Como concretizar o projeto do governo para distribuir 600 reais a 25 milhões de pessoas?

TRIBUNA DA INTERNET | Archives | 2019 | agosto | Page 11

Charge do Valdo Virgo (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

O governo Bolsonaro pretende distribuir 600 reais por mês a 25 milhões de trabalhadores sem vínculo empregatício. Como será que realizará este projeto durante os três meses previstos? Destinar 40 bilhões de reais para que pequenas e médias empresas não constitui problema, tarefa fácil através dos registros existentes. Em contrapartida as empresas não demitirão seus empregados.

Mas distribuir diretamente 600 reais por mês a 25 milhões de pessoas é uma tarefa que exige um sério esquema de entrega do dinheiro, um suporte logístico. Afinal há problemas, a meu ver especialmente quanto a entrega dos recursos.

IDEIA EQUIVOCADA – Pensar que o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal podem concretizar essa distribuição é uma ideia equivocada. Seguir por CPF não é uma iniciativa eficiente. É preciso considerar que essas 25 milhões de pessoas, homens e mulheres encontram-se numa série de estados brasileiros. Depósito em conta bancária exige que os beneficiados tenham conta em seu nome. Isso não ocorre em grande parte dos casos. Portanto, o depósito em conta corrente enfrentará problemas.

Enviar cheques é extremamente problemático, ao logo de três meses, pelas contas do próprio governo, seriam 75 milhões desse tipo de pagamento. Tarefa impossível na minha opinião porque os cheques, pela lei em vigor, tem de ser nominativos. Então vamos dar uma olhada na hipótese de os alcançados pela medida comparecerem a bancos para receber o dinheiro.

ABRANGÊNCIA NACIONAL – A Caixa Econômica Federal por sua abrangência em todos os municípios seria o canal capaz de entregar a quantia nas mãos dos beneficiados. O Banco do Brasil poderia ser também outro caminho, mas de qualquer forma a tarefa é simplesmente gigantesca e exige um esquema bastante rígido.

Um esquema, por exemplo, capaz de identificar prontamente a iniciativa de pessoas apresentarem dados falsos. Os que defendem o projeto consideram inevitável a tentativa de fraude. Mas argumentam que o risco existe porém é melhor enfrentá-lo do que não destinar os 600 reais àqueles que necessitaram recebê-lo. No entanto, a dificuldade de implantar um projeto legítimo permanece em torno da iniciativa. 

INSCRIÇÃO VÁLIDA – O governo necessita divulgar como será feita a entrega de três parcelas mensais àqueles que passam a ter direito a elas.

No caso das pessoas possuírem algum outro benefício, como é o caso da inscrição no Bolsa Família, há necessidade de se evitar que recebam duplamente o benefício original daquele que será agora implantado. É verdade que muitas pessoas vão partir em busca dos 600 reais sem informar que recebem o Bolsa Família. Claro, o governo tem de impedir a duplicidade. Terá de confrontar pelo CPF para evitar o recebimento duplo.

Enfim, vamos aguardar o projeto concreto do governo, que terá que transformar a ideia em realidade. 

4 thoughts on “Como concretizar o projeto do governo para distribuir 600 reais a 25 milhões de pessoas?

  1. Me belisquem por favor, fica difícil ler a tititi, se o gov não da dinheiro é um bost…… se da dinheiro é um bost… porque foi pouco, e se da em uma boa quantidade. ele não vai conseguir entregar porque a logística é impossível inviável inexequível, e tudo mais, só resta dizer que só um imbecil pra pensar assim, mas como os nobres pensadores intelectuais da tititi não o são tenho de inventar uma palavra.

  2. Principalmente controlar as “rachadinhas”.
    É quase impossível evitar fraudes em um programa desta magnitude e com tão poucas ferramentas de controle.
    Se forem usar só os que estão no sistema, não atingirão o universo dos que realmente precisam deste auxílio.

  3. Caro Pedro do Coutto,

    Escrevi sobre esse problema ontem ou anteontem, de como organizar essa entrega do dinheiro prometido mensalmente.
    Se a intenção do governo é levar essas pessoas às agências da Caixa, o erro é oceânico, abismal.

    Colocará em circulação milhões de pessoas que irão se aglomerar no banco, transitando pelas cidades e correndo sérios riscos de contaminar ou ser contaminado pelo coronavírus!

    Trata-se de um crime hediondo, e de uma irresponsabilidade sem precedentes.
    Então qual seria a solução?
    Simples, Pedro do Coutto, simples:

    1 – dificilmente essa quantia chegará intacta às mãos dos necessitados;
    2 – boa parte dos 40 bilhões será “perdida” pelos inúmeros labirintos do poder;
    3 – e quem provará que essa quantia foi de fato distribuída pelas autoridades?

    Dito isso, deixei como sugestão que se usasse a logística insuperável do Exército:

    a – 200 mil soldados;
    b – milhares de veículos;
    c – quartéis em todo o território nacional;
    e – extremamente fácil, eficiente e eficaz, que os militares levassem aos rincões mais distantes e para os bolsões de miséria, alimentos!!!

    O dinheiro que será doado circulará no mercado.
    Logo, as empresas que devem estar fechadas deverão abrir para atender esse pessoal comprar o que está precisando.
    Fim do isolamento social, e salve-se quem puder do vírus!

    O Exército fazendo A SUA OBRIGAÇÃO de, no estado de calamidade pública, agir em defesa da população, iria ao encontro dela para evitar que saia às ruas, levando comida e água, material de higiene e medicamentos.

    Pedro, pensa comigo:
    De modo que a Caixa faça a distribuição desse dinheiro, 600,00 individualmente, a condição sine qua non é a pessoa ter o seu CPF, para verificar se o sujeito não recebe algum benefício, Bolsa Família, aposentadoria, seguro-desemprego …
    E quem não tiver documento algum, que milhares de pessoas não tem nada para se identificar??

    Pior:
    E quanto aos idosos, que terão de sair de casa para tentar conseguir esse auxílio, que não poderiam sair de seus casebres, vilas, favelas, comunidades … e também perderam seus documentos??!!

    Como se pode constatar, Coutto, há muita demagogia e crueldade com essa “preocupação” do governo para com os necessitados.

    Mais ou menos como me dizerem que tenho um milhão de dólares à disposição, mas devo buscá-lo no alto do Everest!!!!

    Logo, pobres, miseráveis, desempregados … continuarão sem qualquer auxílio, enquanto o Exército poderia atendê-las diretamente em suas casas, contribuindo para a saúde e defesa do cidadão, QUE É A SUA OBRIGAÇÃO CONSTITUCIONAL!!!

    No entanto, enquanto as FFAA estão bem resguardadas, na linha de frente estão os civis:
    médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, caminhoneiros, voluntários nas estradas oferecendo um prato de comida para os motoristas … em total inversão de funções e compromissos, que deveriam ser da obrigação dos militares!!!

    Além de termos um governo incompetente, mal intencionado, manda para a morte quem não produz, porque pertencente à plebe, à ralé, aos desafortunados!
    Mais:
    ainda lhes prepara uma armadilha mortal, ao obrigá-los sair de casa para buscar um auxílio financeiro, enquanto o mais importante seriam alimentos, água e remédios!!!!

    Aplaudo o teu artigo porque verdadeiro e incontestável!

    Abraço.
    Te cuida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *