Celebrado no mundo inteiro, Celso Furtado foi impedido de impulsionar o progresso do país

Círculo de Giz - Há 100 anos nascia Celso Furtado, em Pombal (PB). Em agosto de 1997 foi eleito para substituir Darcy Ribeiro na ABL e ocupar a cadeira 11, cujo patronoJosé Carlos Werneck

Se o Brasil tivesse seguido as diretrizes de Celso Furtado, estaria hoje em uma posição de vanguarda no cenário internacional e, principalmente, os brasileiros viveriam em melhores condições. Furtado foi considerado um dos sucessores de John Maynard Keynes, defendendo a necessidade de uma participação ativa do Estado para dinamizar a economia e alcançar uma melhor distribuição, reduzindo a desigualdade social, que até hoje continua a desafiar políticos e economistas.

Este notável homem público formou-se em Direito e depois, em 1947, foi para a Inglaterra e se especializou em Economia na London School of Economics. Retornando ao Brasil, foi trabalhar na Fundação Getúlio Vargas. Em seguida, transferiu-se para Santiago do Chile, onde trabalhou na recém-criada Comissão Econômica para a América Latina (Cepal).

CEPAL E SUDENE – Em 1953 voltou ao Rio de Janeiro, convidado para presidir o Grupo Misto de Estudos criado a partir de um convênio celebrado entre a Cepal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE). Em outubro de 1955 retornou à sede da Cepal, em Santiago do Chile, para dirigir um estudo sobre a economia mexicana, o que acabou resultando em nova mudança, desta vez para a Cidade do México, em 1956.

No governo de Juscelino Kubitschek, quando houve grave crise decorrente da seca no Nordeste, Celso Furtado apresentou ao presidente da República os resultados dos estudos que vinha realizando e recebeu a incumbência de elaborar um plano de política econômica para aquela região.

Surgiu, assim, a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), Furtado foi seu primeiro superintendente e cumpriu o plano de JK, de jamais ocorrer nova seca com a região ao desamparo.

NO PLANEJAMENTO – Nos governos de Jânio Quadros e João Goulart, o economista foi mantido na Sudene, até ser nomeado ministro do Planejamento em 1962, incumbido de elaborar, em dois meses, um novo plano de política econômica, que foi divulgado oficialmente em 30 de dezembro com o nome de Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social.

A política econômica do governo Goulart baseou-se nas diretrizes traçadas pelo Plano Trienal, executado sob a direção de Celso Furtado e San Tiago Dantas, dois notáveis intelectuais brasileiros.

Em fins de junho, Furtado deixou o cargo de ministro e voltou a Recife para dedicar-se novamente à Sudene até 31 de março de 1964, quando eclodiu o movimento político-militar que depôs o presidente João Goulart e instaurou a ditadura no país.

CASSADO EM 1964 – Com a edição do Ato Institucional nº 1, Celso Furtado teve seu nome incluído na primeira lista de cassados. Em meados de abril embarcou no Rio de Janeiro para Santiago do Chile, a convite do Instituto Latino-Americano para Estudos de Desenvolvimento, ligado à Cepal.

Em setembro, mudou-se para New Haven, nos Estados Unidos, assumindo o cargo de pesquisador graduado do Instituto de Estudos do Desenvolvimento da Universidade de Yale.

Daí em diante, dedicou-se a atividades de ensino e pesquisa nas universidades de Yale, Harvard e Colúmbia, nos EUA, de Cambridge, na Inglaterra, e da Sorbonne, na França, onde assumiu a cátedra de professor efetivo a convite da Faculdade de Direito e Ciências Econômicas da Universidade de Paris.

Durante toda a década de 1970, dedicou-se intensamente a atividades acadêmicas e à publicação de livros sobre economia.

VOLTA AO BRASIL – Beneficiado pela anistia, em agosto de 1981 filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Três anos depois, participou intensamente da campanha de Tancredo Neves à Presidência, inclusive integrando a comissão que elaborou o plano de ação do governo.

Em março, com a morte de Tancredo Neves, foi indicado pelo presidente José Sarney para embaixador do Brasil junto à Comunidade Econômica Europeia sediada em Bruxelas. Em fevereiro de 1986 substituiu o ministro Aluísio Pimenta na pasta da Cultura, onde permaneceu até agosto de 1988.

Fora do governo, voltou-se novamente para suas atividades literárias e acadêmicas.

RENOME MUNDIAL – Morando seis meses por ano no Rio de Janeiro e outros seis meses em Paris, Celso Furtado era considerado um dos maiores economistas do mundo e passou a integrar, como membro permanente, a Comissão de Desenvolvimento e Cultura da Organização das Nações Unidas (ONU). Em 1997, tornou-se membro do Comitê de Bioética da Unesco e no mesmo ano tomou posse na Academia Brasileira de Letras.

Como se vê, em nome de um anticomunismo infantil e inconsequente, desde o regime militar o Brasil tornou-se especialista em desperdiçar ideias brilhantes de homens de talento e competência, como Celso Furtado, que poderia ter colaborado de maneira mais efetiva para levar o país a um estágio de desenvolvimento que pudesse amenizar a discrepância de tentar a convivência pacífica entre a miséria absoluta e a riqueza total, algo impossível de existir e que explica a situação absurda que o país hoje atravessa, em termos de atraso econômico e criminalidade crescente.

2 thoughts on “Celebrado no mundo inteiro, Celso Furtado foi impedido de impulsionar o progresso do país

  1. Brasileiros de valor real, perdidos no tempo e sem espaço!
    Mesmo que isto choque cabeças pouco iluminadas, teu comentário vem na hora.
    A pouca capacidade mental e de valores da maioria dos integrantes da sociedade atual, não compreende homens como Celso Furtado.
    É preciso conhecimento profundo de nossos problemas. Mas, na maioria das vezes, as soluções são apenas remendos. Os ignorantes adoram soluções mágicas!
    Cumprimento-o pela contribuição.
    Saúde e um ano repleto de realizações.
    Fallavena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *