Estadão denuncia que fornecedores da Petrobrás são doadores de campanha de quatro senadores da CPI

Murilo Rodrigues Alves
O Estado de S. Paulo

Rio – Um terço dos 12 titulares da CPI da Petrobras do Senado indicados até agora recebeu dinheiro de fornecedoras da estatal nas eleições de 2010. O relator da comissão, José Pimentel (PT-CE), está entre eles. Ele recebeu R$ 1 milhão da Camargo Corrêa, empreiteira que lidera o consórcio responsável por obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, alvo de suspeitas.

A doação da empreiteira equivale a 20% de tudo o que o petista conseguiu arrecadar para a sua campanha ao Senado quatro anos atrás. Outros três titulares da comissão, instalada nesta semana e controlada pelos aliados da presidente Dilma Rousseff, também receberam de fornecedores da Petrobras.

Até o momento, são conhecidos 12 titulares da CPI no Senado. Ainda falta a indicação de um nome da oposição, que resiste em fazê-lo por defender uma comissão mista, com a presença de deputados na apuração.

Humberto Costa (PT-PE) também recebeu R$ 1 milhão da Camargo Corrêa para sua campanha ao Senado. A construtora OAS doou outros R$ 500 mil à campanha do senador. Juntas, as duas fornecedoras com contratos com a Petrobrás respondem por 30% das doações obtidas pelo petista.

A Camargo Corrêa também contribuiu para as campanhas de Ciro Nogueira (PP-PI), com R$ 150 mil, e Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), com R$ 500 mil, outros dois membros da CPI. Ciro ainda conseguiu recursos R$ 100 mil da Votorantim Cimentos.

Os fornecedores da Petrobrás foram responsáveis por 10% de todas as doações feitas em 2010 à campanha de Grazziotin e 6,25% do arrecadado pelo comitê de Nogueira.

Conforme revelou o Estado em abril, os fornecedores da Petrobrás respondem por 30% das doações nos pleitos de 2010 e 2012 aos postulantes à Presidência e ao Congresso Nacional. Isso não implica que a estatal tenha direcionado as doações ou que haja ilegalidade, mas revela o potencial de alcance político e econômico da estatal.

EMPREITEIRA FAVORECIDA

A Operação Lava Jato, da Polícia Federal, revelou em março deste ano suspeitas sobre as obras em Abreu e Lima tocadas pela Camargo Corrêa. A partir da intermediação do doleiro Alberto Youssef, a empreiteira teria sido favorecida por superfaturamento nas obras. O favorecimento teria ocorrido, segundo a Polícia Federal, com a ajuda do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa. Ele e Youssef estão presos no Paraná.

A Justiça deu na semana passada prazo de 20 dias para que a Petrobras apresente todos os pagamentos feitos entre 2009 e 2013 à Camargo Corrêa, a principal financiadora dos membros da CPI.

A estatal e a empreiteira tiveram o sigilo bancário quebrado pela Justiça Federal do Paraná, que apura se houve desvios de recursos da estatal que eram destinados a obras da Abreu e Lima. A estatal terá de abrir para a PF e para o Ministério Público Federal as transações feitas entre Petrobras, Camargo Corrêa e Sanko Sider.

Nas investigações do Ministério Público e da PF, Costa e Youssef receberam cerca de R$ 7,9 milhões por meio do consórcio da Camargo Corrêa, para a Sanko Sider, que teria feito depósitos em contas para a MO Consultoria, comandada pelo doleiro.

Financiadora da campanha de Humberto Costa, a construtora OAS fechou contrato de R$ 185 milhões com a Petrobrás em novembro do ano passado para a construção e montagem de dutos para o emissário do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O contrato vai até agosto do ano que vem.

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) já apontou “conduta omissiva” da alta administração da estatal em relação aos atrasos nas obras de tubulação do Comperj, cujo custo total foi estimado, em fevereiro de 2010, em R$ 26,9 bilhões, com expectativa de conclusão em 2021. Só o primeiro trem de refino (o complexo é composto por dois) possui previsão de conclusão em agosto de 2016.

Já a Votorantim Cimentos, doadora da campanha de Ciro Nogueira, foi contratada pela petroleira estatal por um ano para fornecer cimento para poços de petróleo pelo valor de R$ 10,8 milhões. O contrato, que se encerra hoje, ainda teve um aditivo.

Como não concorreu à vaga de senador, o vice-presidente da CPI, Antonio Carlos Rodrigues (PR-SP), não recebeu nenhuma doação dos fornecedores da estatal. No entanto, a petista Marta Suplicy, hoje ministra da Cultura e eleita para o cargo, ganhou R$ 2,5 milhões das construtoras Camargo Corrêa e OAS de um total de R$ 12 milhões de contribuições na campanha de 2010.

 

O capital no século XXI e as desigualdades no mundo

Sandra Starling

Estou que não me aguento de vontade de pôr as mãos no livro de Thomas Piketty “O Capital no Século XXI”, que está pondo em polvorosa a direita e a esquerda nos países a que ele já chegou.

Todos que dele falam acentuam que estatísticas inarredáveis levam o autor a comprovar que não é o mérito, tampouco o esforço em aprender, menos ainda o trabalhar intensamente, o que explica a profunda desigualdade entre o 1% de muito ricos e os 99% restantes numa população de dado país. Aliás, em muitos cartazes do movimento “Ocuppy Wall Street”, há poucos anos, apenas se lia a frase “Somos os 99%”.

O negócio na vida – comprova o livro – é nascer rico. Ou seja, a riqueza é filha do direito das sucessões, no linguajar pomposo das escolas de direito.

Aprendi isso, intuitivamente, muito cedo. Meu pai, que vivia de pequena remuneração, teve de pagar Imposto de Renda elevado, enquanto um jovem rico que eu conhecia, aplicando recursos financeiros de toda ordem, acabara isento: não consegui entender aquilo.

Depois, quando deixei os estudos do direito e fui fazer mestrado em ciência política, acabei apresentando uma monografia sobre a repartição da herança na Iugoslávia nos anos 70, onde os bens deixados pelo falecido tinham de ser igualmente repartidos entre seus descendentes de sangue e os que com ele trabalharam em vida.

SEPARAÇÃO DE BENS

Por último, me custou muito esforço entender por que o novo (já velho!) Código Civil brasileiro, de 2002, instituiu a obrigatoriedade do regime legal de separação parcial de bens, em substituição ao velho regime da comunhão universal. O advento da lei do divórcio determinou essa mudança para preservar tanto quanto possível os bens da família rica como propriedade apenas de seu herdeiro ou herdeira de sangue, bastando para isso a exclusão do cônjuge pelo silêncio do falecido ou por doação feita apenas a seu filho ou sua filha, mesmo na constância do casamento. Tudo isso está hoje em pleno vigor em nosso país.

De modo que, juntando o que Piketty demonstra com o que a experiência me mostrou, acabo de vez perdendo a crença em modelos de repartição de renda ou de promoção de “novas classes médias” – já que a distribuição de renda se dá, na verdade, apenas entre assalariados, e não do capital para os que vivem do salário.

Voltamos assim, passados tantos e tantos percalços, a reencontrar a verdade da diferença entre ricos e pobres no capitalismo: só vão se dar bem os que herdam, nunca os que se esforçam, talvez talentosos excepcionais e sortudos. Mesmo contando com os bônus e gratificações pagas a CEOs, recrutados na intelectualidade aplicada, ou com a roubalheira consentida aos que se beneficiam de certos cargos públicos. Sem falar que os representantes políticos dos pobres cuidam de repartir não as migalhas do banquete dos ricos, mas as migalhas retiradas efetivamente dos impostos pagos por esses mesmos pobres. Eppur si mueve!

Esse livro ainda vai dar muito o que falar.

André Vargas tem até o dia 28 para apresentar defesa no Conselho de Ética contra sua cassação

Ivan Richard
Agência Brasil

Suspeito de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal no âmbito da Operação Lava Jato, o deputado André Vargas (sem partido-PR) ganhou mais um dia para apresentar defesa escrita no Conselho de Ética da Câmara.

Com isso, o ex-vice-presidente da Casa, que confessou ter usado um jatinho pago pelo doleiro, terá agora até o dia 28 para se pronunciar. De acordo com o presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PSD-SP), Vargas pediu dois dias a mais de prazo para apresentar defesa escrita.

O pedido foi atendido parcialmente porque, se fossem concedidos os dois dias, na prática Vargas “ganharia” quase uma semana no processo por quebra de decoro. Isso porque o prazo para defesa acabaria na quinta-feira (29) e o conselho só voltaria a se reunir na semana seguinte.

CONVOCAÇÃO DE TESTEMUNHAS

Com o fim do prazo definido para a quarta-feira (28), o relator do processo que avalia a cassação de Vargas, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), disse que no mesmo dia ou na quinta-feira (29) vai apresentar requerimentos com pedidos de informações e convocação de testemunhas.

No dia 29 de abril, o Conselho de Ética aprovou, por unanimidade, parecer preliminar do deputado Júlio Delgado (PSB-MG) que permitiu a continuidade do processo disciplinar contra André Vargas. Depois da divulgação de sua relação com o doleiro, Vargas renunciou ao cargo de vice-presidente da Câmara.

Em decorrência da denúncia, o deputado também deixou o PT e tirou licença do mandato em abril. Na quarta-feira, ele reassumiu a cadeira na Câmara.

Mais uma história imperdível do Sinatra

http://uploads.neatorama.com/images/posts/129/56/56129/1355288862-0.jpgAlmério Nunes

Estamos em 1943. Frank Sinatra, aos 27 anos de idade, era o maior vendedor de discos do planeta, e seus filmes (os musicais da Metro) batiam recordes de bilheteria. Um dia, no estúdio da Columbia Records, aparece um jovem de nome Nick, vendedor de abotoaduras. “Sr. Sinatra, tenho umas abotoaduras lindas, etc. e tal…” E começou a mostrá-las. Frank comprou um par e… tudo bem, o vendedor foi embora.

Poucos dias depois, nosso Nick aparece lá de novo: “Sr. Sinatra, tenho umas abotoaduras lindas, etc e tal…” Frank disse que já havia comprado, não estava precisando de outras, etc. Mas o vendedor insistia e insistia. Foi quando Frank apresentou-o aos músicos, produtores, enfim, ao pessoal da gravadora. Nick fez o maior sucesso, graças ao garoto-propaganda que arranjara.

E, de tempos em tempos, lá estava o bravo Nick com suas abotoaduras, só que, já fazendo uso da intimidade adquirida, ia também aos shows, entrava nos camarins, nos sets de filmagens etc. Até que… Nick, já nos anos 60, comunicou ao (agora) amigo; “Frank, vou casar no dia tal. Quero um presente muito legal, afinal, você será o padrinho”. E… escolheu um fim de semana no hotel mais caro de Manhattan/New York.

Infelizmente, na sexta-feira do casamento, Frank estava fora da cidade, mas havia providenciado tudo para que nada faltasse ao amigo, durante os três dias no tal hotel.
Segunda-feira de manhã, o tempo acabou… e o Nick tinha que deixar o hotel, mas não foi isto que aconteceu. Tão felizes que estavam, os dois pombinhos foram ficando… até que na quarta-feira foram instados a deixar seus aposentos, pois a conta estava paga somente até o domingo.
Nick, todavia, não tinha dinheiro! A diária era caríssima! Ele então ligou para o Frank (não o encontrou), para amigos, tentou tudo. Até que chegou um telegrama: “Você quer ficar sem dever nada ao hotel? Pule!” – assinado, Frank Sinatra.
Nick falou um monte de palavrões! Não sabia o que fazer! Acalmou-se, entretanto, com a chegada de um cara com um envelope, cheio de dinheiro, em que estava escrito: “Pronto, pague as despesas e… fora!”. Nick foi ao gerente e pagou tudo, ficando ainda com um razoável troco. Quando já ia deixando o hotel… foi chamado de volta.
E, na mesma hora, apareceram dois agentes do FBI com algemas e tudo.”O senhor está preso, todas estas notas são falsas! O senhor é exatamente o cara que estamos procurando há muito tempo, o chefe de uma quadrilha de falsários! Pronto, vamos entrar no carro do FBI e levá-lo para uma penitenciária, aonde aguardará o julgamento”.
Nick estava completamente atordoado. “Mas o dinheiro foi enviado pelo Frank Sinatra!”.
“Ah, é? Ainda tem a cara de pau de dizer que conhece o Sinatra?”
Ninguém queria saber da história do bravo vendedor de abotoaduras. Ao ser empurrado para dentro do carro do FBI, Nick ficou ao lado de um dos agentes, e foi logo reclamando. Até que… o “agente” retira o disfarce (bigode etc) e se apresenta, às gargalhadas. O agente do FBI que estava no carro era o… Frank Sinatra!!!
“Nick, eu nem paguei nada. O dono do hotel é um amigo meu. As notas são falsas, mesmo, o FBI me arranjou. Agora… o que acha deste carro? Ele é seu, comprei para você! E o apartamento onde você mora… também é seu, desde sexta-feira. Eis os documentos. Espero que tenha gostado dos presentes de casamento”.
Agora vocês vejam… um cara com a agenda superlotada, mil jornalistas querendo entrevistá-lo, shows, filmes, reuniões de negócios, viagens pelo mundo etc … e ele ainda arranjava tempo para isso. Era um menino homenageando um amigo feito em 1943!!!
Frank Sinatra era assim.

A promotora (em busca de fama) e a imprensa (sensacionalista) condenam o pai de Bernardo sem provas concretas do envolvimento dele

Carlos Newton

As televisões fazem um escarcéu, os jornais, sites e blogs também denunciam que escutas telefônicas recolhidas pela Polícia Civil durante a investigação confirmariam o envolvimento do médico Leandro Boldrini no assassinato do próprio filho, Bernardo Uglione Boldrini.

O Ministério Público se apressou em divulgar, durante entrevista coletiva na última quinta-feira em Três Passos, as escutas telefônicas que serão usadas como provas do envolvimento do médico no crime. O órgão ofereceu denúncia por homicídio quadruplamente qualificado e ocultação de cadáver aos suspeitos. Leandro Boldrini ainda foi denunciado por falsidade ideológica. Evandro Wirganovicz – irmão de Edelvania – recebeu denúncia por ocultação de cadáver.

Na verdade, os áudios revelam apenas conversas entre a família de Graciane Ugulini, madrasta da criança, e um deles aponta Boldrini como mentor ideológico do assassinato, mas não há provas de nada, somente opiniões. Mesmo assim, a imprensa já deu seu veredito e o pai de Bernardo agora passou a ser o mentor de tudo.

O Ministério Público age com alta irresponsabilidade. A Promotora convoca as televisões, faz tudo para aparecer, com o rosto coberto de maquiagem, é constrangedor. Baseia-se em diálogos que são baseados na opinião dela. E ainda chamam isso de “investigação”. Agora, só falta linchar o pai do garoto…

VEJA ALGUMA PARTES DOS DIÁLOGOS

Leonardo – Pai, mas o Leandro tem a ver, né?
Sérgio – Claro, mas ela mandou uma carta ontem para a Simone inocentando ele. Mas os advogados se reuniram na semana passada para ver uma estratégia para ele sair de tudo, né, e ela fica pagando lá e depois dá um jeito.
Leonardo – Vai ficar dez anos, né?
Sérgio – Não fica dez, fica cinco, seis anos. Cada dia trabalhado, três dias trabalhado, desconta um.
Leonardo – É, então se fica dez anos, vai descontando, fica sete.
Sérgio – Aí, fica sete, né.
Leonardo– Depois, mais o bom comportamento e tal vai pro semiaberto.

###

Sérgio – Nada me faz pensar diferente. Até pelas cinco, seis vezes que eu convivi ajudando na procura do Bernardo, que eu convivi com o Leandro.
Magali – Leva a crer e ter certeza de que…
Sérgio – Que o mentor ideológico é ele. Eu não tenho dúvida disso.
Magali – Com certeza.
Sérgio – E ele vai acabar saindo. Ela inocentou ele, né, no depoimento.
Magali – Isso que eu não entendi por quê.
Sérgio – Acho que é jogo dos advogados.
Magali – Mas tu viu que a delegada tem certeza do envolvimento dele. Alguma coisa ela tem que ter.
Sérgio – Mas a certeza que ela tem, eu também tenho.

###

Mulher – Ele pilhou a Keli (apelido da madrasta).
Simone – Não, a Keli não é assim. A gente conhece a minha irmã.
Mulher – Ele enlouqueceu ela, Simone, como deve ter enlouquecido a Odilaine (Uglione, mãe de Bernardo que teria cometido suicídio em 2010). Não sei, uma lavagem cerebral. Ele deve ter enlouquecido ela como enlouqueceu a outra.
Simone – É.
Mulher – Sei lá o que ele faz. Não sei, não sei.
Simone – Lavagem cerebral.

 

 

 

Dilma enfrenta protestos e é vaiada em cerimônia na Paraíba

Letícia Lins
O Globo

A presidente Dilma Rousseff foi recebida com vaias na entrada da casa de shows Forrock, onde esteve esta sexta para participar da formatura de 1.400 alunos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego, Pronatec. Ele chegou de carro com sua comitiva, e enfrentou palavras de ordem como “Da Copa eu abro mão, queremos mais saúde, mais emprego e educação”. Os manifestantes chegaram a fechar a avenida Tancredo Neves, que dá acesso à casa onde ocorreu a solenidade, mas foram obrigados a abrir caminho pela Polícia Militar, o que ocorreu pacificamente.

Na chegada ao evento, a presidente também alvo de manifestações. Cerca de 70 fecharam a Avenida Tancredo Neves, via de acesso da comitiva presidencial à casa de shows Forrock, local da cerimônia. Com faixas e apitos, os manifestantes protestavam contra a Medida Provisória 633, que eles consideram prejudiciais aos mutuários do Sistema de Habitação. “A eleição chegando, você nos enganando. Não à MP 633”, dizia uma das faixas.

A via começou a ser desocupada pela Polícia Militar, para dar passagem á Presidente. Logo cedo, centenas de pessoas, provenientes de vários estados distribuíam panfletos contra a medida provisória, que segundo elas vai trazer prejuízos para todos os brasileiros que compraram casas financiadas pelo governo.

“Na Paraíba e em todos os estados, os mutuários sofrem com casas e apartamentos,que estão ameaçando desabar, porque foram construídos com muitos defeitos. O único recurso, que o povo tem é cobrar das seguradoras, que recebem as prestações, que consertem as suas casas”, dizia o texto dos panfletos.

O material dizia ainda que o governo Dilma “ficou do lado das seguradoras e contra o povo, ao fazer a MP 633”. O grupo reclama da MP porque “o governo Dilma e as seguradoras querem forçar os mutuários a fazer acordos que vão reduzir o dinheiro do conserto em mais de 70%”.

FESTA DO LADO DE DENTRO

Mesmo com as vaias do lado de fora, o clima era de festa no local da cerimônia, onde a Presidente foi recebida em tom de campanha, com mais de mil pessoas cantando slogans do período eleitoral. Ela passou quase seis minutos saudando cada autoridade local presente, e depois de enaltecer o Pronatec e anunciar novas turmas, fez um balanço das principais iniciativas do seu governo, inclusive a transposição do rio São Francisco, que beneficiará a Paraíba. Durante o discurso, no entanto, não conseguiu arrancar empolgação do público e só foi aplaudida três vezes. Dilma falou das creches que vem construindo, da democratização do ensino e da redução da desigualdade:

– Quero dizer acima de tudo que o país melhorou a renda das pessoas, diminuiu as desigualdades entre as pessoas – afirmou a presidente.

Dilma não falou com a imprensa, e viajou logo em seguida para o Piauí. Em João Pessoa, cancelou entrevista que daria a uma emissora local de rádio.###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Desde 2013, na Copa das Confederações e depois no Pará e no Rio Grande do Norte, a presidente vem sendo vaiada com uma frequência impressionante. Este ano, já foi vaiada diversas vezes, mas a cena mais importante foi terça-feira passada, no encontro de 4 mil prefeitos em Brasília. Ela não quis participar da importante reunião, em pleno ano eleitoral, nenhum ministro compareceu, e apenas o subchefe para Assuntos Federativos, do Ministério das Relações Institucionais, Gilmar Dominici, foi representar o governo. Resultado: os prefeitos fizeram questão de vaiar qualquer menção ao nome dela. (C.N.)

Beltrame não consegue se explicar sobre a denúncia de improbidade na compra de carros para a Polícia

Deu no G1

GNews - Secretário de Segurança Pública do RJ comemora ocupação do Complexo da Maré (Foto: Reprodução Globo News)

O Secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, foi denunciado pelo Ministério Público por improbidade administrativa. A denúncia se refere a dois contratos de aquisição e manutenção de viaturas da Polícia Militar firmados entre 2007 e 2008. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (14) pelo MP.

Na comparação entre os contratos, o promotor aponta que os valores cobrados para manutenção das viaturas supera em quase o dobro o valor das próprias viaturas. Além disso, foi cobrada a manutenção dos veículos mesmo que não houvesse necessidade do serviço.

Além de Beltrame e do governo do estado, a ex-secretária de gestão de estratégia da Seseg, Suzy Avellar, as empresas Júlio Simões Transportes e logística e CS Brasil também foram denunciados. Na denúncia, o promotor Rogério Pacheco Alves pede a devolução de R$ 135 milhões aos cofres públicos e o cancelamento dos contratos.

O promotor pede, também, que o secretário perca o cargo público e os direitos políticos por oito anos, além do pagamento de multa civil. De acordo com a Seseg, Beltrame ainda não foi notificado da ação proposta na Justiça pelo promotor Rogério Alves e deixará as suas argumentações jurídicas a cargo da Procudoria-Geral do Estado.

BELTRAME RESPONDE

Em nota distribuída à imprensa, Beltrame responde às acusações e diz o seguinte:

“Um carro de polícia, que roda o dia inteiro, dura em média 14 meses, um pouco mais, um pouco menos. E já a partir do décimo mês, a maioria estará circulando no limite do padrão que consideramos seguro. Há hoje muitos carros das UPPs, por exemplo, comprados fora do contrato de manutenção, que aguardam consertos. Enquanto a burocracia não anda e a solução não chega, o policial vai ficar a pé ou vai  buscar outros meios, que nem nós e nem a sociedade toleramos mais. É contra essa lógica perversa, que afeta o policial e o serviço prestado à população, que estamos lutando. E qual é o custo disso? Ele tem de entrar na conta.”

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Na visão de Beltrame, os táxis teriam de ser trocados todos os anos, pois rodam até mais do que os carros de polícia. O ideal seria comprar os carros por concorrência pública e fazer a manutenção das penitenciárias, que estão repletas de mecânicos e lanterneiros, Seriam ótimo para todos, mas quem leva em conta o interesse público no governo Cabral/Pezão? (C.N.)

Lava Jato: PF suspeita que deputado ajudou doleiro a chegar à Petrobras

Deu no Estadão

A Polícia Federal suspeita que o deputado Luiz Argôlo (SDD-BA) “agendou uma reunião” entre o doleiro Alberto Youssef e o diretor de Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza. Durante a Operação Lava Jato – investigação sobre esquema de lavagem de dinheiro que pode ter alcançado R$ 10 bilhões -, a PF interceptou no dia 18 de setembro de 2013 troca de mensagens pelo aparelho BlackBerry entre Argôlo e o doleiro tratando de um encontro com o diretor da estatal.

Consenza sucedeu ao engenheiro Paulo Roberto Costa, em 2012. Costa foi preso pela Lava Jato no dia 20 de março de 2014. Ele e Youssef são apontados como os líderes de uma organização criminosa que teria se infiltrado na Petrobras para desvio de recursos e corrupção.

A PF investiga outros funcionários da estatal. A longa sequência de contatos entre Argôlo e o doleiro faz parte de Relatório de Monitoramento Telemático enviado ao Supremo Tribunal Federal, instância que tem competência para investigar parlamentares. Entre 14 de setembro de 2013 e 17 de março de 2014 o deputado e o doleiro trocaram 1.411 mensagens. Youssef trata o deputado por “LA” e este o chama de “Primo”.

Eles citam Cosenza. Às 11h36 do dia 18 de setembro Youssef diz que “já liga” para Argôlo porque “está terminando uma reunião na prefeitura de Cubatão (SP)”. O deputado comenta que está com o substituto de “PR” – para os investigadores uma “provável referência à pessoa que substituiu Paulo Roberto Costa na Petrobras, José Carlos Cosenza”.

VÁRIOS ASSUNTOS

O deputado pergunta ao doleiro se ele “tem algum assunto” para tratar com o diretor da Petrobras. “Temos vários assuntos lá”, responde Youssef, “possivelmente referindo-se à Petrobras e às diversas operações de desvio de recursos que envolveriam as suas empresas de fachada utilizadas para distribuir o dinheiro ilegal”.

A PF não imputa atos ilícitos a Cosenza, mas seu nome consta do relatório. “Em seguida, aproveitando-se da proximidade de ‘LA’ possivelmente com o atual diretor de Abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza, solicita que ‘LA’ passe a seguinte mensagem: ‘Diga a ele que você precisa fazer uma visita a ele para que te ajude com um amigo’.”

“Existem indícios de que ‘LA’ agendou uma reunião entre Youssef e José Carlos Cosenza, possivelmente para tratar de algum assunto relacionado às operações de Youssef junto à empresa”, afirma a PF.

O relatório mostra Argôlo pressionando o doleiro para arrumar dinheiro, segundo a PF. Revela contatos com empreiteiras. O diretor financeiro de uma delas, sediada em Salvador, teria repassado R$ 420 mil para a organização.

CONSELHOS

Youssef também dava conselhos políticos a Argôlo. No dia 9 de outubro, o deputado perguntou ao doleiro se deveria aceitar a vice-liderança do Solidariedade ou se aceitava participação na Comissão de Orçamento da Câmara. “Pega a vice-liderança, você vai estar o tempo todo com o governo.

A Comissão de Orçamento é também muito boa, mas deve ser escolhida em outro momento, pois agora o importante é estar perto do governo”, respondeu o doleiro. Argôlo não foi localizado ontem. A Petrobras, em nota, declarou. “O diretor José Carlos Cosenza não conhece Alberto Youssef. Ele não manteve contato com o deputado Luiz Argôlo”.

 

Aliados de Aécio não querem Serra como vice na chapa do PSDB

Julia Duailibi
Estadão

As especulações envolvendo o nome do ex-governador José Serra (PSDB) para vice na chapa do presidenciável Aécio Neves (PSDB) não têm grande receptividade entre os aliados do senador mineiro. Para integrantes da pré-campanha e parlamentares próximos a Aécio, o nome de Serra foi ventilado pelos próprios serristas, como forma de prestigiar o ex-governador e colocá-lo novamente no centro das atenções. Se o critério de escolha do vice for regional, dizem, a tendência é que o escolhido seja o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), também de São Paulo, principal colégio eleitoral do País e Estado estratégico para Aécio.

“Isso não está em pauta, é mera especulação. Aécio nunca cogitou isso. É um balão de ensaio com o objetivo de colocar Serra de novo na primeira divisão”, afirmou um aliado do senador mineiro. Um dos argumentos levantados é o de que Serra não tem perfil para vice. Alegam também que ele possui uma rejeição alta. Os votos que seriam dele migrariam para Aécio de qualquer maneira. Já os eleitores que Aécio precisa conquistar e que não votariam em Serra fugiriam de uma chapa com o ex-governador.

A tendência hoje é que Serra dispute uma cadeira para a Câmara dos Deputados. Aliados do ex-governador, porém, dizem que podem ocorrer mudanças no cenário eleitoral e que o “jogo não está jogado”. Acham, por exemplo, que se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva for o candidato do PT no lugar da presidente Dilma Rousseff o cenário eleitoral muda e se torna favorável à entrada do ex-governador no páreo. Por enquanto, pouco provável. Primeiro, porque Dilma deve ser mesmo a candidata do PT. Depois porque, mesmo se a candidata não for Dilma, Aécio já disse que fica no jogo, independentemente do adversário.

A felicidade que supomos, segundo Vicente de Carvalho

 

O advogado, jornalista, político, abolicionista, fazendeiro, magistrado, contista e poeta paulista Vicente Augusto de Carvalho (1866-1924), no soneto ‘Velho Tema”, um dos mais conhecidos de sua obra,  com uma sensibilidade muito profunda, penetra com agudeza no mundo interior do homem e daí procura exprimir os anseios incontidos da alma humana. Mas tudo isso sem decorrer a devaneios e com apuro de forma, de acordo com os moldes do Parnasianismo, esses sentimentos subiam à tona com objetividade e realismo, “às claras”, como ele mesmo preconizava no “Velho Tema”.

VELHO TEMA
Vicente de Carvalho

Só a leve esperança em toda a vida,
Disfarça a pena de viver, mais nada,
Nem é mais a existência, resumida,
Que uma grande esperança malograda.

O eterno sonho da alma desterrada,
Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
É uma hora feliz, sempre adiada,
E que não chega nunca em toda a vida.

Essa felicidade que supomos,
Árvore milagrosa que sonhamos,
Toda arreada de dourados pomos,

Existe, sim, mas nós não a alcançamos,
Por que está sempre apenas onde a pomos,
E nunca a pomos onde nós estamos.

(Colaboração enviada por Paulo Peres – Site Poemas & Canções)

Multinacionais instalaram suas fábricas obsoletas na China e a poluição está arrasando o país

Carlos Newton

A poluição é hoje o maior problema chinês. O governo sempre desprezou o meio ambiente, buscou a industrialização a qualquer custo e as multinacionais fizeram a festa. Foram instalando na China as fábricas obsoletas que iam sendo desativadas nos países de origem, a partir da década de 90, quando as legislações ambientais passaram a ser mais rigorosas, em função do efeito estufa.

A China passou a crescer avassaladoramente, sem perceber a gravidade da poluição trazida pelas fábricas estrangeiras. Resultado: ocorrem 1700 acidentes por ano de poluição, e 40 por cento dos rios chineses estão altamente poluídos. E O problema não se coloca apenas Na poluição de fontes de água natural como também Na sua escassez. A cidade de Pequim é um dos lugares onde o debate sobre a qualidade e quantidade de água tornou-se numa questão muito séria.

MORTES POR POLUIÇÃO

As estatísticas oficiais indicam que a cada ano cerca de 400 mil pessoas morrem devido à poluição. Como o governo chinês controla tudo, até mesmo as estatísticas, este número pode ser multiplicado por 10 ou 20, para chegarmos ao cálculo real, com 4 ou 8 milhões de mortos por ano.

Para realizar a Olimpíada de Pequim em 2008, um mês antes o governo mandou suspender a produção das fábricas poluidoras na área da capital, de forma a diminuir a poluição atmosférica.

Esta semana, a agência Reuters distribuiu a notícia de que uma empresa construiu na cidade de Hangzhou, na China, uma cúpula inflável gigante sobre o local de uma fábrica fechada de pesticidas, segundo o governo chinês. A “bolha” de poliéster cobre uma área do tamanho de cerca de três campos de futebol: tem 20 mil metros quadrados, mas ainda “protege” menos que a metade da zona contaminada com produtos químicos deixados para trás pela empresa.

A fábrica foi fechada em 2009, mas o mau cheiro do solo ainda obriga os moradores da região a cobrirem suas bocas e narizes, de acordo com a agência de notícias chinesa, que não revelou a causa do odor.

CONTAMINAÇÃO

No mês passado, o Ministério do Meio Ambiente estimou em relatório que cerca de 16% do solo da China continham um nível de contaminação acima do permitido. O ministério constatou que 82,8% das amostras contaminadas continham poluentes inorgânicos tóxicos, incluindo cádmio, mercúrio, arsênico e chumbo.

A China anunciou em abril seu primeiro projeto-piloto para o tratamento de poluição por metais no solo e evitar que terras agrícolas continuem a ser contaminadas, mas os críticos dizem que os esforços não são suficientes, porque o país terá de combater mais duramente a poluição, ainda que isso signifique crescer cada vez menos.

Dívida do Estado do Rio atinge R$ 81 bilhões, denuncia o deputado Marcelo Freixo

http://4.bp.blogspot.com/-n4gWRdctbXk/TgcXvzcXF6I/AAAAAAAAZpo/PL1-LpcUd6U/s400/ScreenShot651.jpg

Deu no JB Online

O deputado estadual Marcelo Freixo (Psol-RJ) afirmou no plenário da Alerj que a dívida pública do Estado do Rio, que era de R$ 48 bilhões em 2006, cresceu para R$ 81 bilhões em fevereiro deste ano. Falou ainda da crise generalizada de representatividade e do movimento crescente de insatisfação, que deve gerar mais greves de diversas categorias de servidores.

“Venho a esta tribuna falar sobre a situação econômica que o Rio de Janeiro está vivendo, e também sobre as relações que isso pode ter ao conjunto de greves e manifestações pela cidade. (…) Há um endividamento crescente do Estado, e isso não significou melhorias nas condições de trabalho do servidor público”, alertou o deputado.

Freixo ressaltou que a prova concreta disso seria a recente explosão de greves de diversas categorias. Criticou também a incapacidade política do governo do Estado de dialogar, aliada à “incompetência” econômica, enquanto aumenta o sentimento de insatisfação das pessoas.

“A chance de termos mais crises de categorias durante todo o ano é enorme, porque o Estado está falido.” Destacou ainda que a situação “governou para seus sócios, para seus amigos, e agora não consegue atender às reivindicações mais básicas”.

(Matéria enviada pelo comentarista Paulo Peres)

Índia desmente que queira a Argentina no BRICS

Mauro Santayana

Dois dias depois das declarações irresponsavelmente lançadas pelo seu embaixador na Argentina – e apressadamente repercutidas, sem confirmação oficial, pela imprensa  argentina – o governo hindu desmentiu,  oficialmente, em Nova Delhi, que tenha intenção de discutir na Cúpula dos BRICS em Julho, em Fortaleza, a incorporação da Argentina ou de qualquer outro país ao grupo e classificou de especulação qualquer notícia nesse

sentido. Não contente de falar em nome de seu próprio governo, Amarenda Khatua (foto) disse que o Brasil e a África do Sul também teriam respaldado o convite à Argentina, causando um imbróglio diplomático que deve ter dado trabalho aos Ministérios das Relações Exteriores dos BRICS nas últimas 72 horas.

Gilberto Carvalho estava certo quando disse que “o bicho vai pegar”

Carlos Newton

Manifestações hoje em Brasília e em nove capitais, greves em diferentes estados, funcionários públicos insatisfeitos, policiais idem, ônibus incendiados com impressionante frequência, prefeitos fazendo exigências, movimento sem-teto agitando geral… E vem por aí a Copa do Mundo mais detestada, superfaturada e inútil de todos os tempos.

É um ano eleitoral totalmente atípico, que demonstra uma realidade inquestionável: o povo brasileiro está cada vez mais insatisfeito e exige mudanças. Quando o secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, previu que “o bicho vai pegar”, teve uma premonição mediúnica ou apenas mostrava ser bem informado?

E o PT ingenuamente pensa que vai reverter essa situação veiculando mensagens negativas ao eleitorado, dizendo que o país não pode voltar para trás etc. e tal… Ora, quem precisa olhar para frente é o próprio PT, que chegou ao poder há quase doze anos e meio, sem ter um programa de governo bem delineado e jamais se preocupou com isso. A sorte dos petistas é que o PSDB e o PSB também não têm plano de governo. A incompetência, no caso, é o máximo divisor comum da política brasileira.

Prefeitos exigem que Dilma aumente o Fundo de Participação dos Municípios e redistribuia os royalties

Paula Laboissière
Agência Brasil 

Ao final de quatro dias de debates em Brasília, prefeitos de todo o país divulgaram hoje (15) um documento com suas principais reivindicações, que incluem aumento de 2% no Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e a redistribuição dos royalties do petróleo.

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Zilkoski, disse que na carta  à presidenta Dilma Rousseff eles citam as conquistas alcançadas pela marcha, como a instalação de uma comissão especial na Câmara dos Deputados para analisar o aumento de 2% no FPM reivindicado pelas prefeituras.

“Temos um processo de negociação. Não posso construir muro. Tenho que construir ponte”, disse, sobre sua expectativa em relação à votação.

Ele garantiu que a confederação manterá acompanhamento semanal do andamento da reivindicação no Congresso Nacional e pediu que os prefeitos participem de uma nova mobilização, marcada para Brasília entre os dias 3 e 4 de junho.

A 28 dias da Copa, manifestações hoje em oito capitais e também em Santiago do Chile

Mariana Tokarnia
Agência Brasil

Faltam 28 dias para a Copa do Mundo. No portal oficial da Copa 2014, a contagem regressiva é feita em meio ao verde, amarelo e azul da bandeira do Brasil. Já no site do Comitê Popular da Copa de São Paulo, ela é feita em preto, com a pergunta: “Copa pra quem?” O questionamento expressa a indignação de movimentos sociais, organizações civis, partidos políticos, pessoas atingidas por grandes obras e ativistas que saem às ruas hoje (15) com a bandeira: “Copa sem povo: tô na rua de novo”.

As mobilizações deste 15 de Maio, intitulado 15M – Dia Internacional de Lutas contra a Copa, foram definidas no início do mês, no Encontro dos Atingidos – Quem Perde com os Megaeventos e Megaempreendimentos, organizado pela Associação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop), para denunciar violações de direitos humanos que ocorreram durante a preparação do Mundial.

Estão agendadas manifestações hoje em, pelo menos, sete cidades-sede da Copa do Mundo – Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre e Salvador, além de Vitória, no Espírito Santo e até Santiago, no Chile.

Os manifestantes pretendem tomar as ruas, como ocorreu em junho do ano passado, quando uma série de atos mobilizou milhares de brasileiros durante a Copa das Confederações. Em manifesto, ativistas e movimentos que convocaram o 15M apresentam 11 reivindicações, entre as quais, o arquivamento dos projetos de lei que tipificam crime de terrorismo ou ampliam penas para danos causados durante manifestações. Os atos cobram a desmilitarização das polícias, pensão vitalícia para as famílias dos nove operários mortos trabalhando na construção de estádios da Copa, bem como a responsabilização das construtoras.

Os movimentos também reivindicam o fim dos despejos e das remoções forçadas, a realocação de todas as famílias atingidas e a garantia de moradia digna. Defendem a democratização dos meios de comunicação, com ênfase na transmissão dos jogos – comprada com exclusividade pela Rede Globo, que sublicenciou para outras emissoras de TV aberta e fechada e rádio –, além de investimentos em transporte público de qualidade, além da tarifa gratuita nos transportes públicos – pauta que movimentou o país, no ano passado.

Cada cidade tem uma programação própria dos atos, mas a maior parte das passeatas está prevista para agora à tarde.