Com 25% dos votos, maior problema de Bolsonaro é o aumento da rejeição a seu nome.

Imagem

Charge do Brum (Tribuna do Norte)

Bruno Boghossian
Folha

Os 25% de intenção de voto registrados na nova pesquisa do Datafolha ainda fazem de Jair Bolsonaro um candidato competitivo para 2022, mas seu caminho até a reeleição fica cada vez mais estreito.

Apesar da fidelidade de uma fatia do eleitorado, a disparada do índice de rejeição ao presidente limita sua capacidade de conquistar ou recuperar votos até o ano que vem.

REJEIÇÃO ALTA – No mais recente levantamento do instituto, 59% dos entrevistados disseram que não votariam em Bolsonaro “de jeito nenhum” na próxima eleição. Seus adversários Lula (PT) e João Doria (PSDB) aparecem bem atrás nesse quesito, com 37%.

O índice de brasileiros que se recusam a votar em Bolsonaro é bem maior do que o registrado às vésperas do primeiro turno de 2018, quando 44% rejeitavam o então candidato. Os números apontam que aquela reprovação original se somou a uma avaliação negativa construída ao longo do mandato.

A taxa de Bolsonaro tem poucos precedentes entre governantes que disputaram a reeleição em anos recentes. No início de 2006, 33% dos brasileiros diziam não votar em Lula de jeito nenhum. Ainda em 2013, Dilma Rousseff aparecia com essa rejeição na faixa dos 30%.

TEMER RECORDISTA – O único dado semelhante aparece no caso de Michel Temer. Quando dirigentes do MDB fingiam interesse em lançar o então presidente à reeleição, em 2018, chegava a 64% o percentual de brasileiros que se recusavam a votar nele. A diferença é que Temer tinha apenas 2% das intenções de voto.

Bolsonaro parte de um patamar maior de adesão a sua candidatura e tem nas mãos a máquina de um governo que pode ser usado para a reduzir seus índices negativos, abrindo espaço para a obtenção de mais votos. A rejeição em disparada, no entanto, faz com que o bônus da reeleição seja limitado.

Qualquer governante tem vantagem na disputa por um segundo mandato, mas o trabalho se torna mais custoso quando suas taxas negativas parecem cristalizadas. O índice de 59% é um obstáculo significativo para Bolsonaro, especialmente porque as crises sucessivas enfrentadas pelo governo ajudaram a consolidar a oposição de uma fatia considerável de eleitores.

FATOR NEGATIVO – O presidente enfrenta uma rejeição considerável nas duas regiões mais populosas do país, que abrigam sete de cada dez brasileiros. No Nordeste, 70% dizem que não votam em Bolsonaro de jeito nenhum. No Sudeste, a taxa está em 60%.

O desempenho negativo do presidente também se espalhou por diferentes estratos sociais. Ele aparece com 59% de rejeição no grupo de entrevistados que têm apenas o ensino fundamental completo e com 61% entre brasileiros com ensino superior.

O peso da crise econômica e a demora na recuperação do mercado de trabalho ampliam as chances de consolidação dessa avaliação. No segmento mais pobre do país, 63% dizem que não dariam um segundo mandato ao presidente. Entre desempregados, a taxa está em 74%.

EMBATE COM PT – Mesmo entre os evangélicos, a situação de Bolsonaro não chega a ser confortável: 45% do grupo se recusa a votar nele, um índice semelhante ao registrado no caso de Lula (47%).

O estímulo a um embate direto com o PT deve ser a principal arma de Bolsonaro para tentar superar esse problema. Os governistas querem convencer alguns antibolsonaristas de que é melhor reeleger o presidente para evitar a volta de Lula.

Mesmo com a exploração do antipetismo, essa tarefa pode ser difícil. Entre os eleitores que dizem rejeitar Bolsonaro, só 4% admitem votar no presidente num embate direto contra Lula no segundo turno. Nesse grupo, 86% preferem o petista e 11% votariam nulo ou em branco.

9 thoughts on “Com 25% dos votos, maior problema de Bolsonaro é o aumento da rejeição a seu nome.

    • O cozinheiro deve ser um daqueles iludidos pelas ratazanas vermelhas, diz-se arrependido e pediu perdão. É uma grande oportunidade para o Presidente Bolsonaro mostrar ao país que, além de demolidor da bandidocracia, ele também é magnânimo. Presidente, receba o cozinheiro, dê-lhe o seu perdão e peça aos seus empregadores para aliviar a sua punição.

  1. Votei em Bolsonaro e se houver em segundo turno Lula x Bolsonaro voto em Lula. O PT protagonizou governos corruptos mas que pelo menos fizeram algo, Bolsonaro ao se realinhar ao centrão faz vista grossa para a corrupção pelo que tudo indica, e conseguiu trazer novamente inflação colocando o dólar nas alturas para arrecadar mais impostos com as exportações do agronegócio, somados a política de combustíveis que apenas favorece a investidores estrangeiros e ao “mundo” que gira nas tetas da Petrobrás, caos na saúde, caos no sistema elétrico, mente quanto a asfaltar estradas… o único que esse governo faz é defender o próprio umbigo e procurar se perpetuar no poder. Bolsonaro = estelionato eleitoral.

  2. Miliciano é assim mesmo.
    Ganha adesões através de ameaças.
    Ele só esquece que Brasília não é RJ, onde tem seus Adrianos e tantos outros que executam as ameaças.

  3. Não é verdade, Eliel.

    Não houve qualquer tentativa de envenenar Bolsonaro.
    O cozinheiro apenas reclamou que deveria cozinhar para o “diabo”.
    Prestou depoimento, e foi liberado.

    Claro que já perdeu o emprego, pois estamos em “pleno estado democrático de direito”, onde só não se pode falar mal do presidente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *