Começar de novo, melhor do que prosseguir

Carlos Chagas

Mais do que o governo, quem enferrujou foi o poder público. O morador de Brasília percebe esse fenômeno cada vez que olha pela janela, vai para a rua ou busca completar a mais simples de suas necessidades. As empresas de transportes coletivos alternam greves e paralisações por conta no atraso no salário de seus funcionários. Os professores da rede pública, da mesma forma. A primeira tempestade da temporada deixa parte da cidade sem energia durante horas. O trânsito conseguiu ficar pior, a segurança pública anda em frangalhos, com assaltos sucessivos em plena via pública e nas residências particulares. A polícia desapareceu, mas sumiu também o governador derrotado em sua tentativa de reeleição. De seus secretários, nem se fala. Hospitais públicos deixaram de servir refeições aos doentes e pessoal de serviço. A falta de médicos é uma constante.

Trata-se de uma realidade exclusiva do Distrito Federal? Nem pensar. No país inteiro acontece a mesma coisa, tornando-se desnecessário referir a corrupção envolvendo empresas públicas e privadas, com ênfase para o desvio de bilhões de reais para o bolso de dirigentes de um lado e de outro, com a devida distribuição para partidos políticos.

Numa palavra, a falência das instituições tornou-se nacional, ou seja, governos estaduais e governo federal praticam uma ampla simbiose de desídia e até de crime, sem que nenhuma reação possa ser detectada. Em final de mandato, sem fazer caso das reeleições, presidente da República e governadores comportam-se como se nada lhes dissesse respeito.

Fazer o quê? A desobediência civil constitui uma tentação, mas o problema é que se todo mundo parasse de pagar impostos, mais aumentaria o caos. A alternativa seria ganhar as ruas, em protestos pacíficos ou não, mas quem mais ficaria prejudicado senão o cidadão comum? Apelar para o direito de voto e imaginar que tudo se resolveria com eleições não dá mais. Ainda em outubro o país abriu mão de usufruir desse direito. Não adiantou nada. Parte do eleitorado não se lembra em quem votou, o restante já esqueceu. Um grupo de energúmenos, felizmente em minoria, clama pela volta dos militares e da ditadura, despertando o repúdio generalizado da população.

Esperar que o Judiciário aponte uma saída seria mais ou menos como acreditar no Legislativo, ou seja, enxugar gelo ou ensacar fumaça. Aguardar auxílio da Providência Divina também não dá: seus variados e conflitantes representantes jamais chegariam a um consenso.

Sendo assim… Sendo assim, melhor faria a nação se prescindisse do poder público e ignorasse os governos. Talvez do recolhimento coletivo venha a solução, numa volta aos tempos imemoriais das tribos e das famílias. Começar de novo pode ser melhor do que prosseguir.

2 thoughts on “Começar de novo, melhor do que prosseguir

  1. Se. Chagas, a desesperança já chegou ao Zé Povinho, seu artigo é uma análise do CAOS, pois, o que aí está é o CAOS, nada funciona, só a CORRUPÇÃO ESTÁ ALTANEIRA.
    Aqui no Estado do Rio, em 2006, denunciei os auditores ao TCE, e mandei o TCE fechar, pois, não serve para nada, e vou mandar de novo, afinal sou CIDADÃO, Conselheiro da Saúde em minha Cidade, apesar, do Conselho denunciar às “Contas”, o TCE, recomenda a Câmara de Vereadores, aprovar, o Presidente do TCE, ontem fez uma declaração na imprensa, que pinoquio fica com inveja, pois, na sessão da Câmara chegou mais uma recomendação de aprovação, e a saúde está no caos, apesar da Lei complementar 141/92 e Resolução 453/92-CNS.
    A Mídia diariamente, denuncia o CAOS, que mata e aleija o “Zé”, enquanto as “ortoridades, vão aos Sirios e D’ors, tratar uma simples “caganeira”, com tudo pago pelo “Zé” escorchado em impostos.
    O “Zé” trabalha na tentativa de construir um PAÍS, com 30 dias de férias, os vagabundos fingem que trabalham 8 meses, com todas as mordomias, e o “Zé” viaja para o trabalho como sardinha em lata, perdendo 6 horas no transito (olha o Rio, o caos está instalado).
    Quando o Sr, cita “Deus”, como creio N’ele, peço que mande um AVC (tenho escrito aqui no Blog) com sequela de paralisia total a esses energumenos, que infelicitam nosso POVO, roubando o “Cofre público” que significa: SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA,TRANSPORTE NO CAOS,COMO DIREITOS BÁSICOS DE CIDADANIA; ETC.
    Façamos nossa parte, para termos o Direito de rogar à DEUS SUA MISERICÓRDIA.
    QUE O PAI CELESTRIAL NO AMPARE.
    Ps. Os 3 poderes estão podres.

  2. Tem solução sim, professor. Vamos acabar com os partidos políticos e passar a escolha dos candidatos diretamente para o eleitor.
    Democracia já funcionava muito antes dos ingleses criarem os partidos, que só serviram para separar o povo em classes sociais e em ideologias irreconciliáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *