Cinco deputados atuavam na quadrilha do Ministério do Trabalho, diz a denúncia

Resultado de imagem para CRISTIANE BRASIL, PAULINHO DA FORÇA, JOVAIR ARANTES

Entre os denunciados, Paulinho, Jovair, Wilson e Cristiane

Luiz Felipe Barbiéri
G1, Brasília

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou nesta segunda-feira (27) ao Supremo Tribunal Federal (STF) 26 pessoas pelo crime de organização criminosa no âmbito da Operação Registro Espúrio. Entre os denunciados estão o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, o ex-ministro do Trabalho Helton Yomura e os deputados Cristiane Brasil (PTB-RJ), Paulinho da Força (SD-SP), Jovair Arantes (PTB-GO), Wilson Filho (PTB-PB) e Nelson Marquezelli (PTB-SP).

O oferecimento de denúncia não representa a condenação de um acusado. Cabe a partir de agora ao STF decidir se acolhe ou rejeita a acusação. Se acolher, os denunciados se tornarão réus e passarão a responder a uma ação penal. Se rejeitar, o caso será arquivado.

REGISTROS SINDICAIS – Deflagrada pela Polícia Federal em maio, a Operação Registro Espúrio apura fraudes na concessão de registros sindicais pelo Ministério do Trabalho. A PF já concluiu o inquérito da operação e indiciou 39 pessoas por susposto envolvimento na organização criminosa que atuou no ministério.

De acordo com as investigações, os integrantes do esquema cobravam propina de interessados em obter o registro sindical no ministério. Em troca, as entidades furavam a fila dos pedidos e tinham os registros aprovados.

Na denúncia enviada ao Supremo, a PGR divide o funcionamento da suposta organização criminosa em cinco núcleos. Quatro foram denunciados: administrativo, político, sindical e captador.

BUROCRACIA – “Os elementos probatórios reunidos no inquérito indicaram que representantes das entidades sindicais ingressam no esquema criminoso em razão da burocracia existente na Secretaria de Relações do Trabalho, que dificulta – e muitas vezes impede – a obtenção de registro àqueles que se recusam a ofertar a contrapartida ilícita que lhes era exigida”, diz a PGR.

De acordo com a denúncia, cabia ao núcleo administrativo burlar a ordem cronológica de análise dos registros e acelerar os processos de entidades que integravam o esquema.

“Ali se encontra a produção dos atos ilegais desejados pelos políticos, comprados pelos sindicatos, negociados pelos lobistas, com geração de capital (produto de crime) dissimulado e ocultado pelos integrantes do núcleo financeiro”, acrescenta.

QUADRILHA – Segundo a procuradora-geral, Raquel Dodge, o núcleo político era responsável por indicar e manter os integrantes do núcleo administrativo em funções no ministério.

Diante do que foi apresentado, a PGR pede a condenação dos investigados, a perda da função pública para os condenados detentores de cargo, emprego público ou mandato eletivo e pagamento do valor mínimo de R$ 4 milhões por danos materiais e outros R$ 4 milhões por morais. O relator do caso é o ministro Edson Fachin.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O legado da quadrilha é fruto do imposto sindical obrigatório. No Brasil, há cerca de 18 mil sindicatos, federações e centrais. É recorde mundial, disparado. Como segundo país do ranking, os Estados Unidos não chegam a ter 200 entidades. “Dá-lhe, Brasiiiiillllll”, diria Galvão Bueno. (C.N.)  

9 thoughts on “Cinco deputados atuavam na quadrilha do Ministério do Trabalho, diz a denúncia

  1. Infelizmente nada mais nos causa surpresa. Na República das Bananas eles roubam, formam quadrilha, riem do povo, e são reeleitos! Sou descrente de uma solução pacífica e, nestes casos, não sou “radical”, mas creio que já passou da hora da bala comer!

  2. Certamente serão reeleitos.

    Contam com o povo sem vergonha que compram através de migalhas e favores.

    E assim, se perpetuarão de pai para filho, como um vírus se disseminando e
    matando, num país que tem os maiores e abundantes recursos do mundo mas o pior povo da humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *