Comissão da Verdade ou Comisão do Silêncio?

Carlos Chagas

Um mês depois de instalada, faz o quê a Comissão da Verdade? Quantas vezes se terá reunido? Qual o seu plano de ação? Pessoas já foram convocadas para depor? Já depuseram? Documentos foram requisitados? Existe uma lista de antigos agentes do Estado suspeitos de práticas de tortura durante o regime militar, sendo investigados? Serão convocados os adversários da ditadura que praticaram lesões aos direitos humanos, como seqüestros, assaltos e assassinatos? Estão servindo de subsídio para as desconhecidas sessões da CV aqueles montes de livros editados e os relatórios produzidos a respeito dos anos de chumbo?

Mas tem mais, em termos de desconhecimento da organização de trabalho de seus sete membros: estão requisitando e consultando processos que tramitaram na Justiça Militar e na Justiça Comum? Vão deslocar-se para regiões determinadas, como o Araguaia e o Vale da Ribeira? O quartel da Polícia do Exército, no Rio? As antigas instalações do Dói-Codi, em São Paulo? Familiares dos desaparecidos foram contatados?

Só isso? Nem pensar. Sabe-se que os integrantes da CV tem à sua disposição um grupo de salas numa das dependências do Banco do Brasil, em Brasília, mas como cinco dos sete integrantes residem fora da capital federal, quando se reúnem? Hospedam-se onde? Recebem, cada um, 11 mil reais por mês, mas dispõem de outras mordomias? Carros oficiais? Passagens de avião cedidas pelo governo? Receberam telefones celulares blindados contra escutas clandestinas? Tem papel timbrado para correspondência? Quantos auxiliares foram requisitados: vinte, trinta, quarenta? Qual sua proveniência?

Não cessam as indagações. Haverá um dispositivo de segurança para todos? Só em Brasília ou em seus estados de origem? Receberam até agora ameaças de possíveis implicados nos atos de horror praticados no passado? Pelo telefone, por carta ou e-mails?

A quem a Comissão da Verdade presta contas? Ao Executivo, talvez o ministério da Justiça? Ao Congresso? Atrás de informações, liga-se o grupo à Polícia Federal, à Abin, ao ministério da Defesa?

Pelo jeito, trabalham em segredo, quem sabe discordando entre eles, quando sua finalidade seria ir desvendando claramente o passado a que o país tem o direito de conhecer. Só que o presente a cargo deles até agora permanece desconhecido. Seria por temor de represálias ou pelo vício de tempos anteriores, quando tudo era sigiloso, carecendo a sociedade de informações a seu próprio respeito?

Fechada, a Comissão da Verdade investiga fatos e pessoas que até agora mantém ocultos. Corre o risco de produzir relatórios tão a gosto dos decretos-secretos de décadas atrás, que só privilegiados podiam ler. O natural seria abrir à imprensa reuniões, diligências, depoimentos e conclusões parciais, deixando a opinião pública acompanhar e, assim, contribuir para o melhor desempenho do objetivo final. Por enquanto, com todo o respeito, é a Comissão do Silêncio.

###
ENFIM, O TRABALHO?

Depois de uma semana que se não foi de gazeta, chegou perto, segunda-feira Câmara e Senado retomam seus trabalhos. Segunda-feira? Certamente não. Mas na terça recomeçam os depoimentos de vulto na CPI do Cachoeira, como volta a atuar o Conselho de Ética do Senado.

Parlamentares que voaram para a China, a Itália e os Estados Unidos começam a voltar, no fim de semana, se não retemperados, pelo menos dispostos a cuidar da coisa pública. Trarão novidades aqueles que permaneceram em seus estados, em especial onde não se completaram as alianças partidárias para as eleições de outubro. Em suma, restabelece-se a normalidade no Congresso. Pelo menos até o fim do mês. Ou será que as festas de São João… (cala-te, boca).

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *