China: As contradições do nascente Império

Roberto Nascimento

Há mais de 60 anos, Mao Tsé Tung, o timoneiro chinês, líder da Revolução Comunista de 1949, responsável pela Grande Marcha rumo à capital Pequim, a qual culminou com a derrubada do poder do presidente Chiang Kai Check, jamais poderia imaginar a transformação do país em potência militar e econômica e no novo império que surge no horizonte.

O presidente deposto por Mao na esteira da Revolução fugiu para a ilha de Taiwan, transformando-a na capital do que é hoje a China capitalista, que vive ameaçada constantemente por Pequim.

Durante décadas, a China se preparou para o salto qualitativo em que se encontra agora no século 21. Na década de 60, o Comitê Central do Partido Comunista, sob a inspiração de Mao, implementou a controvertida Revolução Cultural.

Intelectuais, estudantes, membros da hierarquia do partido, professores e trabalhadores das cidades foram obrigados a passar temporadas no campo para conhecerem o país. Em uma democracia seria quase impossível esse movimento estratégico.

A China viveu nas décadas de 60, 70 e 80 diversas crises políticas, econômicas e financeiras, entretanto o Primeiro Ministro Zhou En Lai conseguiu com rara habilidade e sabedoria contorná-las com o auxílio do vice-primeiro Ministro Deng Xiau Ping. Ocorre que adveio o imponderável: A morte do verdadeiro revolucionário Zhou En Lai em 1976. Mao ficou sozinho na tarefa de comandar a China rumo ao futuro.

Com a perda do homem-equilíbrio, daquela sabedoria milenar respeitada por todos os membros do Politiburo, iniciou-se uma acirrada luta pelo poder. A primeira consequência foi o afastamento de Deng Xiau Ping, já em guinada acelerada rumo às ideias ocidentais.

O vácuo de poder foi ocupado pela esposa de Mao e três auxiliares denominados de Grupo dos Quatro. Nesse interim, o timoneiro da Revolução ficou doente e se afastou do centro das decisões. Com a morte de Mao, o governo interino foi ocupado pelos Quatro, que logo foram afastados e presos por ordem do Partido Comunista.

Então, irrompe a grande virada da China, com a chegada ao poder de Deng Chiau Ping, o auxiliar do revolucionário Zhou En Lai. O sistema político se mantém inalterado sob o comando do Partido Comunista, mas no campo econômico o novo chefe inaugura a entrada do país na economia de mercado e rompe com décadas de estagnação, voltada somente para o mercado interno.

De olho no mercado chinês, o secretário de Estado americano Henry Kissinger preparou a visita do primeiro presidente americano, o republicano Richard Nixon, ao país asiático. O resultado da visita foi impressionante, acordos celebrados em profusão e logo empresas estadunidenses começaram a se instalar na China de olho no mercado consumidor (mais de um bilhão de habitantes), nos incentivos fiscais e na mão de obra barata.

Com a morte de Deng, responsável pela introdução da China na economia capitalista, o destino seguiu seu curso. Não era mais possível parar a roda do progresso, então se solidificou a entrada da China definitivamente no modelo capitalista de produção.

Contudo, na seara política encerrou-se o capítulo dos líderes permanentes. Os indicados pelo Partido Comunista passaram a ter mandatos fixos.
O presidente atual Hu Jintal deverá ser substituído por Xi Jinping e o primeiro ministro Wen Jiabau, provavelmente será substituído por Li Keqiang.

Os chineses rejeitam a liderança pessoal, carismática, midiática e personalista, que denota um viés individualista, logo destoando da política coletiva, uma característica do modo de ser desse país milenar, comunista e voltado para os interesses soberanos da nação. Mais uma contradição evidente, pois a economia de mercado é essencialmente individualista nos seus princípios.

A China se transformou rapidamente na 2ª maior economia do mundo, contudo ainda existem muitos pobres e realidades de país subdesenvolvido. O crescimento surpreendente de 8% a 10% ao ano por 30 anos consecutivos assustou as potências ocidentais. Ávidas por lucros, empresas multinacionais se instalaram na China. Os custos dos produtos se tornaram imbatíveis e a produção de manufaturados não encontra paralelo em nenhum país desenvolvido ou emergente.

###
O OUTRO LADO DO PROGRESSO

O modelo baseado nas importações de commodities agrícolas e minerais e nas exportações de manufaturados provocou um crescimento desequilibrado e sem a devida preocupação com o meio ambiente. A poluição dos rios, do ar e do solo atinge proporções alarmantes. A desertificação do norte da China é uma realidade incontestável. Em poucos anos, a falta de água se tornará um drama sem precedentes em um país de mais de 1(um) bilhão e trezentos milhões de habitantes.

De olho nas consequências do crescimento desequilibrado, os delegados do Congresso Nacional do Povo decidiram reduzir a meta de crescimento para 7,5% neste ano. Por outro lado, os chineses ligaram o sinal de alerta para os efeitos da desigualdade social, da disparidade econômica entre o campo e a cidade, entre as regiões leste, oeste e norte, entre os salários dos executivos e do proletariado, e a quase ausência de benefícios sociais inerentes aos países capitalistas do ocidente.

Os membros do Comitê Central identificaram no atual modelo de crescimento o perigo da inflação, a iminência de uma bolha imobiliária e a pressão da sociedade chinesa por mais liberdade de expressão. São os efeitos do desenvolvimento e da globalização da economia.

Os líderes da nação tentam entender os motivos que levaram a desagregação do império soviético. Seus vizinhos foram divididos em vários países, perderam a supremacia da metade do mundo e o status de superpotência. O exemplo da antiga União Soviética assusta o nascente Império.
É preciso estudar e entender a razões que levam à desagregação de uma nação, para que os antídotos sejam usados e os mesmos erros possam ser evitados.

A elite chinesa percebeu que é preciso reduzir o ritmo de crescimento, mudar os rumos, rever conceitos, diminuir as disparidades, de modo a trilhar o caminho da sustentabilidade e evitar a destruição do meio ambiente e o esgotamento dos recursos minerais.

De qualquer modo, o anúncio da desaceleração da economia da China pegou a todos os países ocidentais de surpresa, principalmente os países da Europa em grave crise e os Estados Unidos, que se recuperam lentamente da crise eclodida em 2008 e replicada com força em 2011.

O mundo é feito de contradições em todos os campos da atividade humana e a China é um exemplo instigante, que deveríamos estudar para entender as nossas próprias contradições pessoais e da vida na sociedade em que vivemos. O único perigo será o susto que levaremos com tantas semelhanças.

Alea jacta est.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *