CNJ abre investigação contra três juízes acusados de fraudes de R$ 500 milhões

Da Agência Brasil

Brasília – O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu hoje (17) abrir processo disciplinar contra três juízes de Rondônia acusados do pagamento indevido de R$ 500 milhões em precatórios, títulos da dívida pública reconhecidos por decisão judicial definitiva. Os três magistrados já estavam afastados por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em função do inquérito criminal que apura os supostos desvios.

Por unanimidade, o CNJ decidiu abrir processo disciplinar contra o desembargador Vulmar de Araújo Coêlho Junior, do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, e os juízes trabalhistas Domingos Sávio Gomes dos Santos e Isabel Carla Piacentini. No processo administrativo, a punição máxima que os magistrados podem receber é a aposentadoria compulsória, com o pagamento dos salários.

De acordo com o conselho, o valor de R$ 500 milhões em precatórios foi pago de forma irregular para advogados e outras pessoas que não eram credores dos papéis.

A defesa dos acusados informou ao CNJ que eles não tiveram participação nas irregularidades do pagamento. O desembargador Vulmar de Araújo afirmou que as acusações são fantasiosas, e foram feitas em represália à sua atuação na corregedoria do tribunal. Domingos Sávio disse que sempre exerceu suas funções de forma correta. A juíza Isabel Carla declarou que foi vítima do “esquema fraudulento envolvendo advogados e membros do TRT”.

6 thoughts on “CNJ abre investigação contra três juízes acusados de fraudes de R$ 500 milhões

  1. Lá em Rondônia impera a CLT do Cão, fazendeiros e madeireiros com malas de grana a circular em seus Land Rover (mais de míseros 10 mil em espécie) e jagunçada com arma pesada nos botecos dos povoados. Só estou admirado com o montante que deixa o Lalau paulista no chinelo.

  2. Se Joaquim Barbosa, ao invés de se aposentar , ou se candidatar a presidente,limpasse a justiça desses canalhas que têm o poder de julgar os cidadãos ao mesmo tempo que cometem crimes,e enriquecem dando mau exemplo para todos que trabalham pela justiça, eu, como cidadão, aplaudiria de pé.

    Como exigir conduta das polícias se quem julga é bandido ?

  3. Quando é de interesse de magistrados é rápido, não perdem tempo, mas para o cidadão, leva anos e anos, o seja, é julgar em causa própria, isto é vergonhoso, sabendo que quantos sofrem aguardando seus processos serem concluídos, morrem e nada acontece, esta é a justiça que querem para o cidadão/trabalhador/contribuinte.

  4. É a degradação da sociedade. Como já disseram: “há bandidos de toga”. Esses são piores que qualquer bandido, pois o bandido assume o lado do crime. E esse desembargador corrupto recebe um bom salário e tem a coragem de roubar aposentados, viúvas, órfãos etc. Cadeia ao Desembagador Lalau e sua quadrilha. Avante CNJ!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *