22 thoughts on “Charge do Duke

  1. Reajuste do Bolsa Família custará ao governo R$ 1,7 bilhão este ano

    A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Tereza Campello, afirmou nesta sexta-feira, 2, que o impacto financeiro do reajuste de 10% do Bolsa Família será de R$ 1,7 bilhão este ano. Para 2015, de acordo com a ministra, o custo da medida anunciada pela presidente Dilma Rousseff em cadeia nacional de rádio e de televisão será de R$ 2,7 bilhões.

    Os valores apresentados pelo governo estão acima daqueles previstos por economistas ouvidos pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, que calcularam um impacto de R$ 3,6 bilhões para a correção do principal programa de distribuição de renda do governo federal. Segundo a titular do MDS, que convocou uma coletiva de imprensa nesta tarde, no Palácio do Planalto, para detalhar o aumento, o valor cabe no Orçamento da União e já estava previsto no decreto de contingenciamento.

    “Esse impacto estava previsto quando o governo soltou o decreto para fazer a programação do ano e cabe dentro do Orçamento”, justificou Tereza. Ela ainda destacou que o Bolsa Família é uma prioridade do governo e que nunca foi alvo de contingenciamento.

    Oposição – A ministra também rebateu as críticas da oposição ao reajuste do Bolsa Família. Sem citar nomes, ela se referiu a declarações do pré-candidato do PSDB à presidência, senador Aécio Neves (MG), que, nessa quinta-feira, 1º, disse que a presidente “mente” à população ao dizer que a correção do benefício permite que a remuneração chegue a um “patamar mínimo estabelecido pela ONU (Organização das Nações Unidas)”. O PSDB, partido presidido por Aécio, divulgou nota no mesmo sentido, argumentando que a linha da extrema pobreza estabelecida pela ONU é de US$ 1,25 per capita dia, o equivalente a R$ 83 (e não os R$ 77 estabelecidos pela correção concedida por Dilma).

    Em coletiva no Palácio do Planalto, a ministra contra-atacou num tom duro e disse que, ao fazer esse tipo questionamento, a oposição está sendo “eleitoreira”. “Por que vão questionar agora? Esse questionamento é eleitoreiro. É leviano acharem que as políticas públicas brasileiras possam variar segundo o dólar. Tem que saber fazer a conta”. Segundo a ministra, o cálculo para o benefício seguiu parâmetros já adotados em outras ocasiões – paridade e poder de compra – e as famílias atendidas pelo Bolsa Família tiveram ganhos acima da inflação no governo Dilma Rousseff. “Dá mais de 40% de reajuste real (acima da inflação) no valor médio recebido pelas famílias nesses três anos e meio”, afirmou.

    Ela ainda alfinetou a oposição argumentando que diversos reajustes foram concedidos durante o governo Dilma e que a “novidade” é que hoje as pessoas “estão preocupadas com o Bolsa Família como não estavam em 2011”. “Agora isso parece surpreender, mas estamos num ritual normal, previsto e previsível”.

    Na noite de 30 de abril, em seu pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão pelo Dia do Trabalho, a presidente Dilma Rousseff anunciou o reajuste de 10% para os 36 milhões beneficiários do Bolsa Família, além da correção de 4,5% da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física em 2015. Em nota, o Ministério da Fazenda afirmou que, pela anualidade, as alterações na tabela do IR precisam ser feitas em 2014 para valerem no ano seguinte. Já o aumento do pagamento do Bolsa Família entra em vigor a partir de 1º de junho, de acordo com o MDS.

    (Transcrito do Diário do Comércio)

  2. Brasil no pelotão da frente do PIB mundial

    A economia do Brasil representava 3,1% da produção global em 2011, segundo um novo estudo do Banco Mundial, que usa como base para a comparação entre os PIBs dos países a paridade do poder de compra (PPC), em vez da taxa de câmbio de mercado. Pelo PPC, o Brasil é a 7ª maior economia do mundo, enquanto que pelo câmbio de mercado fica na sexta colocação, empatado com o Reino Unido, com uma fatia de 3,5% do PIB global.

    O PIB brasileiro é calculado pelo Banco Mundial em R$ 4,1 trilhões, ou US$ 2,8 trilhões com base no PPC e US$ 2,5 trilhões usando o câmbio de mercado. O PIB per capita brasileiro fica em US$ 14.639,00 e US$ 12.874,00, respectivamente. A população brasileira, de 192,38 milhões, representa 2,9% de todos os habitantes do planeta. Já na América Latina, cujo PIB é de US$ 4,9 trilhões (5,5% da economia global), o Brasil representa 57%.

    Segundo os dados do Banco Mundial, o Brasil tem diminuído sua distância em relação aos países mais ricos. Em 2005, o PIB brasileiro representava 12,8% do PIB dos Estados Unidos, que são a maior economia do mundo. Em 2011, o porcentual subiu para 18,1%. Outros emergentes, no entanto, avançam ainda mais rápido. Nesse mesmo período, o PIB da Índia passou de 18,9% para 37,1% em relação ao PIB norte-americano.

    A Índia é um dos destaques do estudo. Usando a metodologia do PPC, o Banco Mundial classifica a economia indiana como a 3ª maior do mundo, superando o Japão e ficando atrás apenas de EUA e China. Os chineses também estão se aproximando dos norte-americanos, com a economia do gigante asiático equivalendo a 86,9% do PIB dos EUA em 2011, de 43,1% seis anos antes.

    Juntando, as seis maiores economias emergentes (China, Índia, Rússia, Brasil, Indonésia e México) representam 32,3% da economia global, quase os mesmos 32,9% dos seis maiores países desenvolvidas (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido e Itália). Combinados, esses 12 países têm 59% da população mundial e quase 66% do PIB.

    Apesar de terem sido analisados 199 países, apenas 172 – que têm dados completos – entraram no ranking do Banco Mundial. Considerando todos eles, o PIB global é de US$ 90,6 trilhões e o PIB per capita de US$ 13.460,00 (PPC) ou US$ 10.438,00 (câmbio de mercado).

    O Banco Mundial divide os países em três grupos: renda baixa (PIB per capita abaixo de US$ 1.025,00) – 56 países, com 11% dos habitantes do planeta e participação de 1,5% no PIB global; renda média (entre US$ 1.026,00 e US$ 12.475,00) – 84 países, com 72% e 48,2% respectivamente e renda alta (acima de US$ 12.475,00) – 32 países, 17% e 50,3% respectivamente.

    (Transcrito do Diário do Comércio)

  3. Corte do Imposto de Renda e ajuste no Bolsa Família custarão R$ 8,9 bi

    Anúncio da presidente ocorre num dos momentos mais críticos à política fiscal nacional

    Apesar da promessa de cortar despesas para garantir um ajuste fiscal maior, a presidente Dilma Rousseff decidiu abrir mão de R$ 5,3 bilhões com a correção de 4,5% da tabela do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física) em 2015. A conta sobe mais R$ 3,6 bilhões com o reajuste de 10% do programa Bolsa Família, segundo cálculos dos economistas.

    As medidas foram anunciadas em cadeia nacional de rádio e TV na noite da última quarta-feira (30), uma espécie de pacote de bondades do Dia dos Trabalhadores que incluiu ainda a manutenção da política de valorização do salário mínimo.

    O anúncio ocorre num dos momentos mais críticos para a política fiscal brasileira, em que a equipe econômica busca recuperar a credibilidade abalada pela deterioração das contas públicas.

    Parte das despesas com o Bolsa Família – R$ 1,3 bilhão – já vai afetar as contas deste ano. É que o reajuste do benefício, informou ontem o Ministério do Desenvolvimento Social, começa a valer já dia 1.º de junho. Outros R$ 2,3 bilhões ficarão na conta dos gastos do Bolsa Família do presidente que assumirá o cargo em janeiro de 2015.

    Os cálculos foram feitos pelo economista Felipe Salto, da Consultoria Tendências, com base nos números do ministério, que apontam um gasto mensal de R$ 213 para 9 milhões de famílias e 36 milhões de brasileiros. Com o reajuste, o benefício sobe para R$ 234,30.

    O ministério não informou o efeito das medidas nas contas públicas. Já a Fazenda, em nota, apresentou os novos valores da tabela do IRPF e o impacto da renúncia fiscal. A tabela passa a vigorar em janeiro de 2015 para a declaração de 2016. Segundo a Fazenda, por causa do princípio de anualidade, as alterações devem ser realizadas em 2014 para ter efeito em 2015.

    Na prática, a presidente está renovando o mesmo valor de correção anual dos últimos quatro anos, abaixo da inflação. Segundo cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal, a tabela tem defasagem de 61,42%.

    “O próximo presidente assume com um abacaxi nas contas públicas”, disse Salto. Segundo ele, num cenário de receita crescendo em ritmo mais baixo, o presidente eleito vai ter de elevar impostos e cortar despesas e desonerações tributárias concedidas para economizar 2,5% do Produto Interno Bruto de 2015 para o superávit primário.

    Tabelas. Pela nova tabela, a faixa de isenção do IRPF sobe para R$ 1.868,22. Na alíquota de 7,5%, ficam os contribuintes com renda entre R$ 1.868,23 até R$ 2.799,86. Com alíquota de 15%, a faixa fica em R$ 2.799,87 até R$ 3.733,19. Na de 22,5%, quem ganha de R$ 3.733,20 até R$ 4.664,68. Na alíquota de 27,5%, fica, ganhos acima de R$ 4.664,68. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    (Transcrito do IBPT)

    • Senhor Wagner Pires.
      Seu comentário bem oportuno…. antena ligada.
      Pelo visto, não considerando a Copa Mundo nos seus arremates e ainda antes dela , os reajustes para outras categorias do serviço público com aumentos de salário, mais a gastança que deverá ser praticada , do final da Copa até as eleições em outubro, cá para nós, que “dignificante” esforço governamental para jogar â inflação lá para cima….
      Deus não me ouça, mas esse é o “fantasma” que ronda a inflação, arriscada de virar 2015 em dois dígitos …

      • A inflação tem tudo para estourar o teto este ano e o ano que vem, mesmo a política monetária sendo a de arrocho por parte do Banco Central.

        A Selic terá de continuar em ascensão para frear o consumo da população e dar espaço para o governo continuar gastando o máximo possível. É a realidade, Sr. Andrade.

        O PT está deitando o cabelo para garantir a sua permanência no poder por mais quatro anos com a Dilma e tornar possível emendar mais quatro com Lula. Tudo isso para dar tempo de tornar possível a este governo demover o Congresso a instaurar uma constituinte a fim de produzir uma nova constituição que lhes dê poder indefinido num sistema político comunista.

        Veja o artigo de hoje do Sr. Carlos Chagas.

        O PT está apostando todas as fichas no fato de que só precisará desse tempo para derrubar a democracia brasileira e instar o regime de exceção comunista definitivamente em nosso país.

        A Dilma vai adoçar a boca de quem ela puder. Isso aqui está igual a estória de Joãozinho e Maria sendo cevados pela bruxa Ma-má.

        • A proposito, lembro muito bem o que disse o trator do cappo, sério motta, aliás, esse corrupto morreu,não foi preso e não devolveu umtostão para o meu bolso e de todos brasileiros,
          Qual era o projeto do trator.? Não era o mesmo dos pentelhos.???

          • na Folha do Serra…

            São Paulo, sexta-feira, 23 de junho de 1995

            FHC diz não pensar em 20 anos de poder

            DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

            O presidente Fernando Henrique Cardoso disse ontem, por intermédio do seu porta-voz, Sérgio Amaral, que não está preocupado em manter o PSDB no poder até o ano 2015.
            Anteontem, durante a filiação do senador paranaense Osmar Dias (ex-PP) ao PSDB, o ministro das Comunicações, Sérgio Motta, disse que o projeto do partido é se manter no poder “por pelo menos mais 20 anos”.
            “Ele (FHC) está começando o seu mandato e não está preocupado com o médio prazo”, disse Amaral.
            Motta também disse no encontro que “o PSDB não é um partido de tertúlias acadêmicas e sim um partido que tem projeto de poder”.
            Para Motta, “o PSDB tem de ser a força hegemônica” durante a realização das reformas.

          • FHC é o maior amigo de Lula e um dos maiores expoentes do pensamento comunista no Brasil.

            Foi ele quem preparou a chegada do seu amigo e companheiro de lutas contra o regime militar o Lula.

            Desconhecer isso é trágico para qualquer entendimento político mais aprofundado e não midiático.

  4. Para sempre, Lacerda.

    Escrito por Alexandre Borges | 04 Maio 2014

    Carlos Lacerda foi expulso pelos comunistas e cassado pelo militares, mas seu espírito incontrolável e sua oratória demolidora marcaram a política brasileira por décadas.

    Há 100 anos, no dia 30 de abril de 1914, nascia no Rio de Janeiro (registrado em Vassouras, no interior do estado) o jornalista, escritor e político Carlos Frederico Werneck de Lacerda, um dos principais personagens da história do Brasil, que morreu prematuramente, aos 63 anos, em 1977.

    Seu nome foi uma homenagem da família comunista à Karl Marx (Carlos) e Friedrich Engels (Frederico), por mais surpreende que possa parecer, já que é o mais notório anticomunista do país. Ele também se opôs ao nacionalismo “desenvolvimentista” do getulismo, de inspiração fascista, que com o comunismo fazem as duas nefastas correntes de pensamento ideológicas majoritárias do Brasil até hoje, um país incapaz de conceber uma terceira via liberal-conservadora.

    Carlos Lacerda surgiu no cenário político nacional em 1935, aos 21 anos, já um orador brilhante, carismático e arrebatador, no evento de lançamento da ANL (Aliança Nacional Libertadora), entidade ligada ao PCB (Partido Comunista Brasileiro) e obediente aos ditames de Moscou via Comintern. Nesse dia, o estudante Carlos Lacerda foi escolhido para ler o manifesto e pedir que Luís Carlos Prestes, que estava na URSS, fosse aclamado como presidente de honra da ANL.

    Seu rompimento com o movimento comunista viria em 1939, expurgado do partido por um texto escrito por ele sob encomenda tratando da “vitória” do getulismo sobre o comunismo. Ele trabalhava numa revista que publicou uma série de artigos comemorativos do primeiro aniversário do Estado Novo de 1937 por encomenda do DNP, depois batizado de DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), e a Lacerda foi pedido o texto sobre o comunismo. Obediente e precavido, consultou oficialmente o partido e, por tabela, Moscou, para saber se aceitava a tarefa e como deveria proceder. Foi orientado a escrever a matéria passando a idéia de que a Intentona Comunista foi algo isolado, de um punhado de doidos conspiradores, a maioria já cassados e presos, e sem qualquer articulação com o comunismo internacional. Cumpriu as ordens mas foi demonizado pelos comunistas brasileiros e chutado para fora do movimento, um choque do qual demorou anos para superar.

    Nos anos 40 entra para a UDN. Em 1947 é eleito vereador e começa oficialmente a carreira como político. Lacerda se tornaria o maior opositor à volta de Getúlio Vargas ao cargo de presidente e começava o caminho que depois viria a associar seu nome ao “derrubador de presidentes”.

    Sua oposição a Getúlio Vargas terminou, numa série estonteante de eventos em três semanas de agosto de 1954, com o suicídio do presidente, o que fez com que se refugiasse, ironicamente e por alguns dias, em Cuba – pouco antes de virar o zoológico dos irmãos Castro, claro. De volta ao Brasil, foi a principal pedra no sapato de Juscelino Kubitschek e o grande cabo eleitoral de Jânio Quadros em 1960. No final dos anos 60, ao se tornar amigo e correligionário de Juscelino na Frente Ampla, perguntou ao ex-presidente porque nunca permitiu que tivesse uma concessão de TV e JK respondeu: “se eu te desse um canal de TV você me derrubaria”.

    Conspirou contra Jango, apoiou a revolução de 1964 e depois foi cassado por ela, quando era o político mais popular do Brasil e o mais provável vencedor numa eleição presidencial prometida por Castello Branco que nunca aconteceu, quando os militares deram o golpe dentro do golpe e se encastelaram no poder até 1985, manchando para sempre a imagem do regime que livrou o país do caos instaurado pelo errático, incompetente, inconsequente e radical governo de João Goulart.

    Como governador da Guanabara (1960-1965), foi um revolucionário em métodos de gestão, no estabelecimento de metas e em resultados que transformaram para sempre a atual cidade do Rio de Janeiro. Difícil imaginar um administrador público republicano com uma história de tamanha competência, trabalho duro e um legado de realizações no Brasil como ele.

    Quem é do Rio de Janeiro ou vive na cidade deveria agradecer todos os dias a quem fez a adutora do Rio Guandú, que acabou com o crônico problema de falta d’água da cidade, mas não só: o governo Lacerda está em quase todo lugar, como na criação do túnel Rebouças, no alargamento da praia de Copacabana e no plano diretor que idealizou a Linha Vernelha e a Linha Amarela, esta última merecidamente batizada com seu nome.

    Além de todas essas facetas, era também um intelectual de primeiro time, tendo criado a Editora Nova Fronteira, uma das mais conhecidas do mercado editorial do país até hoje. É também tio-avô de Marcio Lacerda, atual prefeito de Belo Horizonte (antes que me perguntem, não estou nem aí para os boatos sobre seu bissexualismo, seu caso com a atriz Shirley MacLaine, irmã de Warren Beatty, entre outras fofocas de alcova).

    Carlos Lacerda foi expulso pelos comunistas e cassado pelo militares, mas seu espírito incontrolável e sua oratória demolidora marcaram a política brasileira por décadas. Sua intolerância com a corrupção, com a mediocridade, sua recusa em negociar princípios por cálculos políticos e arranjos fisiológicos, sua coragem e seu carisma tornaram Carlos Lacerda uma das figuras mais hipnotizantes da história do Brasil.

    Alexandre Borges é diretor do Instituto Liberal.

    (Transcrito do Mídia Sem Máscara)

  5. Todavia, o Leão das Ruas do Brasil e da moda é O Libertador. “Reforma política, ou Revolução ? Você confia Nelles, ou no Leão ? Você decide. “A que ponto chegamos”, é o título do artigo de hoje do ex-Presidente, FHC, pelo Jornal “O Estado de S.Paulo”, no qual FHC faz a sua “mea-culpa”, e chega à conclusão a que já chegou Sarney, Lula, Dilma, Cristovam Buarque, e todas as demais lideranças políticas conscientes deste país, sintonizados com a nova proposta e o novo discurso do HoMeM do Mapa da Mina do bem comum do povo brasileiro, baseada na paz, no amor, no perdão, na conciliação, na união e na mobilização em torno da Mega-Solução (RPL-PNBC-ME), há cerca de vinte anos na longa estrada da vida batendo incansavelmente nessa tecla, o Novo Caminho para o Novo Brasil de Verdade, porque evoluir é preciso. Veja a seguir o desfecho do artigo de FHC e tire as suas próprias conclusões, conforme o seu próprio grau de consciência.
    “Mudar o sistema atual é uma responsabilidade coletiva. Repito o que disse, em outra oportunidade, a todos os que exerceram ou exercem a Presidência: por que não assumimos nossas responsabilidades, por mais diversa que tenha sido nossa parcela individual no processo que nos levou a tal situação, e nos propomos a fazer conjuntamente o que nossos partidos, por suas impossibilidades e por seus interesses, não querem fazer: mudar o sistema? Sei que se trata de um grito um tanto ingênuo, pedir grandeza. A visão de curto prazo encolhe o horizonte para o hoje e deixa o amanhã distante. Ainda assim, sem um pouco de quixotismo, nada muda.
    Se, de fato, queremos sair do lodaçal que afoga a política e conservar a democracia que tanto custou ao povo conquistar, vamos esperar que uma crise maior destrua a crença em tudo e a mudança seja feita não pelo consenso democrático, mas pela vontade férrea de algum salvador da pátria? “
    Por essas e muitas outras, repito, sinto as Ruas e o Destino chamarem, claro, alto e em bom som: “ Leão, Leão, Leão, Revolução, a Mega-Solução”.
    Ora essa, se é o melhor que temos a fazer para o bem do povo brasileiro e, quiçá do mundo (se a jurupoca piar aqui piará lá tb), da Democracia e, sobretudo, do sucesso pleno do bem comum, e se todos quisermos, sob a graça e proteção de Deus, exceto este, ninguém mais conseguirá nos segurar. Vem coMMigo, Brasil, simbora para o futuro, rumo ao Novo Brasil de Verdade, porque evoluir é preciso. HMM-RPL-PNBC-ME.

  6. Ninguém tem que agradecer a administrador público por cumprir suas obrigações. É PAGO PARA ISSO PELOS CONTRIBUINTES. O alargamento da Praia de Copacabana se deu na década de 70, quando a milicada golpista já havia cassado Carlos Lacerda e bem após o governo Negrão de Lima. Esse site acima porta voz dos torturadores e fascistas ainda por cima mente descaradamente. Que esse Alexandre Borges vá pesquisar a história da Praia de Copacabana antes de escrever besteira.

      • O Aterro do Flamengo começou bem antes, por ocasião do Congresso Eucarístico Internacional em 1953. Todos os prefeitos do DF que seguiram deram andamento, assim como o Lacerda após a criação do Estado da Guanabara. Completou-se em 1970. Seu único mérito administrativo foi ter obtido recursos para a construção da adutora do Guandu a juros favoráveis e baixos durante seu governo, porque naquela época os governadores tinham autonomia para negociarem empréstimos internacionais sem interferências do governo federal, que acabou após a ditadura militar que passou a centralizar tudo e até a quantidade de armamentos das PMs estaduais.

  7. Olavo tem razão. Parabéns, professor

    Escrito por Felipe Moura Brasil | 01 Maio 2014

    Olavo de Carvalho completou 67 anos nesta terça-feira, 29 de abril, o dia em que comemorei o recorde de 1.217.590 visitas que meu blog recebeu na véspera. Isto seria impossível – tanto o espaço que ocupo hoje quanto o recorde – se não existisse a obra do maior educador brasileiro vivo (e, por isso mesmo, o mais odiado e difamado do país), que facilitou a minha compreensão da cultura ambiente e apontou o caminho para que me elevasse acima dela.

    Na grande imprensa, que se derrama anualmente por qualquer Chico Buarque da patota, não houve nem uma palavra sobre o seu aniversário, é claro. Nas redes sociais, dezenas de milhares de leitores e alunos lhe prestaram a merecida homenagem, ainda que ele cisme em dizer: “Isto é muito mais do que mereço”, com o que seus “críticos” decerto concordam.

    Falar em críticos de Olavo de Carvalho sem aspas é impossível, porque só o que há – para além dos ingratos vaidosos que aprenderam com ele, mas fingem ter descoberto tudo sozinhos – são militantes do anti-olavismo, que nunca leram um livro sequer do autor, muito menos escreveram uma crítica ou têm uma obra própria a apresentar, mas se julgam aptos para condenar a sua pessoa, o seu pensamento e os seus alunos, como se estes nunca tivessem estudado mais nada senão a sua obra mesma – e como se esta não levasse a outras milhares.

    Para que os incautos não caiam no engodo desses impostores cínicos (como os que comentarão no seu compartilhamento, leitor), e para que uma nova geração de jornalistas crie vergonha na cara ao menos durante esses 3 anos até Olavo completar 70, faço aqui um resuminho educativo, incluindo (no item VI) o prefácio que escrevi para o seu best seller, idealizado e organizado por mim, O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota, um dos livros mais vendidos do Brasil em 2013 e 2014.

    Só os idiotas, de fato, não sabem ainda que #OlavoTemRazão.

    (Transcrito do Mídia Sem Máscara)

  8. Histórias… muitas histórias, mesmo quando contadas sobre o passado recente, por quem viveu alguns de seus capítulos, têm um gosto diferente, até por causa de algumas “lendas urbanas” que acabam por se perpetuar, como se realidade fosse.
    Carlos Lacerda , por exemplo, foi um personagem inesquecível para quem o conheceu como orador, político e administrador, como Governador.
    Mas, sempre nos extremos…
    Sua curta passagem pelo comunismo no Brasil, expulso pelo partido, se deve até a burrice deles, ao repelir o jornalista Lacerda, quando abordou a Intentona Comunista em reportagens, sem atentar para com a antena do DIP , totalmente ligada ao getulismo.
    Para se ter idéia de como funcionava a censura na época, nos cinemas , antes da exibição do filme principal , vinham os cinejornais, e era exibida, por exatos 30 segundos, a papeleta do departamento de censura oficial (DIP) autorizando a sessão.
    Quanto às lendas urbanas, destaco aquela atribuída nos anos 60, entre ele e o presidente JK, em que este último ironizou sobre a concessão de canal de TV, dizendo que a negava, porque Lacerda poderia derrubá-lo da presidência.
    Até agora, para mim, está igualzinha a uma outra atribuída a Charles De Gaulle, que teria dito que o “Brasil não é um país sério”…
    Há controvérsias, sobre ambas…

  9. Entre o nosso Leão do blog INCOMPARÁVEL (royalties para o devido comentarista) e esse Olavo de Miami, sou mais o LEÃO. Dá-lhe LEÃO ! Segura pelo rabo que é um filé! Jogue em cima desses olaviadistas assumidos, fanáticos de carteirinha, o seu HMM-RPL-PNBC-ME e acene-lhes com o MAPA DA MINA para liquidá-LLos definitiva, completa, resoLLuta, cabaLL e totaLLmente.

  10. DIEESE

    São Paulo, 04 de abril de 2014.

    NOTA À IMPRENSA

    Cesta básica: preços aumentam em 16 capitais

    Em março, os preços dos gêneros alimentícios essenciais subiram em 16 das 18 capitais onde
    o DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza,
    mensalmente, a Pesquisa da Cesta Básica de Alimentos. As maiores elevações foram apuradas em Campo Grande (12,85%), Goiânia (12,61%), Porto Alegre (12,52%) e Curitiba (12,29%). Manaus e Belo Horizonte apresentaram retrações de -1,25% e -0,41%, respectivamente.

    Porto Alegre foi a capital onde se apurou o maior valor para a cesta básica (R$ 356,17),
    seguido de São Paulo (R$ 351,46), Florianópolis (R$ 345,63) e Rio de Janeiro (R$ 345,11). Os
    menores valores médios foram observados em Aracaju (R$ 225,82), João Pessoa (R$ 263,17) e
    Natal (R$ 271,31).

    Com base no custo apurado para a cesta de Porto Alegre, e levando em consideração a
    determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário para uma família de quatro pessoas. Em março deste ano, o valor deveria ser R$ 2.992,19, ou seja, 4,13 vezes o mínimo em vigor, de R$ 724,00. Em fevereiro, o mínimo necessário era menor, equivalendo a R$2.778,63 ou 3,84 vezes o piso vigente. Em março de 2013, o valor necessário para atender às despesas de uma família chegava a 2.824,92, ou seja, 4,17 vezes o mínimo em vigor, de R$ 678,00.

  11. E o imposto de renda continua barbarizando o bolso do brasileiro, para depois, o dinheiro ser usado para pagar o jornalismo chapa-branca que infesta a imprensa brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *