Com 500 mil mortos, número de vítimas de Covid no Brasil já é maior que vários genocídios reais

Imagens aéreas mostram covas abertas em cemitério de Sorocaba (SP) — Foto: Witter Veloso/TV TEM

Covas abertas em cemitério de Sorocaba, em São Paulo

Fábio Zanini
Folha

Classificar a tragédia brasileira da Covid-19 como genocídio enfrenta resistência da maior parte dos especialistas em direito internacional, mas não há dúvida de que a escala seja compatível com eventos do tipo. O patamar de 500 mil mortos na pandemia, que acaba de ser alcançado neste sábado (19), é maior que o de pelo menos oito genocídios ocorridos desde o início do século 20, algo que choca mesmo quem está acostumado a estudar eventos com alta mortalidade.

“A cifra de 500 mil mortos chama a atenção pela enormidade. É realmente terrível, apesar de não ser genocídio como estudamos na sala de aula”, diz Roland Kostic, professor de Estudos de Holocausto e Genocídio da Universidade de Uppsala (Suécia).

ESTIMATIVAS – A comparação permanece válida ainda que se leve em conta as estimativas mais altas de vítimas para cada caso.

 “Contabilizar o impacto de genocídios nem sempre é simples, porque há as vítimas diretas e as indiretas, que morreram por fome, doenças, deslocamentos forçados ou até suicídios”, afirma Kostic.

O genocídio cometido por forças sérvias na Bósnia, por exemplo, na década de 1990, resultou em estimados 30 mil a 40 mil mortos, ou menos de 10% da perda atual com a Covid-19. No episódio mais traumático do conflito, o massacre de Srebrenica, em 1995 (que muitos consideram um “genocídio dentro do genocídio”), foram mortos cerca de 8.000 muçulmanos, ou 1,6% das vítimas do coronavírus no Brasil até aqui.

SADDAM E OS CURDOS – –Outra matança que marcou o século 20, o genocídio cometido contra curdos no norte do Iraque pelo então ditador Saddam Hussein, deixou até 150 mil mortos no final dos anos 1980, muitos com o uso de armas químicas.

A Covid-19 no Brasil também já deixou mais mortos do que os dois principais genocídios do século 21. Os massacres de populações de etnias negras em Darfur, no oeste do Sudão, por milícias árabes a serviço do governo, deixaram entre 100 mil e 400 mil desde 2003, dependendo da estimativa. Já a perseguição ao grupo étnico dos rohingya, uma minoria muçulmana que vive no oeste de Mianmar, resultou em até 30 mil mortos desde seu início, em 2016.

Para que pandemia brasileira ultrapasse a mortalidade de outros genocídios, será necessário que o ritmo de mortes se mantenha em alta ainda por muitos meses, o que parece improvável à medida em que a vacinação avança.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Acho aceitável dizer que Bolsonaro é genocida, diante da irresponsabilidade que demonstra no enfrentamento da pandemia. No entanto, é um total exagero fazer comparações com o que aconteceu com outros povos, que foram massacrados manu militari, em genocídios reais. Lembremos que, no início da pandemia, ninguém sabia tratar. Os médicos usaram a velha técnica da tentativa e erro, até começarem os acertos. Muita gente se curou com antibiótico e julgou que tinha sido a cloroquina. (C.N.)

15 thoughts on “Com 500 mil mortos, número de vítimas de Covid no Brasil já é maior que vários genocídios reais

  1. A farsa continua.

    Rotular Bolsonaro de genocida é fruto da desonestidade intelectual inata dos picaretas “progressistas”. De uma imprensa totalmente prostituída pela militância tucano-petista e enlouquecida pela abstinência da grana, que jorrava dos cofres públicos, pode-se esperar tudo, menos a verdade e a isenção na análise dos acontecimentos.

  2. Atingimos meio milhão de mortos pela pandemia antes do mês julho.
    Havia a ideia de 400 mil vítimas até o mês que vem.
    Pois a estimativa foi ultrapassada, lamentavelmente.

    Sem eu querer fazer comparações, os americanos bateram o número de óbitos na sua maior guerra, que foi a da Secessão, entre 1861 e 1865, com 614 mil vítimas.
    Hoje contabilizam 617 mil mortos.

    A tragédia brasileira é a maior desde o nosso descobrimento!
    Jamais, em tempo algum, tivemos esse número de mortos.
    Se somarmos todas as revoluções, guerras que participamos, rusgas, ditaduras, e não atingiremos a metade das pessoas que perderam suas vidas para o Covid 19.

    Bolsonaro ostentará essa calamidade para o resto de sua vida como o presidente que jamais se importou com o povo durante a pandemia!
    Sua preocupação era com a economia, como se ele e seu guru dos infernos tivessem tido algum plano de combate ao desemprego!!

    Se a ideia era o emprego, pergunta-se:
    então por que não abriu postos de trabalho, muito mais útil e e adequado às necessidades deste contingente de pessoas??!!

    Enfim, sabe-se lá quantos mais brasileiros perderão a vida para esta doença?
    Quantos mais mortos contabilizaremos até o fim deste ano?
    Quantos mais desempregados aumentarão as estatísticas atuais, de mais de 15 milhões de pessoas??

    Se existe uma denominação para este governo, cujo lema idiota e imbecil, se encaixa perfeitamente com a ideia de jerico de Bolsonaro – Brasil acima de tudo, e Deus acima de todos -, deveremos nos intitular como:
    Brasil, uma tragédia elaborada!

    Se imaginarmos o Brasil acima de tudo, e convivemos com calamidades e caos;
    se pensamos que Deus está acima de todos, e registramos mortes pela pandemia, violência, miséria, pobreza, fome, desemprego … algo está errado ou o lema escolhido foi uma aberração, pois o Brasil está abaixo de todos, e Deus simplesmente não nos dá a mínima importância!

    Também, convenhamos:
    Com este governo adorando bezerros de ouro ou de qualquer outro material, e auxiliados por donos de seitas que pregam a prosperidade e não a união entre as pessoas, a frase de Bolsonaro cai por terra de maneira humilhante, haja vista o povo padecer pela incúria governamental e sofrer orientações de cunho secular, menos espiritual!

  3. A TERCEIRA VIA DE VERDADE ADVERTE: Sob pandemia, nada justifica aglomerações públicas frenéticas, desnecessárias, e muito menos com conotações eleitorais. Derrubar Bolsonaro, derrubar Lula, derrubar seja lá qual for o mote é uma coisa. TODAVIA, expor a população a risco de contágio por vírus mortal, que, aliás, já matou mais de 500 mil seres humanos, irmãos e irmãs brasileiros, e continua matando, É OUTRA COISA, é insanidade mental, é loucura, é estupidez, é crime, e fazer disso palanque eleitoral me parece crime hediondo abominável. https://www.youtube.com/watch?v=YT7AdivHRHw https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/05/atos-antecipam-eleicao-e-bolsonaro-nao-pode-mais-ser-criticado-por-aglomeracoes-diz-lider-do-

  4. De fato, para se poder denominar de genocídio as vítimas da pandemia, Bolsonaro deveria tê-las mortas através de armas de fogo, bombas, fuzilamentos, armas químicas …

    O atual presidente criou uma arma de enorme letalidade, que se chama desprezo.
    O desinteresse pelo povo é tão gritante, que na sua péssima e mal intencionada administração, o desemprego aumentou, a fome evoluiu, cresceram a miséria e a pobreza, e o número de mortos pelo Covid, que poderia ser menor, hoje registra mais de meio milhão de vítimas, onde uma acentuada parcela foi a óbito porque alvo do desprezo pelo povo por parte de Bolsonaro!

    Difícil será digerir a retórica dos robôs bolsonaristas, que tentarão argumentar de maneira absurda, irreal e desrespeitosa, para a quantidade de mortos, querendo que outas análises sejam, feitas com isenção, como se meio milhão de mortos não fossem suficientes como comprovação da falência governamental e desprezo pela população, deste governo patético e assassino!!

    • Chico, assino embaixo, o mito conseguiu piorar a situacao tragica da era cleptocrata, tambem o mito tem seu regimento de adoradores que aceitarao as asneiras, o toma la da ca, a roubalheira e todo tipo de jogo sujo do idolo e do partido de ocasiao, e chamam isso de politica (so se for uma politica podre), o lullarapio tb tinha seu exercito de stedile e robos nos ex-partido da etica e nos partidecos penduricalhos, uma das coisas que aproximam minions e cleptocratas eh o apoio irrestrito aos devaneios de poder de seus idolos e partidos, para manter as boquinhas e a bocas maiores, independente dos prejuizos que o povo tenha que pagar, mais do mesmo para manter o toma la da ca e a ladroagem. vendedores de ilusoes para eleitores incautos. quanto as mortes, o mito e curriola sao corresponsaveis por uma serie generalizada de homicidios, causados pela arrogancia, prepotencia do presidente e outros bolsonaristas e pelo desprezo pela vida do proximo, pode nao ser genocidio como historicamente se conhece, mas eh tao podre quanto.

  5. Não espere que um miliciano vá se compadecer de mortos. Ainda mais com uma pandemia.
    Se Bolsonaro fosse um político, mesmo daqueles sem noção, ele tentaria de todas as formas capitalizar essa desgraceira.
    Mas ao contrário zomba da gripezinha, dos mortos, da medicina, de tudo. E ainda por cima não se dá por vencido em relação à Cloroquina.
    Aí que burro!

  6. Despreparado, ignorante, sem o menor talento para exercer o cargo que ocupa, extremamente vaidoso, pessimamente assessorado, mau caráter, este é o cretino que o povo escolheu para “presidente”. Agora aguentem !!!

  7. A essência da estratégia adotada foi desde o início a tese da imunidade de rebanho, médicos tem limites éticos e morais em ensaios farmacêuticos com pacientes. É um absurdo reviver a discussão iluminista dois séculos depois e nos arrastar novamente para a idade média. Mas o que faz a cúpula do governo exibir sinais de falta de empatia e falta de remorso é assumir de forma aberta o risco das mortes de civis inocentes, risco esse já concretizado. E o maníaco ainda assume que contaminação é melhor que vacinação até hoje. Inaceitável a cúpula dizer que só obedecem ordens! São crianças de 4 anos por acaso? As mortes da pandemia foram feitas com dolo, mesmo que eventual; assumiram o risco e apertaram o botão do f*. Eles tem o direito de acreditar no que quiserem, mas atos tem consequências, essas mortes não serão esquecidas. Vivemos em um estado de direito, nossa Constituição ainda sobrevive e será plenamente implantada. Cabe a um administrador público tomar as medidas do aparelho burocrático que melhor equacionem o problema. Isso foi ignorado por mero gozo pessoal (talvez financeiro) em seguir continuamente negando a realidade mesmo com tantas pessoas morrendo. A ditadura militar foi acusada do genocídio de mais de 8.000 indígenas. Bolsonaro está na marca de mais de 300.000 brasileiros em todo o país mortos porque houve o uso sistemático e estrutural do aparelho de Estado que ocasionou morte de gente inocente por ignorar medidas efetivas que se espera de um chefe de governo.

  8. O povo, pelo que vemos em cada cidade e estado que o presidente visita, não o considera genocida, muito pelo contrário. Já o que a impren$a desmamada pensa, pouco importa.

  9. Numa briga, quem lhe segura para o seu inimigo espancar, sem chances de defesa, como poderia ser chamado? Dizer que o governo Bolsonaro inocula Coronavírus nas pessoas, aí já seria uma alucinação leviana da parte de quem fizesse tal acusação. E o mandátario que concorre, diretamente, para o morticínio dos seus concidãos; esse sim, pode ser rotulado de PATRIOCIDA ou PLURI-HOMICIDA CULPOSO.
    Todos aqui devem lembrar: no início desse desgoverno de desgraças, Jair Bolsonaro falou que “a única coisa que poderia derrubá-lo era o fracasso na economia”. Isso pode explicar a aversão dele ao Lockdown. Entende que, se as pessoas pararem por um período, para não pararem duma vez (mortas), a política econômica pode cair por terra e, com ela, o sonho da reeleição.
    Vejam que lixo mais imundo: por causa de sua fome egoísta de poder, ele é capaz de empurrar milhares de concidadãos ao sofrimento e ao óbito!
    Desde o começo da Pandemia, Bolsonaro sempre se esforçou para aparecer como um sabotador de quaisquer contramedidas, que visassem a barrar a Covid-19 e, ao mesmo tempo, retaliando os autores dessas iniciativas: governadores, prefeitos, cientistas, artistas, ONGs etc.
    Mas o Capetão não está sozinho, na sua ação patriocida: tal crueldade deve ser compartilhada também com os brasileiros clones de Caim, os quais hipotecam apoio cega e irresponsavelmente a esse mefistófeles infernal.
    PS: Dentre os apoiadores, não estou incluindo os eleitores, pois, grande parte deles votou porque se sentiu traída pelo PT. Agora: pior que o avião que caiu, foi o paraquedas que não abriu”

  10. Concordo em parte, nobre C.N. Nós vamos passar de 10 (DEZ) Vietnãs, em termos de americanos mortos naquela guerra. Com certeza uma metade pode ser creditada pessoalmente ao Bolsonaro e seu desdém pela Ciência e pelo conjunto da obra, não comprando e dificultando vacinas, dando exemplo de aglomeração e não uso de máscara e até indo ao Judiciário contra governadores e prefeitos que usam do distanciamento social universalmente adotado, na ausência de vacinação em massa, como agora mesmo faz no STF contra governadores de 3 Estados (PE, PR e RN).

  11. Chegou a hora de colher o que ele plantou; escuto gente do povo dizendo que ele não usa máscara e aglomera porque tem todo um aparato médico/hospitalar/farmaceutico a seu (dele) dispor.
    Ele não engana mais ninguém.
    Vai colher o que semeou com seu arado negacionista.

  12. Se o Bolsonoro é genocida os demais os presidentes dos demais países, são o quê?
    Os USA tem 601 mil defuntos catalogados este também é taxado de genocida algum tempo atrás, os ditos donos da verdade seriam levados em consideração, hoje, temos diversos meios de informação e concluímos que devido a TETA ter secado o berro ou o rugido dos desmamados é normal.

Deixe um comentário para Eliel Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *