Chile é um péssimo exemplo porque 1% da população detém 26,5% da renda nacional

Governo e oposição no Chile fazem acordo para convocar plebiscito | Carta  Magna | Constituição | protestos | LA GRAN ÉPOCA

Manifestantes exigiram aprovação da nova Constituição

Daniel Aarão Reis

‘Só faltava uma faísca, qualquer faísca, para explodir tudo’, estimou o historiador Gabriel Salazar. A faísca veio na forma de um aumento das passagens do metrô, consideradas entre as mais caras do mundo. Os estudantes resolveram não aceitá-lo e pularam as catracas sem nada pagar. Aconteceu em 18 de outubro de 2019, estação Los Héroes, Santiago do Chile.

O presidente Sebastian Piñera alarmou-se: “Estamos em guerra contra um inimigo poderoso que não respeita nada e ninguém”. Desatou-se a repressão e… tudo explodiu.

IRA POPULAR – Grandes passeatas, panelaços, saques de lojas e supermercados, incêndios e depredação de estações de metrô e prédios públicos. A ira popular em ação.

Uma semana depois, realizou-se a maior manifestação pública da história do Chile: 1,25 milhão de pessoas nas ruas da capital. Ao mesmo tempo, outras grandes passeatas em Concepción, Valparaiso e até em pequenas e médias cidades como Rancagua, Coquimbo, La Serena. E mais greves nos portos e barricadas nas estradas. Algumas semanas depois, em 12 de novembro, 2 milhões de trabalhadores em greve.

Por que tanta insatisfação? Tania Vallejo, mulher comum numa das passeatas, deu uma pista: “Não estamos protestando apenas contra o aumento do metrô, essa foi a gota d’água. Estamos ofendidos há tempos. Pisaram-nos por muitos e muitos anos, e nunca se fez nada. Agora, a coisa entrou em colapso”.

ENDIVIDAMENTO – Estudos da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, a Cepal, informam: enquanto 1% da população detém 26,5% da renda nacional, 50% sobrevivem com apenas 2,1%. Os reajustes dos salários não acompanham o aumento dos preços dos serviços de luz, água, saúde, educação, transportes, comunicações, todos privatizados e cada vez mais caros. Para pagar as contas, as famílias recorrem a um endividamento crescente.

No momento, 75% dos ganhos familiares vão para pagar dívidas. Em pior situação encontram-se os que dependem da Previdência Social, também privatizada. Em 2018, 50% dos pensionistas tiveram direito a uma pensão de menos da metade de um salário mínimo.

DOIS DISCURSOS – Daniel Matamala, jornalista, põe o dedo na ferida: “O governo só tem dois discursos —planilhas Excel e porrada. Enquanto isso, a política permanece cega, surda e muda”. E cada vez mais desacreditada: pesquisas registraram que o Congresso Nacional e os partidos políticos detêm a confiança de apenas 3% e 2% das pessoas, respectivamente.

As gentes tinham motivos para se revoltar — e se revoltaram. Tiveram que se haver com violenta repressão: dezenas de milhares de presos, incluindo cerca de 4 mil menores de idade, 3 mil feridos (405 perderam um olho, alcançados pelas balas de borracha; 253 queimados pelas bombas de gás lacrimogênio), quatro mortos. O Instituto de Direitos Humanos registrou 770 denúncias de tortura, 158 acusações de abusos sexuais. Mas não foi possível intimidar. A luta prosseguiu e obteve vitórias substantivas.

NOVA CONSTITUIÇÃO – Um ano depois, a principal demanda política da rebelião social foi aprovada por ampla maioria. Em recente plebiscito, 78,2% aprovaram uma nova Constituição. E 79% a querem elaborada, no prazo de um ano, por uma convenção de cidadãos livremente eleitos, metade formada por mulheres, metade por homens.

Na base do processo, incentivando e alavancando as manifestações, surgiram as assembleias e coordenações territoriais, autônomas em relação aos partidos e ao Estado, espaço de liberdade e de participação. Articulam jovens, mulheres, homens feitos e velhos, sem falar nos mapuches, descendentes dos povos originários do Chile, desprezados por uma longa história de preconceitos.

O processo de auto-organização da sociedade evoca as reflexões de Hannah Arendt sobre a liberdade, a ser pensada não apenas como ausência de repressão, mas como ação política e participação ativa, consciente e permanente no espaço público. Segundo a filósofa, aí estaria o tesouro perdido das grandes revoluções. O povo chileno, quem sabe, o estaria redescobrindo. Seja como for, uma coisa é certa: os pássaros fugiram das gaiolas, e não vai ser fácil recuperá-los.

6 thoughts on “Chile é um péssimo exemplo porque 1% da população detém 26,5% da renda nacional

  1. Amanhã, depois que a nova constituição “cidadã” dos chilenos for aprovada e a economia estiver paralisada, o país parar de crescer e a pobreza se espalhar, nenhum dos progressistas e defensores desta mudança fará sua auto crítica, fará um mea-culpa.
    Pelo contrário, dirão que a culpa é do restinho de liberdade que sobrou, que será preciso mais intervenção, colocar mais direitos na lei.

    • Aí, só restará uma saída: ressuscitar o Movimiento de Izquierda Revolucionaria – MIR, ironicamente, paz, em russo!
      E por relembrar MIR, por onde anda o terrorista mais fulminante do mundo: Maricio Norambuena?

  2. Aí a planilha do Excel, essa maldita matemática que insiste em dizer que 2+2 são 4, quando o justo, o humano, o sensível é que fosse 5.
    Oh governo insensível que não decreta que 4 tem que ser 5 pelo bem de todos!
    Façamos uma nova constituição decretando a nova matemática, mais humana, onde os números não importam, o que importa é a vontade política, o importante é a empatia! O importante é a sensibilidade social.
    Pela democracia, decrete-se que 2+2=5! E viva a nova humanidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *