Com a próxima derrota do voto impresso, Bolsonaro ficará sem saída política

Charge do Roque Sponholz (humorpolitico.com.br)

Pedro do Coutto

Reportagem de Matheus Teixeira, Julia Chaib e Danielle Brant, Folha de S.Paulo desta segunda-feira, destaca as articulações que estariam sendo desenvolvidas pelos Poderes Legislativo e Judiciário visando aliviar a tensão sobre o Palácio do Planalto,  após a rejeição do projeto que propõe a restauração do voto impresso no país, vinte e cinco anos depois de ter sido abolido.

A matéria é de grande importância, mas qualquer manobra que possa ser executada não aliviará a tensão que aprisiona Jair Bolsonaro dentro de suas próprias contradições. O voto impresso será rejeitado por ampla maioria de votos, inclusive porque a sua aprovação não interessa sequer às legendas que ainda apoiam um presidente da República que se perdeu e não conseguiu reencontrar-se consigo mesmo.

VOTO IMPRESSO – As pesquisas realizadas na esfera parlamentar tornam essa realidade imutável. Um dos levantamentos realizados pelo jornal O Globo e objeto de reportagem de Dimitrius Dantas, Paulo Capelli e Geralda Doca, revela que de 24 partidos com representação na Câmara Federal, 15 são contrários ao voto impresso. Mas não é só isso. É que para a aprovação na Câmara, emendas constitucionais como essa necessitam de 308 votos a favor do total de 513 parlamentares.

Portanto, não são apenas os votos contrários que já formam maioria absoluta e pesam contra o retrocesso. No caso, as abstenções e os votos em branco condenam e impossibilitam um processo de caranguejos,  como aquele a que se referiu o jornalista Carlos Heitor Cony em célebre artigo no antigo Correio da Manhã sobre o desfecho de abril de 1964. O quórum especial exige votos a favor para aprovar emendas. Assim, é impossível haver abstenções. A dualidade é uma só: a favor ou contra, tanto pelo voto quanto pela sua omissão.

Bolsonaro continua sem saída no quadro institucional brasileiro, o qual agravou ao extremo ao ofender, total e frontalmente, o Supremo Tribunal Federal e vários de seus juízes. Não há como aliviar a tensão cujo afrouxamento é impossível. Inclusive porque o Supremo não poderá recuar do processo que move contra aquele que ainda ocupa a Presidência da República. Ingressamos ontem numa das semanas finais, a meu ver, de um governo que se implodiu na vontade de explodir o próprio país.

VENDA DE IMÓVEIS  – Reportagem de Gabriel Sabóia, O Globo de ontem, revela que a Prefeitura do Rio está projetando vender 45 imóveis de sua propriedade,  para garantir o pagamento do 13º salário dos seus cem mil servidores municipais. São prédios e terrenos, os quais, como sempre acontece, encontram administradores favoráveis às suas vendas por motivos financeiros diversos.

Está na relação, a Casa Affonso Arinos, em Botafogo. Um bem histórico, muito valorizado pela importância do seu título, Affonso Arinos de Mello Franco, um dos maiores vultos da história política e republicana brasileira. Chanceler, ministro, deputado, senador, pensador, membro da Academia Brasileira de Letras, Affonso Arinos inclui-se entre as personalidades mais notáveis do século XX, e que deixou para sempre a marca de seu nome ilustre em vários capítulos da história brasileira.

Por isso, peço ao prefeito Eduardo Paes extremo cuidado em dar curso a qualquer negociação que envolva o nome de Affonso Arinos de Mello Franco. Aliás, essa perspectiva de vender imóveis no mercado termina quase sempre proporcionando resultados muitos mais negativos do que positivos.

LEMBRANÇA OLÍMPICA –  No momento em que se vira mais uma página da bela história das olimpíadas, em meio a tantas glórias brasileiras, não devemos esquecer jamais o episódio Vanderlei Cordeiro de Lima. Na Olimpíada da Grécia, em 2004, vinha se aproximando da vitória na maratona de 42 quilômetros, quando um padre atravessou de forma criminosa e infeliz a estrada da conquista e impediu que o extraordinário atleta brasileiro obtivesse o êxito e vencesse a prova, conquistando o ouro de Atenas.

Foi o único caso no mundo em que um irresponsável, um criminoso, conseguiu impedir a vitória que já se delineava em cores absolutamente fortes. Assim, glória eterna também deve ser reservada a este grande atleta. Vou até sugerir à vereadora Teresa Bergher que apresente um projeto na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, erguendo para Vanderlei Cordeiro de Lima a vitória que um ato criminoso impediu de concretizar-se.

11 thoughts on “Com a próxima derrota do voto impresso, Bolsonaro ficará sem saída política

  1. Em face do servilismo canino de certas autoridades militares, da coragem que é marca principal de um guerreiro e que lhes falta, elevo meus pensamentos a Deus e o agradeço de nos ter propiciado uma paz bicentenária com os nossos vizinhos sul-americanos. Não sei o que seria de nós, se fôssemos belicosos.
    Hosanas, hosanas, ó senhor, pela paz abençoada.

    • Quanto a venda de imóveis, o prefeito Eduardo Paes, uma caricatura do que já foi um dia, hoje ele é uma farsa. Está copiando o que o governo federal está fazendo, sob os auspícios de Paulo Guedes, que está vendendo os bens da União, lógico, bem abaixo do valor real.
      Vender a Casa de Afonso Arinos de Melo Franco, um dos melhores Ministros das Relações Exteriores. A casa está localizada no aprazível bairro de Botafogo.
      Vão vendendo tudo, até o momento que não sobra nada de patrimônio. Acho que é isso, que desejam, o prefeito Paes e o ministro Guedes. Dois vinhos da mesma Pipa, só que a bebida vem estragada,v fazendo mal ao povo carioca e brasileiro.
      Puxa vida, é uma notícia ruim atrás da outra. Que fase estamos passando.

  2. Quero ver quando os laboratórios deixarem de imprimir bula sobre os medicamentos e passar a informar que é seguro e você não precisa voltar a idade da pedra com rótulo impresso .

    Também na mesma esteira as empresas alimentícias pararem de imprimir nas embalagens dos alimentos as informações que faz o consumidor escolher esse ou aquele produto, acredite é melhor vc não ter como comparar , nós garantimos nosso produto é o que você precisa.

  3. O Bolsonaro é muito burro……pra dar o Gorpi tem que desarmar o povo .

    Vc biruliro defende que o povo tenha armas de fogo, está indo na contramão dos outros , aprende com Fidel , Maduro etc …

    Também tem reprimir as empresas de comunicação , tipo regulamentar a mídia como queria o Lulaladrão…

    Vc também tem que comprar o congresso e o judiciário com verbas desviadas de empresas estatais …
    As empresas estatais estão dando lucro vc tem fazer com que passe a dar prejuízo

    Você está fazendo tudo errado !

  4. Rapaiz, o desfile?! dos milicos foi de lascar. Que papelão ridículo dos clowns. Autocrítica zero, igual aos recrutas do planalto, cheinho de genelal e colonel de melda.

  5. Na comissão especial, um representante votou pelo partido. No plenário, o voto será individual, saberemos quem vota com a maioria do povo brasileiro ou não. Isso será lembrado ano que vem. Conservadores, evangélicos, caminhoneiros e agricultores, são alguns dos segmentos que já declararam que levarão em consideração como votarão seus representantes e farão campanha contra. De uma forma ou de outra, Bolsonaro ganha, pois se alinhou com a maioria do povo brasileiro em seu desejo por eleições transparentes. Qualquer que seja o resultado, o Presidente aumentará o seu apoio e o número de votos.

  6. Confesso que não faço parte do gado bolsonarista, muito menos do pestista mas uma coisa é preciso admitir, se o mito escalar o Ciro Nogueira para ser seu vice, só não leva esta se for ainda mais burro. O Centrão será amordaçado pelo mito com um expoente como vice-presidente na chapa do mito. O mito é louco mas de vez em quando o único neurônio dá sinais de vida.

  7. Enquanto perdem tempo com essa discussão do voto impresso, destinado a tumultuar a eleição de 2022, preparando o terreno agora, para fazer o que Donad Trump tentou fazer para impedir a derrota para Biden. Trump mentiu descaradamente alegando fraude, mas não apresentou nenhuma prova material. Houve recontagem e nada foi identificado. Trump não quis admitir a derrota, inclusive tentou um golpe de Estado, rejeitado pelos comandantes militares americanos.
    Enquanto, perdem tempo com essas filigranas, impresso ou eletrônico, Paulo Guedes, ex-economista liberal, se entregou ao populismo barato, em busca da reeleição do seu chefe, entregando duas PEC ( Proposta de Emenda Constitucional) : Novo Bolsa Família 2.0, programa que Guedes sempre criticou e Bolsonaro também, mas que entendem agora ser importante para angariar votos em 2022 e a PEC do Imposto de Renda, um balaio de gatos, que vai gerar contenciosos judiciais, por causa do texto mal formulado.
    Há, ministro Paulo Guedes, como você mudou, dos tempos da Escola de Chicago para o camaleão econômico de hoje. Será, que o exercício do Poder e tão bom assim, para mudar tanto? Acho que sim, ninguém está aí para rasgar dinheiro por convicções.

Deixe um comentário para Antonio Rocha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *