Com base em denúncia anônima, MP de São Paulo investiga irmã de Toffoli por suspeita de nepotismo

Maria Esther é mencionada como exemplo de ‘nepotismo cruzado’

Rayssa Motta e Fausto Macedo
Estadão

O Ministério Público paulista abriu inquérito para apurar denúncias de funcionários fantasmas, nepotismo e pagamento de salários acima do teto a servidores do Tribunal de Contas do Município de São Paulo. A portaria que determinou a investigação, assinada pelo promotor Christiano Jorge Santos em maio, foi obtida pelo Estadão nesta sexta-feira, dia 10.

Um dos investigados é a irmã do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, mencionada como exemplo de ‘nepotismo cruzado’ – quando há nomeação de parentes de servidores públicos para cargos públicos em detrimento de qualificações específicas para a função. Segundo o promotor, Maria Esther Dias Toffoli trabalha no gabinete do conselheiro Roberto Braguim, ‘em notório uso indevido de cargos públicos’.

DENÚNCIA – Uma segunda investigada é Eliane dos Reis Rubio, que ganha R$ 48,2 mil. O salário é composto pela remuneração como assessora, também no gabinete de Braguim, e pela aposentadoria integral que recebe como fiscal do Tribunal de Contas do município: R$ 24,1 mil para cada cargo. As supostas irregularidades foram reveladas por denúncia anônima enviada à Ouvidoria do MP.

De acordo com o relato, é comum que servidores aposentados sejam nomeados para cargos comissionados, cuja escolha é feita pelos conselheiros da Corte de Contas, e acumulem remuneração acima do limite determinado por lei.

A denúncia fala ainda em débitos de frequência dos servidores comissionados lotados, em sua maioria, nos gabinetes dos conselheiros – indicando que seriam funcionários ‘fantasmas’.

 

9 thoughts on “Com base em denúncia anônima, MP de São Paulo investiga irmã de Toffoli por suspeita de nepotismo

  1. São por situações como esta que o Brasil está sem chance de ir adiante. Sobram milhares de funcionários fantasmas, como a irmã de Toffoli, de assessores parlamentares fantasmas, que não comparecem ao trabalho e fazem “rachadinhas” com vereadores, deputados estaduais, deputados federais, nomeações por nepotismo, interesses escusos nessas nomeações, enquanto no Rio de Janeiro (mas não só no Rio de Janeiro) a cidade e o Estado são governados por milicianos e traficantes, cujo contingente armado (com armamentos que nem o Exército tem) , contingente de criminosos que superam em número o contingente das polícias militar e civil. E a consequência é a pobreza e a fome de milhões, governados pelas milícias ou traficantes, que moram em precários barracos na periferia das grandes cidades, ou mesmo moram nas ruas.

    Têm parte de culpa nisso tudo os eleitores, que elegem sempre os piores governantes, para os Poderes Executivos Federal, estaduais e municipais. Se temos um STF como o de hoje, devemos lembrar que seus membros são nomeados pelo Presidente da República em que os eleitores votam, e o Senado Federal jamais tem recusado indicação para o STF feita pelos presidentes da República que os eleitores elegeram.

  2. Tem mais ladrão que honestos na república dos cocos.
    É desanimador.
    O pior é que esse toffoli é intocável.
    Já foi visto muito podre dele, do primo, agora, da irmã, também da mulher e da ex mulher.
    Quem vai atingir este nefasto amigão da serpente?
    Algum tribunário tem a resposta?
    Difícil.
    Cordialmente.

    https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=https://aponte.news/noticias-sudoeste-sp/hotel-ribeirao-claro-investigado-lava-jato/&ved=2ahUKEwjF5bfDscjqAhW5LLkGHVL7BnkQFjADegQIBxAB&usg=AOvVaw0n4NFvCdnQtXkfppVEj2ku&cshid=1594579904622

  3. Estão por fora achando que só há nepotismo quando indicado o parente para o mesmo órgão onde trabalha quem indicou.

    Tem esse nepotismo cruzado citado na matéria. Quando o indicado vai trabalhar em outro órgão e quem recebe indica outro de volta.
    Ainda assim, essa indicação de volta não tem sido feita para evitar ficar em evidência.
    Então, passam a indicar em cruzamento assimétrico.

    Tem ainda mais recentemente aqueles espertalhões que não necessariamente indicam o parente para ocupar um cargo público.
    Há os postos de concessionárias, permissionárias ocupados pelos parentes daqueles funcionários dos órgãos públicos que atuam na gestão ou fiscalização.
    E tem ainda terceirizados das empresas contratadas pelo ente público, só que nem sempre fácil de identificar porque nem todos os órgãos tornam público os nomes dos funcionários fornecidos nós contratos de mão de obra.

    • Sem ainda se esquecer que não só pessoas com parentesco, como também amantes são colocados.
      Tem ainda aqueles que são apadrinhados por algum ocupante do alto cargo na instituição indicado sem qualquer experiência, ou cuja experiência nada tem a ver com o cargo para o qual é indicado. Neste último temos o filho do(a) amigo(a) ou conhecido(a).

  4. 5 Minutos de Investigação Séria e de Gente de Bem nas “Baixas Cortes” já iam melhorar e muito o Brasil e nossa Verdadeira Democracia e Liberdade, sim Democracia e Liberdade para o Brasileiro de Bem, quem Protege e Solta Bandidos é tão igual ou pior que eles!!!

  5. Eis uma das tremendas sacanagens da mídia, difícil de ser digerida, sobretudo, onde impera a pistolagem e o crime organizado, é esta: um Zé-Ninguém comete um delito ou uma cacaborrada qualquer. Na vez de reportar o ocorrido, a primeira atitude do jornalista, é buscar uma referência humana ou material para o delinquente: político, pessoas famosas, empresas….. Preferencial e maldosamente, se o referencial tiver uma reputação pública a ser preservada.
    -O cometedor não tem vida própria? -Não goza de individuação? -Seu sequenciamento genético, não diz que ele é uma unicidade dentre bilhões? -Então, por que o vincular com outra pessoa que, na grande maioria das vezes, nada tem a ver com o desatino do negativamente noticiado?

Deixe uma resposta para Espectro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *