Com Marin presidindo CBF, valor da empresa dele logo triplicou

Raphael Ramos
Estadão

Durante o período em que José Maria Marin foi presidente da CBF, de 2012 a 2015, o capital da sua empresa, a Rede Associada de Difusão, quase triplicou, passando de R$ 352 mil para R$ 1 milhão. O salto no valor da empresa ocorreu no dia 16 de abril de 2014, coincidentemente mesma data em que Marco Polo Del Nero foi eleito para suceder Marin na presidência da CBF – a posse, no entanto, só ocorreu um ano depois. Além de Marin, o outro dono da empresa é o seu filho, Marcus Vinícius, ex-diretor do Departamento de Futebol Amador da Federação Paulista durante o período em que Del Nero foi presidente da entidade estadual.

Vice-presidente da CBF, Marin está preso na Suíça, envolvido em um esquema de corrupção na Fifa. O dirigente é acusado de ter cometido vários crimes, entre eles o de receber propinas nas negociações da Copa América e suborno em contratos da Copa do Brasil, torneio organizado pela CBF.

CONCESSÃO DE RÁDIO

De acordo com ficha cadastral na Junta Comercial de São Paulo obtida pelo Estado, a Rede Associada de Difusão tem por objetivo o comércio varejista de produtos não especificados, atividades de rádio e televisão e prestação de serviços. A empresa ganhou a concessão de uma rádio em Santa Isabel, município a 60 quilômetros de São Paulo.

Durante 17 anos de atividade, de 1997 a 2014, a Rede Associada de Difusão teve mudanças de endereço e sócios, mas o capital permaneceu inalterado em R$ 352 mil. Somente depois que Ricardo Teixeira renunciou à presidência da CBF e Marin assumiu a entidade, o valor saltou de uma só vez para R$ 1 milhão.

Quando a empresa tinha R$ 352 mil de capital, R$ 264 mil (o equivalente a 75% das cotas acionárias) eram de Marin. Os 25% restantes (R$ 88 mil) eram de seu filho. Em 16 de abril de 2014, dia em que Marin esteve no Rio de Janeiro para a eleição de Del Nero, o capital total foi alterado para R$ 1 milhão, com manutenção dos percentuais dos acionistas, mas redistribuição dos valores das cotas. Marin, então, passou a ter R$ 750 mil e Marcus Vinícius, R$ 250 mil.

2 thoughts on “Com Marin presidindo CBF, valor da empresa dele logo triplicou

  1. Nunca antes na história a tia esteve abaixo dos 10%… Isso explica o desespero…
    ” O Palácio do Planalto teve acesso a uma pesquisa que avaliou a popularidade do governo. Nas palavras de um auxiliar da presidente Dilma Rousseff que teve acesso aos números, o resultado é preocupante. Pela primeira vez, a aprovação do governo Dilma está abaixo dos 10%, segundo a pesquisa.
    ( Blog do Camarotti ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *