Cobertor curto

Gilvan Rocha

No capitalismo, para a imensa massa do povo pobre e miserável, a vida se constitui na inglória tarefa de querermos nos cobrir com cobertores bastante curtos. Isso quer dizer, quando cobrimos a cabeça, temos os pés descobertos e quando cobrimos os pés, passamos a ter a cabeça e até os braços descobertos.


É assim que funciona o sistema capitalista. A burguesia inaugura um suntuoso hospital e clama ao mundo inteiro: “eis aí o quanto o sistema socioeconômico está voltado para atender as necessidades do povo.” Exemplo patente é o Hospital da Mulher em Fortaleza. Não dizem eles, quantas empreiteiras ganharam fortunas nas obras sobrefaturadas. Não dizem, via de regra, que o monumental prédio que custou uma fortuna não dispõe de equipamentos suficientes para atender os necessitados.

Quando tem equipamentos, falta o corpo técnico capaz de operacionalizar os instrumentos de que dispõe. Quando tem tudo funcionando naquele hospital, dezenas de milhares de postos de saúde não têm o funcionamento necessário, pois ali faltam, desde o médico, o enfermeiro, o técnico, e, sobretudo, medicamentos.

Por sua vez, quando se despende uma atenção maior para a saúde, eis que faltam os meios necessários para a construção de escolas, contratação de profissionais e compra de equipamentos. O curto lençol do capitalismo, para atender as inúmeras demandas das massas necessitadas, terminam por não poder cumprir as imensas solicitações no campo da segurança pública, deixando de promover concursos e treinamentos capazes de possibilitar um mínimo de tranquilidade.

Não bastassem essas carências, outras tantas se apresentam: são as malhas viárias, em estados deploráveis; são os portos, sem condição de carga e descarga; são os aeroportos, sucateados, e assim se vai o curto cobertor.

Cabe, porém, uma pergunta: para onde vão os bilhões de riquezas produzidas nesse mundo a fora? A maior parte vai para os bolsos dos capitalistas, que não param de acumular riqueza, enquanto o mundo acumula fome, favela e miséria. Outra parte das riquezas são gastas para a manutenção do permanente estado de guerra em que vive o sistema capitalista, desembolsando fortunas para custear as suas forças armadas, estejam elas ativas ou inativas.

É necessário acrescentar que uma legião imensa de pessoas se ocupam no triste oficio de trabalhar e nada produzir, como acontece com as máquinas burocráticas das empresas, repartições e ministérios. Somente uma outra sociedade, uma sociedade voltada para o real bem estar da população, poria fim a esse infernal quadro da existência humana.

(Do Blog de Gilvan Rocha)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *