Com todo o respeito, uma bobagem

Dilma afirmou que a Lava Jato é que fez o PIB cair

Carlos Chagas

Tanto faz se de público ou em privado, a presidente Dilma costuma surpreender com opiniões esdrúxulas. Na segunda-feira, reunida com ministros, declarou dever-se à Operação Lava Jato a queda de pelo menos um ponto percentual, dos dois perdidos no Produto Interno Bruto. Como a reunião não estava sendo transmitida pela mídia, presume-se que algum ministro deu o serviço para os jornalistas. Deve ser admoestado, menos por ser boquirroto, mais por não ter tido a noção de que Madame falava uma bobagem. Resultado: fez a festa na oposição. E deixou os setores governistas de cabelo em pé.

Onde já se viu dizer que prejudica o desenvolvimento nacional uma iniciativa destinada a investigar ladroagens e roubalheiras? Só progrediremos com o Ministério Público e a Polícia Federal apurando as lambanças e encaminhando seus responsáveis à Justiça, para as devidas providências. Na verdade, quem fez cair os índices do crescimento econômico nacional foram a Petrobras e seus variados saqueadores, políticos e empreiteiros.

A presidente tem muito mais responsabilidade na queda do PIB do que procuradores e policiais. Afinal, sabia ou não sabia do jabá? Que providências tomou para evitar o assalto aos cofres da maior empresa pública do país? Apesar de dois ministros apontados como tendo participado da lambança, nenhum foi afastado. Muito menos parlamentares da base oficial.

Não é a primeira vez que Dilma se perde com as palavras, mas agora foi demais.Seu diagnóstico, além de lamentável, é falso. Estivesse o Congresso reunido e montes de pronunciamentos de protesto tomariam os trabalhos. Dizem que ela cursou Economia. Haverá um professor, sequer, capaz de endossar essa tese?

DÚVIDAS

Com o passar dos séculos, o poder da riqueza superou o privilégio do nascimento? Parece que sim, mas o berço ainda constitui fator importante nas diversas atividades. Na política e na atividade privada, funciona ser filho de senador ou neto do fundador da empresa. Às vezes, porém, é prejudicial. Aí estão os empreiteiros presos na Operação Lava Jato. Vamos aguardar os políticos…

6 thoughts on “Com todo o respeito, uma bobagem

  1. O convívio com o Brahma fez de Dilma mais uma analfabeta funcional. Que sina esta dos brasileiros que nos últimos 13 anos, convive e conviveu com presidentes sem o menor preparo para a função. Mas o festival de besteiras que assola o país está apenas começando pois ainda temos todo o julgamento do petrolão com ministros do tipo pistolão e um congresso capacho que não vai fazer coisa nenhuma. O Cunha já foi isolado e na reunião com os governadores, todos com o pires na mão, qualquer oferta da Anta vai ser aceita. Governador no Brasil mais parece o mendigo da esquina.

  2. Como a Operação Lava Jato obviamente não teria acontecido se não fosse a roubalheira dos políticos dos partidos da base que teoricamente a apoiava, se a Dilma diz que ela fez o PIB cair 1% , considerando-se o PIB de 2013 que foi de aproximadamente quatro trilhões e oitocentos bilhões de reais, a Dilma está assumindo publicamente que seu governo foi responsável, ou co-responsável, por um prejuízo de 48 bilhões causado por esta roubalheira. Isso para não falarmos do resto causado pela incompetência. Madame teria feito muito melhor ficando calada…

  3. 28/07 às 19h14 – Atualizada em 28/07 às 19h14
    Operação Lava Jato causará perda de R$ 187,2 bi na economia, diz estudo
    Dados da FGV combinam queda de investimentos da Petrobras à retração do mercado de construção
    Jornal do Brasil
    Ana Siqueira*
    +A-AImprimir
    PUBLICIDADE

    Tendo a Operação Lava Jato como pano de fundo, a economia brasileira poderá ter uma perda de produção na casa dos R$ 187,2 bilhões, se combinada a diminuição de investimentos da Petrobras à retração do mercado de construção. Isso equivaleria a cerca de 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2014, acarretando uma redução de 2,4 milhões de postos de trabalho. É o que diz estudo do Grupo de Economia da Infraestrutura & Soluções Ambientais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em parceria com o Centro de Estudos de Direito Econômico e Social (CEDES).

    Publicados em abril deste ano, os cálculos sofreram atualizações e nesta segunda-feira (27) foram apresentados pelo coordenador do grupo, Gesner Oliveira, ao Clube de Engenharia. Os dados atualizados também estimam uma redução de salários que atinja a ordem de R$ 29,5 bilhões, além de uma diminuição de R$ 12,3 bilhões em arrecadação de impostos.

    De acordo com Fernando Marcato, professor da FGV e coautor do estudo, as projeções foram feitas com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e não pretendem, de forma alguma, condenar a investigação em curso pela Polícia Federal. “Tudo deve ser devidamente apurado, só não se pode entrar em um processo de caça às bruxas que acabe com todas essas empresas. É preciso cuidado para não matar essa indústria, que gera muito emprego e muita receita”, explica.

    O trabalho afirma que, para aferir o impacto da Operação Lava Jato sobre o setor de petróleo e gás, “considerou-se o volume de investimentos previsto inicialmente no Plano de Negócio da Petrobras para o período de 2014 a 2018, isto é, US$ 220,6 bilhões (R$ 683,86 bilhões). Estima-se uma redução de 41% neste valor, o que representa retração de R$ 280,39 bilhões nos investimentos da companhia nos próximos cinco anos, equivalendo a menos R$ 56 bilhões por ano de investimentos”.

  4. Deixa rolar a bandalheira, então. Trabalhar para levar o país ao crescimento, nem pensar. Melhor mesmo é fomentar o crescimento nos irmãos bolivarianos, com dinheiro tirado de nossa saúde, educação, segurança, infraestrutura.Talvez a máxima dela e de seus cúmplices seja “sem corrupção, não há solução”.

  5. “Operação Lava Jato causará perda de R$ 187,2 bi na economia, diz estudo
    Dados da FGV combinam queda de investimentos da Petrobras à retração do mercado de construção…”
    E agora José? Digo Carlos, que não é Drumond.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *