Ciro Gomes e Simone Tebet demonstraram que eleição não significa apenas confrontos

Simone Tebet e Ciro Gomes se encontram em evento de pré-candidatos na Bahia

“Adversários não são inimigos”, afirmou Simone no Twitter

Ingrid Soares
Correio Braziliense

Os quatro principais pré-candidatos na corrida às eleições presidenciais de outubro estiveram ao mesmo tempo, ontem, em Salvador. Mas o que chamou a atenção foi a diferença de posturas entre eles. Enquanto Simone Tebet (MDSB) e Ciro Gomes (PDT) trocaram amabilidades quando se encontraram em um evento relacionado à data festiva baiana do qual participaram, no mesmo evento Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) desferiram críticas mútuas em encontros que promoveram, separadamente, com os apoiadores.

Ao participarem do Cortejo Cívico pelo 2 de julho — data do Dia da Bahia, que comemora a expulsão dos portugueses do estado —, Tebet e Ciro se encontraram na caminhada da festa e, juntos, enalteceram a democracia. Os dois fizeram questão de posar juntos para fotos e depois compartilharam em redes sociais.

DISSE SIMONE – A candidata da aliança MDB, PSDB e Cidadania foi mais longe ao defender, em publicação nas redes sociais, que adversário não é inimigo. “A Bahia é terra de todos. Democracia e civilidade. Adversário não é inimigo. O Brasil precisa de toda tolerância e respeito”, publicou a senadora.

Ciro também exaltou a convivência harmônica e respeitosa. “Como se fosse um encontro casual no carnaval baiano, abracei Simone Tebet e Roberto Freire no centro histórico de Salvador. O 2 de Julho é um banho de democracia! Uma maravilhosa folia política que só pode ocorrer mesmo na Bahia”, tuitou.

Na entrevista, porém, Ciro fez mistério e não deu indicações sobre o vice na chapa. “Meu vice ou minha vice só será escolhido ou escolhida em julho. Nós vamos delegar à Executiva Nacional do PDT, até o último dia possível, que é o dia 6 de agosto, para as tratativas em relação ao meu vice ou à minha vice”, destacou.

PEC DO VALE TUDO – Ao dar entrevista, separadamente, Ciro e Simonen não deixaram de lado os recentes episódios envolvendo o governo Bolsonaro. O pedetista considerou a Proposta de Emenda à Constituição que aumenta os gastos sociais da União — a chamada PEC do Vale Tudo —, aprovada pelo Senado, como um “estelionato eleitoral gravíssimo”. E cobrou que o Supremo Tribunal Federal (STF) torne a proposta inconstitucional.

“É uma emenda que permite à população acreditar que vai ser salva por um socorro, mas que só vale até dezembro. Significa um estelionato eleitoral gravíssimo e uma violação da própria Constituição, que não pode ser emendada com tal vileza. Espero que o STF ponha um reparo a este absurdo”, afirmou.

OUVIDORIA FEMININA – Já Simone Tebet, ao comentar as denúncias de assédio sexual e moral contra o ex-presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou que, se eleita, apresentará uma proposta de criação de uma ouvidoria feminina nas estatais brasileiras.

“Já que o compliance dessas entidades não escuta e nem reconhece o que é um assédio moral ou sexual, com uma ouvidoria feminina, e uma mulher ouvindo o que as outras têm a dizer, nós teremos diferença. Temos um governo misógino; não respeita as minorias, não respeita a democracia”, lamentou.

17 thoughts on “Ciro Gomes e Simone Tebet demonstraram que eleição não significa apenas confrontos

  1. Putin, também: “Por trás da Cortina de Lata: BRICS+ contra NATO/G7
    – O ocidente está nostalgicamente preso a políticas de “contenção” ultrapassadas, desta vez contra a integração do Sul Global. Infelizmente para eles, o resto do mundo segue em frente, em conjunto.
    Pepe Escobar [*]
    Crédito da foto: ‘The Cradle’.
    Outrora existiu uma Cortina de Ferro, que dividiu o continente europeu. A expressão, cunhada pelo antigo primeiro-ministro britânico Winston Churchill, era uma referência aos esforços da então União Soviética para criar uma fronteira física e ideológica com o ocidente. Este último, por sua vez, perseguia uma política de contenção contra a difusão e influência do comunismo.

    Salto rápido para a era contemporânea do tecno-feudalismo. Agora existe o que deveria ser chamado uma Cortina de Lata, fabricada pelo timorato e despistado ocidente coletivo, via G7 e NATO: desta vez, essencialmente, para conter a integração do Sul Global.

    BRICS contra G7

    O exemplo mais recente e significativo desta integração foi o surgimento do BRICS+ na cimeira online da semana passada abrigada por Pequim. Isto foi muito além do estabelecimento das características de um “novo G8”, para não mencionar uma alternativa ao G7.

    Basta ver os interlocutores dos cinco BRICS históricos (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul): descobrimos um microcosmo do Sul Global, abrangendo o Sudeste da Ásia, Ásia Central, Ásia Ocidental, África e América do Sul – colocando realmente o “Global” no Sul Global.

    De modo revelador, as mensagens claras do presidente russo Vladimir Putin durante a cimeira de Pequim, em agudo contraste com a propaganda do G7, foram realmente dirigidas a todo o Sul Global:

    A Rússia cumprirá suas obrigações de fornecer energia e fertilizantes.
    A Rússia espera uma boa colheita de cereais – e fornecerá mais de 50 milhões de toneladas aos mercados mundiais.
    A Rússia assegurará a passagem de navios graneleiros em águas internacionais, apesar de Kiev ter minado portos ucranianos.
    A situação negativa sobre os cereais ucranianos está inchada artificialmente.
    O aumento agudo da inflação em todo o mundo é o resultado da irresponsabilidade dos países do G7, não da Operação Z na Ucrânia.
    O desequilíbrio das relações mundiais tem fermentado por longo tempo e tornou-se um resultado inevitável da erosão do direito internacional.”

    • Parece-me que a geopolitica de expansao territorial não tem mais importância.

      O capital nao precisa disso mais para sua expansão como fora no colonialismo no neo.

      Produz-se partes de um determinado produto, como computadores, onde for mais barato.

      Assim busca-se nao territórios
      atraves de guerra caríssimas, com equipamentos militares obsoletos, mão de obra barata, leis trabalhistas frágeis, movimentos sindicais não representativos, etc.

      É a nova divisão internacionalda produção.

      A Russia nunca deixará de ser feudal, oligarca.

      Estão perdendo tempo coma guerra.

      Videogame realista do ditador mimado e psicopata Putin

  2. A Simone Tebet que acusa o governo de misoginia é a mesma que assediou moralmente a Dra Nise Yamaguchi? Não passa de uma picareta petralha (até declarou voto no ladrão Lula da Silva).

    • Ué, até então não se atribuía como falsa a acusação da Rússia???

      Esses norte-americanos desde o início mentindo… quem dúvida da culpa dos EUA no conflito tem que reavaliar bem, pois soa diretamente responsáveis pelo início e por arrastar o conflito.

  3. Senhor Carlos Newton , caso os candidatos á presidência da república do Brasil Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT) se entendam e resolvam formar uma chapa comum , espero que Ciro Gomes seja cabeça de chapa , pois a senadora Simone Tebet infelizmente é presa fácil de seus falsos apoiadores de seu partido político MDB e seus lideres e de outros partidos , que na primeira oportunidade á forçarão a mudar seu vice-presidente ou lhe negarão legenda e a abandonarão se dó nem piedade , isso é líquido e certo .

  4. Encontro dos sem votos. é preciso raciocinar com as evidências dos fatos. se eles prestam ou são ruins para o país e para os brasileiros. Não se altera o quadro das coisas com lero lero ou torneio de cuspe a distãncia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.