Combate à pandemia poderá receber R$ 2 bilhões do fundão eleitoral

Bolsonaro e Alcolumbre terão que definir transferência dos recursos

Adriana Fernandes e Rafael Moraes 
Estadão

A juíza Federal Frana Elizabeth Mendes, da 26ª vara Federal do RJ, deferiu liminar para determinar que o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, decidam até esta terça-feira, dia 31, se os recursos destinados ao FEFC – Fundo Especial de Financiamento de Campanha serão usados para medidas de combate ao coronavírus.

Se expirado o prazo, o juízo poderá determinar diretamente a medida”Não é demais salientar que ao Poder Judiciário não é dado formular políticas públicas, ainda mais em matéria tão sensível quanto a orçamentária, o que dá conta de quão inconstitucional e antinstitucional é a decisão”, sustenta a AGU no recurso.

FUNDÃO – O fundo tem R$ 2 bilhões para serem usados nas eleições municipais deste ano. A liminar atende pedido de ação popular apresentada pelo advogado Sergio Antunes Lima Junior. A deliberação pelo Congresso deverá ser realizada pelo plenário virtual. A liminar foi concedida pela juíza Federal Frana Elizabeth Mendes, da 26ª vara Federal do Rio de Janeiro.

Em permanente atrito com o Congresso, o presidente Bolsonaro e aliados, desde o início da crise de saúde provocada pela pandemia da Covid-19, têm sugerido aos congressistas que destinem o dinheiro do fundo eleitoral para medidas de enfrentamento dos impactos negativos do alastramento do vírus no Brasil.

Na decisão, a juíza argumenta que, num país de dimensões continentais como o Brasil, com mais de duzentos milhões de habitantes, “já tão castigado em situação de normalidade pela ineficiência crônica do sistema de saúde”, não pode haver recursos paralisados para futura e incerta utilização no patrocínio de campanhas eleitorais.

COMPARATIVO – Ela cita que o Brasil discute a alocação de recursos para o combate da covid-19 em um pouco mais de 2% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto em outros países o socorro alcança até 17%, como no Reino Unido e Espanha. “Nos EUA, a proporção já chega a 6,3% do PIB, podendo chegar até 11,3%, e na Alemanha e França, ao equivalente a 12% e 13,1% do PIB”, diz a juíza.

A AGU já recorreu ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região para derrubar a decisão, sob a alegação de que o entendimento da juíza “gerará uma situação de grave lesão à ordem pública e à ordem administrativa, interferindo de maneira absolutamente sensível na separação de poderes, usurpando competências legitimamente concedidas não só ao Poder Executivo, como também ao Legislativo (Congresso Nacional), colocando em risco a normalidade institucional do País”.

“Não é demais salientar que ao Poder Judiciário não é dado formular políticas públicas, ainda mais em matéria tão sensível quanto a orçamentária, o que dá conta de quão inconstitucional e antinstitucional é a decisão”, sustenta a AGU no recurso.

9 thoughts on “Combate à pandemia poderá receber R$ 2 bilhões do fundão eleitoral

  1. Percebe-se que Bolsonaro não tem pressa, nem muito interesse em liberar a grana com rapidez, mas a fome tem pressa. Os R$ 600,00 para atender os mais necessitados já eram para ter sido distribuídos.

  2. Destinar 2 bilhões de reais para fins eleitorais e deixar essa dinheirama nas mãos de homens públicos que jamais utilizariam discurso desse tipo para se eleger, seria o mesmo que pedir a luiz inacio para não ser mais ladrão.
    Ora, todos sabem que esse dinheiro era para encher os bolsos dos espertalhões que jamais imaginaram que viveríamos os dias de hoje, e certamente, alguns, somente alguns, poderão estar arrependidos, pois sabemos que a maioria está lá para nos roubar.
    Esse dinheiro tem que voltar já para beneficiar o povo brasileiro, e além disso, cortar os salários desses impostores que se não receberem por 4 ou 5 meses não passarão nenhuma privação.
    Unamo-nos brasileiros em nome da nossa sobrevivência!

  3. A Liminar concedida pela Juíza que dois bilhões do fundo eleitoral fossem devolvidos, ontem foi “sequestrada” por um desembargador, alegando que a Justiça não poderia se intrometer em outro poder.

    Mas, a justiça pode, sim, se envolver com outro poder para libertar os criminosos do legislativo!
    Mais:
    ainda autorizá-los a viajar pelo mundo, sob as expensas de pobres, miseráveis e desempregados.

    Não sei quem admite que o nosso judiciário possa ser denominado de “justiça”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *