Como desacelerar um gigante em movimento, como a China?

Pedro Jacobi

A mídia, volta e meia, propaga as mais grosseiras inferências sem a reflexão ou análise que a notícia merece. Graças a esse procedimento negligente, notícias de baixa qualidade atingem o leitor, podendo até causar o pânico aos menos avisados.

A última pérola, estampada em um website de mineração, sobre a China cita “não apenas uma desaceleração do crescimento, mas uma queda absoluta e substancial da demanda por commodities”.

Quem lê essa frase com certeza vai acreditar que o fim do mundo chegou e que a China, além de estar desacelerando mais rápido do que um Fórmula 1 na marca dos 100m, vai ter uma queda “absoluta e substancial” no consumo de commodities. Um leitor desavisado desta matéria com certeza vai acreditar que é o fim das empresas de commodities que vendem para a China.

COITADA DA VALE…

Já para nós do Portal do Geólogo que lidamos com essas notícias, dia após dia nos últimos 12 anos, tudo não passa de mais uma inferência grosseira entre as muitas que foram feitas nesta década.

Notícias sobre a desaceleração da economia chinesa e sobre o fim do mundo são mais comuns do que se possa crer. Esta é apenas mais uma delas.

Uma coisa que aprendemos na física, sobre as leis da inércia, é que é muito difícil desacelerar um gigante em disparada. Um corpo em movimento tende a permanecer em movimento (Newton).

A China é esse gigante que vem crescendo sistematicamente conforme o gráfico ao lado. Parar um crescimento desses, mesmo se desejado, nunca será assim tão fácil como querem os arautos do fim do mundo. Ainda mais quando estão sendo desenvolvidos inúmeros esforços no sentido contrário à desaceleração.

FIM DO MUNDO…

As notícias da desaceleração se tornaram mais comuns desde 2012, quando no terceiro trimestre a China cresceu “somente” 7,4%. Na época isso foi considerado o prenúncio do fim do mundo e várias notícias sensacionalistas como a de hoje, inundaram a mídia contaminando as decisões dos investidores.

No entanto, três meses depois, tudo mudou e a China voltou a crescer 7,9% e a média foi recomposta.

Agora o mesmo desespero volta à baila já que o crescimento chinês no terceiro trimestre foi de “apenas” 7,3%, o que prenuncia um crescimento médio para 2014 de “apenas” 7,4%. Será esse o fim do mundo que estão alardeando?

PONTOS FUNDAMENTAIS

É só observar alguns pontos fundamentais, divulgados por várias entidades governamentais, listados abaixo, que a tese do fim do mundo nos parece muito distante, puro sensacionalismo.

-As importações de minério de ferro em 2014 deverão atingir 940 milhões de toneladas, um crescimento de 14,7% em relação a 2013.

-Os preços do minério de ferro não cairão abaixo de US$60/t

-A Comissão Nacional do Desenvolvimento e Reforma aprovou um orçamento de US$114 bilhões para a construção de ferrovias e aeroportos. Isto deverá impactar as commodities. -As importações de minério de ferro em 2015 estão estimadas em 1 bilhão de toneladas, um crescimento de 6,4% em relação a 2014.

-A produção de aço doméstica deverá crescer em 2015.

-A demanda de aço também deve crescer em 2015 atingindo 720 milhões de toneladas.

– O setor da construção civil deverá crescer menos em 2015, mas espera-se que sejam usadas 395 milhões de toneladas de aço no setor, um crescimento de 1,28%

-A indústria de máquinas e equipamentos deverá consumir 144 milhões de toneladas de aço em 2015, um crescimento de 3% em relação a 2014.

-O setor de energia estará em crescimento com os investimentos nos gasodutos da Rússia e na produção do gás dos folhelhos. Estima-se que este setor consuma 33 milhões de toneladas de aço, um crescimento de 3%

-A indústria naval deverá consumir 3,8% mais aço.

-A China está fazendo o maior investimento do mundo, de US$400 bilhões na compra de gás da Rússia.

-A China está investindo até 2035 o montante de US$5,7 trilhões de dólares, o maior programa do mundo de energia o que vai mudar radicalmente o panorama econômico do gigante asiático com inúmeros desdobramentos em todas as áreas.

-Os preços do cobre subiram hoje melhorando o índice de desemprego nos Estados Unidos, graças a maior demanda da China, a maior consumidora do planeta.

CASO DAS COMMODITIES

Se quiséssemos poderíamos elencar vários pontos que desmentem categoricamente a premissa publicada de uma “queda absoluta” nas commodities.

É óbvio que em 2014 existe, realmente, uma desaceleração da máquina chinesa, que está passando de um crescimento de 7,5% em 2013 para 7,4% . Uma desaceleração de apenas 0,1% em uma locomotiva que está se tornando rapidamente na maior economia do mundo.

Se isso for o fim do mundo, o que pensar do PIB brasileiro que estava em 2013 previsto para crescer “apenas” 2% e que possivelmente vai emplacar um crescimento ínfimo de 0,19%… Será isso o fim do mundo?

(artigo enviado por Ricardo Sales)

7 thoughts on “Como desacelerar um gigante em movimento, como a China?

  1. É obrigatória, para as pessoas de bem, a leitura da reportagem do jornal O Globo de hoje sobre o banditismo petista na Bancoop. Apesar de ter comprado o seu apartamento Triplex no Guaruja em 2006, o Lula já recebeu o seu mimo, enquanto vários mutuários que adquiriram os seus imóveis em 2001 estarem a ver navios. Na declaração de rendas de 2006, Lula declarou ter pago um pouco mais de R$ 47 mil por esse mimo de 296 metros quadrado de frente para o mar. Fora o triplex do Lula, há vários cumpanherus com imóveis da Bancoop já entregues, o seu ex segurança e atual funcionário da Petrobras Spnoza, o Bargas e pasmem até a filha da Rose tem um ap. na Mooca. Leitura imperdível.

  2. Os Jornalistas adoram exagerar, para mais ou para menos, nas suas análises, para chamar atenção para o assunto e venderem mais NOTÍCIAS. O caso da China, primeiro e segundo maior Mercado Mundial da maioria das Commodities, não foge a regra. Agora, a análise do Sr. PEDRO JACOBI acima, representa a realidade e concordo plenamente com ela. Só temos que lembar um detalhe, as Commodities perecíveis ( Alimentos ) Carnes/grãos etc, sofrem menos elasticidade de Preços, já as Commodities não perecíveis, minerais, madeiras, etc, devido a estocagem, sofrem bem mais elasticidade de Preços. É sabido que a China principalmente, mas todos os grande consumidores, fizeram grandes estoques de Commodities não perecíveis. Isso deve ser levado em conta. Mas desde +- 2000 AC, quando os Phenícios faziam comércio internacional, que se observa isso. Variações cíclicas de Preços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *