Com ministros no alvo, uma guinada de 180 graus

Erich Decat
Estadão

A mudança no tom e na postura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta passagem por Brasília chamou a atenção de integrantes da cúpula do PMDB e do PT. A avaliação é a de que o petista adotou uma postura menos agressiva da que vinha adotando nos últimos dias, quando chegou a dizer que a presidente Dilma Rousseff e o PT estavam no “volume morto”.

Ao contrário de encontros anteriores na capital federal, Lula não disparou críticas contra o governo, não fez menções ao ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e, além de poupar o PT, pediu que o partido reagisse. Na avaliação de peemedebistas e petistas, não é coincidência o fato de Lula ter dado uma guinada de 180 graus no momento em que ministros mais próximos à Dilma foram puxados para o centro das investigações da Lava Jato.

INÉRCIA DE DILMA

O sentimento nos dois partidos é o de que Dilma, até então, tinha adotado uma postura de “inércia” em meio ao escândalo, numa tentativa de demonstrar que os problemas encontrados na Petrobrás não ocorreram sob sua gestão, e sim na do antecessor e padrinho político.

No entanto, após o vazamento de parte da delação do presidente da UTC, Ricardo Pessoa, Dilma foi obrigada a assumir a defesa do governo. O empreiteiro relatou doações para a campanha de Mercadante ao governo de São Paulo em 2010 e para a campanha presidencial de Dilma em 2014, cujo tesoureiro era o atual ministro Edinho Silva (Comunicação Social).

A menção a ministros centrais do governo fez Dilma vir a público por duas vezes em 48 horas para tratar do tema, em território norte-americano. No Brasil, o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), alvo de petistas por “não controlar” a Polícia Federal, também deixou a “inércia” e se pronunciou após a delação.

Com os ministros do núcleo duro do governo no olho do furacão, o entendimento é de que Lula deixou o jogo com Dilma empatado e que o Planalto deverá tomar a frente de novas reações não deixando apenas com que os petistas tenham de buscar um discurso para tentar enfrentar o momento de crise.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *