do noticiário que inventou um caso de pedofilia numa escola infantil de São Paulo, e o roteiro se repete perversamente.

A morte do cinegrafista Santiago Andrade, atingido na cabeça por um rojão de alta potência durante manifestação no Rio de Janeiro, tem todos os ingredientes para se tornar uma versão revista e ampliada desse que foi o marco do jornalismo espetaculoso e irresponsável no Brasil.

Os ingredientes para uma grande farsa estão reunidos: os dois jovens que foram identificados como autores do homicídio são compulsoriamente representados por um advogado que ganhou dinheiro com a defesa de milicianos e – colocados no grande liquidificador da mídia –, produzem uma sucessão de declarações que, a rigor, não poderiam ser incluídas num inquérito. E tudo que dizem – ou alguém diz que disseram – vira manchete.

Na sexta-feira (14/2), o alvo do noticiário é uma lista de doadores que contribuíram para a realização de uma festa, no dia 23 de dezembro do ano passado, intitulada “Celebração da Rua – Mais Amor, Menos Capital”. O evento foi realizado na Cinelândia, no centro do Rio, com coleta de doações em benefício de moradores de rua e vítimas das enchentes, juntando militantes de todos os tipos, inclusive professores e ativistas contra a Copa do Mundo. Os jornais citam vereadores, um delegado de polícia e até um juiz do Tribunal de Justiça, insinuando que eles estavam apoiando o movimento chamado Black Bloc.

Nessa corrente de declarações, suposições e especulações, a imprensa já afirmou que os atos de vandalismo que acompanham a onda de protestos no Rio de Janeiro têm o dedo do deputado Marcelo Freixo, do PSOL; depois, o Globo citou uma investigação que acusa o deputado e ex-governador do Rio Anthony Garotinho, do PR, de incentivar a violência.

FANCARIA

Um exemplo desse jornalismo de fancaria: o título publicado no domingo (9/2) pelo portal G1, do grupo Globo: “Estagiário de advogado diz que ativista afirmou que homem que acendeu rojão era ligado ao deputado Marcelo Freixo”.

Nas edições de sexta-feira (14/2), os jornais fazem malabarismos para concentrar a denúncia no PSOL, PSTU e numa organização pouco conhecida chamada Frente Independente Popular.

A citação dessas organizações foi tirada de uma frase do auxiliar de limpeza Caio Silva de Souza, acusado de haver acendido o petardo que matou o cinegrafista. Segundo os jornais, o jovem disse acreditar que os partidos que levam bandeiras às manifestações são os mesmos que pagam a ativistas que se dedicam a depredações e a enfrentamentos com a polícia. Nenhuma referência às investigações sobre a participação de militantes ligados a Anthony Garotinho, ainda que tais informações tenham como fonte um inquérito oficial em vez de declarações fora de contexto.

Exatamente como no caso da Escola Base, o julgamento apressado produz desinformação: pinta-se um perfil bipolar dos dois jovens, ora como se fossem perigosos terroristas, ora como se se tratasse de duas criaturas desamparadas que foram aliciadas por forças políticas interessadas em uma espécie de “revolução bolivariana”, para usar a expressão irônica da colunista Barbara Gancia, na Folha de S. Paulo.

DEMONIZAÇÃO

Nas duas versões, o enredo vai compondo um painel cujo resultado parece a cada dia mais claro: a demonização da política partidária, com foco muito claro em agremiações de pouca expressão eleitoral, todas coincidentemente alinhadas à esquerda do espectro político.

Pode-se discordar de objetivos e estratégias de partidos, indivíduos e organizações que se consideram artífices de uma revolução, pode-se acusá-los de tentar compensar a falta de correligionários com bumbos e palavras de ordem, mas o jogo torna-se muito perigoso quando a imprensa, hegemonicamente, atua no sentido de criminalizar o direito à manifestação pública de opiniões sobre o que quer que seja.

Nas redes sociais, esse noticiário tendencioso e irresponsável alimenta o extremismo reacionário ao ponto de inspirar chamamentos ao crime.

Se não é o fundo do poço para a imprensa, estamos quase lá.

(artigo enviado por Mário Assis)

Nada de novo, apenas o imperialismo de sempre

José Donizete Fraga

Pesquisem sobre o coletivo Otpor (Отпор), formado inicialmente na Bósnia/Sérvia e hoje adotado como laboratório master da ideologia e das táticas sublevacionistas que a CIA e o Pentágono usam para desestabilizar governos mundo afora, desde as malfadadas ‘revoluções coloridas’ na Ucrânia, Geórgia, Bielorrússia, Egito, Líbia, Síria…

No Irã tentaram mas não tiveram sucesso. Na Turquia, também não. Até na Rússia tentaram, com a ONG Golos (Voz). Agora na Ucrânia de novo…

Quem disse que a América do Sul, com suas imensas reservas de petróleo (Brasil e Venezuela), escaparia ilesa? O Império pratica políticas de império, desde sempre.

Pesquisem e depois me diga o que encontraram nesse angu. Os mesmos métodos, os mesmos financiadores: Otpor, na Sérvia/Bósnia; Porá, na Ucrânia (que fez a malfadada revolução laranja); Golos, na Rússia; o Change#Brasil, no Brasil; La Salida, na Venezuela (agorinha mesmo, o La Salida está tocando o terror em Caracas).

Enfim, meu caro, é o imperialismo na sua essência: a guerra, a mentira e a manipulação. E os idiotas manipulados se achando heróis…

A história do homem que queria um emprego público

O diplomata e poeta mineiro Francisco Soares Alvim Neto, em “História Antiga”, conta o caso do homem que queria um emprego público, história essa iniciada com a carta de Pero Vaz de Caminha.

HISTÓRIA ANTIGA
Francisco Alvim

Na época das vagas magras
redemocratizado o país
governava a Paraíba
alugava de meu bolso
em Itaipu uma casa
do Estado só um soldado
que lá ficava sentinela
um dia meio gripado
que passara todo em casa
fui dar uma volta na praia
e vi um pescador
com sua rede e jangada
mar adentro e saindo
perguntei se podia ir junto
não me reconheceu partimos
se arrependimento matasse
nunca sofri tanto
jogado naquela velhíssima
jangada
no meio de um mar
brabíssimo
voltamos agradeci
meses depois num despacho
anunciaram um pescador
já adivinhando de quem
e do que se tratava
dei (do meu bolso) três contos
é para uma nova jangada
que nunca vi outra
tão velha
voltou o portador
com a seguinte notícia
o homem não quer jangada
quer um emprego público

            (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

Muita atenção para a disputa dos recursos bilionários do FGTS

Sergio Oliveira

A todo mundo são repetidas denúncias contra Carlos Lupi. Quem sabe também se fale nos ministros que saíram antes do Lupi. Está esquecido, por exemplo, o Alfredo Nascimento, presidente nacional do PR do Garotinho (e PR do Valdemar Costa Neto, bem como do José Roberto Arruda, aquele do mensalão de Brasília). Nascimento está quietinho lá no Senado.

Lupi saiu em 2011 e, volta e meia, ressurgem as denúncias. Se tivesse ficado quieto, não falasse nada, de repente, seria esquecido. Mas ele insiste em falar, se mostrar contra a flexibilização da CLT.

Por que Lupi ficou na presidência do PDT, quando Brizola morreu? Porque era o 1º vice-presidente da Executiva, presidida pelo Brizola, da qual já tinha sido tesoureiro; o Manoel Dias era o secretário da Executiva presidida pelo Brizola. Deve ser porque Brizola não os conhecia.

ERRO DE LUPI

A meu ver, o erro de Lupi, foi ter submetido o PDT a entrar no governo Lula em 2007, quando o Diretório Nacional, por 144 votos a favor e 31 contra, decidiu a favor.

Em 31.01.2014, o jornalista Leandro Mazzini, na sua coluna Esplanada, publicou texto com a seguinte manchete: “Denúncia contra Lupi expõe racha sobre controle do FGTS”.

Parte do texto: “É neste ponto que começa a encrenca, e aparece outra encrenca na esteira da denúncia. Não é apenas a acusação política. Há um jogo de interesses dentro do Comitê do Fundo de Investimento do FGTS. João Graça será (ou seria) o próximo presidente do comitê, com poder de caneta para direcionar investimentos do fundo. Mas agora é detonado por parte do conselho. Abriu-se, então, uma guerra entre dois grupos.

Um defende a posse de Graça na presidência, por direito de rodízio, como representante do governo. Outro o quer fora dali, e usa a denúncia da revista para extirpar do ministério a turma de Graça. Este grupo quer indicar para o cargo o representante da Caixa, Fábio Cleto.

E por trás dessa disputa de indicações, os objetivos de cada grupo: João Graça é contra a aplicação de R$ 9 bilhões do FGTS para a Petrobras no projeto do complexo petroquímico de Itaboraí (RJ), o Comperj. Os adversários internos de Graça trabalham pelo aporte para ajudar a petroleira no projeto. (Aqui, um parêntese: a destinação dessa vultosa quantia para a Petrobras é surpresa para muita gente graúda do governo. É outro mistério, já que a estatal informa estar bem das contas..)

Houve uma tentativa de torpedear Graça numa eleição virtual. Não conseguiram por falta de quorum. O homem ganhou fôlego. A nova reunião será dia 26 de fevereiro e muita coisa pode sair dos corredores até lá, contra os dois lados. A despeito de tudo, cabe ao MP denunciar o esquema do registro sindical, se houver provas, e à polícia fechar o cerco ao ministério.”

Comentaristas opinam sobre a possibilidade da candidatura de Joaquim Barbosa

Paulino Ferreira Campos

O Brasil está precisando, desesperadamente, de um líder que tenha moral ilibada e nível intelectual e perspicácia para se assessorar de pessoas éticas e preparadas para ajudarem a fazer um governo com nova visão.

Olhando no horizonte político-eleitoral do país, não vejo ninguém com cacife para fazer um governo sério, ético e com força moral para enfrentar os milhares de raposas que defendem seus múltiplos interesses e nunca pensam no Brasil e seu povo. Confesso, entretanto, que não tenho ilusões sobre a possibilidade de Barbosa vir a ser presidente do Brasil.

###

Célio de Assis Araújo

Ele não ganha nem para SÍNDICO!

###

Tarciso G

Barbosa mostrou que não compactua com a corrupção. Detonou a bandidagem do mensalão, estupradores da democracia, como se disse, e certamente é odiado por aqueles que querem manter a situação como está. Se for candidato, tem meu voto.

###

Paulo Solon

E ainda tem Dona Dilma nas paradas, totalmente favorável aos trabalhadores e às camadas menos favorecidas da população, e apoiada pelo Lula. O povo sabe que Dilma não ganhou emprego vitalício para chegar aonde chegou. Com apenas 19 anos foi presa durante 3 anos pela ditadura militar nazi/fascista, e foi barbaramente espancada. Tem imenso orgulho de haver combatido a maldita ditadura, que não foi totalmente militar, mas civil, fascista e nazista.

O Dr. Barbosa certamente sabe que o tal de Tuminha, mesmo escrevendo 10 livros, não influi. Dona Marina já pulou fora. O Aecinho sabe que Brasil não é Minas Gerais. A Minas Global do “quem te conhece não volta jamais”. (sem ofensa, que meu pai era de Três Corações e minha mãe, de Carangola. E jamais voltaram.

###

Nélio Jacob

Há quem não goste do Ministro Joaquim Barbosa, e o ache desonesto, e que honestos, são: o Lula, a Dilma e o PT. Dos que estão aí no cenário, Joaquim Barbosa seria uma esperança. Pode ser que quem recebe bolsa família, quem está mamando nas tetas do governo, que não é pouca gente, não vote em Joaquim Barbosa, mas quem quer mudanças, com certeza votará nele.

Tucanos na berlinda: Justiça abre inquérito para investigar Matarazzo no caso Alstom

Fausto Macedo e Fernando Gallo
Estadão

A Justiça Federal em São Paulo autorizou a abertura de um inquérito policial específico para investigar o vereador Andrea Matarazzo (PSDB) por suposto envolvimento com o esquema de pagamento de propinas pela Alstom no setor de energia do governo paulista no final dos anos 1990. Matarazzo foi secretário de Energia em 1998. Nos quatro anos anteriores, foi presidente da Companhia Energética de São Paulo (Cesp).

A decisão do juiz Marcelo Costenaro Cavali atende a pedido do Ministério Público Federal (MPF), que disse não haver, por enquanto, elementos para denunciá-los junto com os outros 12 denunciados em janeiro, mas que a existência de indícios contra Matarazzo e a falta de todos os documentos enviados por autoridades suíças que investigam o caso ensejavam a abertura de um inquérito policial específico.

Matarazzo foi secretário de Energia em 1998, ano em que se autorizou o décimo aditivo do contrato Gisel, no âmbito do qual a Alstom é acusada pelo MPF de ter pagado R$ 23,3 milhões a dois ex-diretores da extinta Empresa Paulista de Transmissão de Energia (EPTE), José Sidnei Colombo Martini e Celso Sebastião Cerchiari. Martini e Cerchiari estavam subordinados hierarquicamente ao tucano.

PROPINAS

“No que diz respeito especificamente a Angelo Andrea Matarazzo, pessoas submetidas à sua esfera de comando hierárquico foram tidas como beneficiárias de propinas. Além disso, há ao menos indício de que o próprio partido político ao qual é filiado e a própria Secretaria de Energia dirigida por ele – conquanto em curto espaço de tempo – tenham sido beneficiários de valores indevidos”, escreveu Cavali em sua decisão.

O juiz rejeitou argumentação da defesa de que o fato a ser apurado é indeterminado, e de que Matarazzo se vê “ilegitimamente submetido a alto grau de constrangimento”, em época de proximidade das eleições.

“Um dos ônus do exercício de funções públicas é justamente a sujeição à permanente vigilância da sociedade, em geral, e, eventualmente, de investigações criminais pelos órgãos de persecução penal”, escreveu Cavali. “Quanto ao abalo sofrido pelo investigado em plena época eleitoral, tenho para mim que eleitores bem informados sabem diferenciar a colossal diferença entre estar submetido a uma investigação, e não chegar sequer a ser denunciado, e ser condenado criminalmente. Se os eleitores, em geral, não são bem informados, esse é um grave problema social brasileiro e uma constatação acessória que, evidentemente, não tem, por si só, peso suficiente para impedir a continuidade das investigações”

Por decisão do juiz, também serão investigados nesse mesmo inquérito Eduardo José Bernini, ex-presidente da Eletropaulo, e os executivos franceses da Alstom Michel Louis Charles Mignot, Yves Jaques Marie Barbier de La Serra e Patrick Paul Ernest Morancy.

A propósito da comprovada competência de nossos governantes

Laco Silva

Olha que nossos governantes não são tão incompetentes assim. Pelo contrário. São competentes até demais em nos manterem dependentes economicamente de interesses estrangeiros, inconscientes desse problema sem qualquer tipo de reação. Uma façanha de mistificação exitosa que vem desde o tempo do Império e atravessa a República. Gerações e gerações perdidas.

A propósito de Juscelino Kubitschek, por exemplo,sugiro que os comentaristas perguntem ao Helio Fernandes diretamente os detalhes de como as montadoras aqui se instalaram e como foram as condições econômicas e tecnológicas. Ficarão estarrecido com a trambicagem do processo. Informo aos comentaristas que o Helio participou da campanha política do JK, viajou até com ele para o exterior após a vitória, mas logo que ele foi empossado, saiu fora. Aproveitem enquanto ele ainda escreve. E depois tirem as conclusões.

O que me deixa estupefato é que existam pessoas maduras, depois de todos esses anos de revelações escabrosas, levando pau na cabeça direta ou indiretamente, que ainda dão crédito a essa gente aí que ocupa posto de direção no país.

O pior é que essa gente que ocupa posto de direção é a mesma das últimas décadas e que está a nos vomitar em cima até seus próprios herdeiros consanguíneos para darem prosseguimento a tudo de podre da nossa História.

Pensamento mágico

Tostão
O Tempo

Com o evidente crescimento individual e coletivo da seleção, que vai além da conquista da Copa das Confederações, a avaliação do time, que era excessivamente negativa, como se o Brasil estivesse mil anos atrasado na parte tática e tivesse apenas um grande jogador, Neymar, passou a ser exageradamente positiva, como se a seleção fosse a única favorita no Mundial e possuísse inúmeros foras de série. Nem uma coisa nem outra.

Fred é um excelente centroavante. Porém, mesmo irregular e sem nunca ter sido destaque mundial – era reserva no Lyon –, desperta em Felipão, e na maioria das pessoas, o sentimento de que, na hora de a onça beber água, ele brilha, mesmo sem boas condições físicas. Isso ocorre por causa das boas atuações na Copa das Confederações e em alguns clubes. Outro motivo é o pensamento mágico, de achar que o desejo é maior que a realidade.

Ocorre com Julio Cesar, que não joga, algo parecido. Sua escalação na Copa, antecipada pelo técnico, ultrapassa a realidade, como se suas excelentes atuações na Copa das Confederações fossem o único parâmetro. Ou seria também uma desconfiança em relação aos outros goleiros?

CENTROAVANTE

Felipão já disse que vai convocar um típico centroavante para a reserva de Fred. Nenhum convence. Poderia ser um meia ofensivo, como Kaká ou Robinho, mas os dois não merecem, por suas atuações no Milan. Nem o lobby de Galvão Bueno por seu amigo Kaká convenceu Felipão. O técnico não gosta também de chamar um jogador muito famoso para ficar na reserva. Bastaria um mau momento do time para a torcida pedir Kaká, como se ele fosse o craque de antes. Este foi um dos motivos de não levar Romário ao Mundial de 2002. Felipão entende da alma humana.

SISTEMA TÁTICO

Um dos méritos de Felipão foi fazer com que a seleção tenha sistema tático e estratégia muito parecidas com as das melhores equipes do mundo. Isso só é possível porque quase todos atuam na Europa, ao lado de muitos craques e sob o comando de ótimos técnicos, como Mourinho, do Chelsea, clube com quatro brasileiros na seleção.

Existem muitas incertezas em relação à Copa do Mundo. O grande número de pessoas indiferentes ou revoltadas com os absurdos gastos públicos vão vestir a amarelinha, quando a bola rolar? Muitos destes falam hoje que vão torcer pela Argentina. As manifestações serão maiores, menores ou tão intensas quanto às do ano passado?

O Brasil vai ganhar a Copa? São inúmeras análises e possibilidades, muitas lógicas e convincentes. Quando o Mundial acabar, só uma será aceita, de acordo com o resultado. As outras serão ignoradas e criticadas. O mais interessante de tudo isso é que muitas das partidas equilibradas serão decididas nos detalhes, por causa de uma dor de cotovelo ou por uma bola que bateu na trave e entrou, em vez de sair.