Com Wilton Franco, o povo passou a ser personagem da TV

Pedro do Coutto

A Rede Globo, no Jornal Nacional de sábad,o deu grande destaque à morte de Wilton Franco, não só um dos pioneiros da televisão brasileira, mas também o homem, pode-se dizer assim, que tornou o povo, além de espectador, também personagem da tela mágica. Dominava sua linguagem e sua estética, conhecia seus gostos e suas emoções. Foi o criador dos Trapalhões, que se mantiveram com sucesso incontestável durante muitos anos. Mas eu disse que ele tornou o povo personagem.


Foi isso mesmo, a partir do programa Aqui e Agora, na fase final da antiga TV Tupi. Estamos falando em 1979. Dali saltou para o SBT de Sílvio Santos, alterando o nome do programa para o expressivo título de O Povo na TV. Para dar uma ideia do êxito de audiência, basta dizer que alcançava uma média de 14 pontos, só perdendo, na faixa vespertina, para os 20% da Rede Globo. Lançou personagens de êxito, de apelo popular, como Wagner Montes, sucesso até hoje, atualmente na tela da Record, Cristina Rocha, Ana Davis, além de Roberto Jeferson, cuja popularidade o levou à política. Em 1982, pela legenda do PTB, Jeferson, por coincidência, foi eleito deputado federal com pouco mais de 82 mil votos.Naquela eleição, Brizola elegia-se governador.

Foi ele, Wilton Franco, quem realizou o primeiro debate reunindo Brizola, Moreira Franco, Miro Teixeira, Sandra Cavalcanti e Lisâneas Maciel. O confronto promovido pela Globo veio depois.
E foi decisivo para a vitória de Brizola.

O Povo na TV, apesar de seu sucesso de audiência, saiu do ar não se sabe por que, já que acentuava e se ajustava à trilha marcadamente popular, linha traçada e razão do sucesso de Sílvio Santos. Meses depois retornou, mas se manteve por pouco tempo. Wilton Franco passaria a dirigir novamente Renato Aragão em Os Trapalhões, na Globo. Na sequência, o destino o levou ao Parque Beto Carreiro, Santa Catarina. Integrava sua direção até poucos dias.

Hoje, seu nome passa ao universo da memória e da lembrança. Deixa uma forte memória e uma forte lembrança, vale frisar. Foi um desbravador, um simplificador de mensagens, mas sobretudo deu voz, vez e inclusive voto à população pobre do Rio de Janeiro. Foi o homem que chamou atenção para um mercado de opinião e informação que não recebia atenção à altura de sua importância social e econômica. Muitos programas surgiram percorrendo a trilha que descobriu, descortinou e iluminou com seu talento.

É sempre assim. Alguém surge abrindo uma perspectiva nova. Foi exatamente este o caso de Wilton Franco, de quem fui amigo e também de seu filho André. Diretor de Comunicação da antiga Legião Brasileira de Assistência, participei de vários de seus programas, através dos quais pudemos mobilizar as comunidades carentes para o acesso ao registro civil, alimentação, à rede de creches e assistência a crianças com necessidades especiais.

Neste adeus a Wilton Franco, desejo apenas lhe fazer justiça como um dos comunicadores importantes da televisão brasileira.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *