Como se esperava, Lewandowski não tem pressa para julgar Renan Calheiros no Supremo.

Carlos Newton

No Supremo Tribunal Federal, o relator do processo contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) é o ministro Ricardo Lewandowski. Como Se sabe, o novo presidente do Senado está sendo acusado pela Procuradoria-Geral da República de ter praticado três crimes – peculato, falsidade ideológica e utilização de documento falso.

O documento com as denúncias foi apresentado ao Supremo na semana retrasada, mas nem mesmo essas graves acusações foram suficientes para inviabilizar a eleição de Renan Calheiros, vejam a que ponto de degradação chegou a política brasileira.

Segundo o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, os delitos foram cometidos quando Calheiros usou a verba de representação de seu gabinete para fins não previstos em lei. “Ele comprovou isso com notas frias. O serviço, na verdade, não foi prestado, por isso caracteriza peculato”.

Em entrevista à excelente repórter Débora Zampier, da Agência Brasil, Gurgel voltou a rejeitar a tese de que a denúncia teve motivação política e disse que o Ministério Público não podia ficar subordinado ao calendário político, por isso remeteu as denúncias ao Supremo uma semana antes da eleição para a presidência do Senado, marcada para a última sexta-feira.

“Havia duas alternativas: oferecer a denúncia antes, como eu fiz, ou aguardar para oferecer depois. Como certamente se afirmaria que o Procuradoria não teria oferecido a denúncia antes para evitar qualquer embaraço à eleição do senador Renan, então eu preferi apresentar antes”, disse o procurador.

Segundo Gurgel, a denúncia não foi apresentada no ano passado porque ele estava ocupado com o julgamento do mensalão, que dominou a pauta do STF durante o último semestre de 2012. “Se não tivesse o mensalão, provavelmente, essa denúncia teria sido oferecida antes”, disse ele à repórter da Agência Brasil

LEWANDOWSKI NÃO TEM PRESSA

O relator do processo, ministro Ricardo Lewandowski, disse ainda não tomou conhecimento da denúncia, que tem apenas 15 páginas, pois voltou de recesso sexta-feira. Também informou que não deve tirar o sigilo do processo porque há informações fiscais e bancárias confidenciais do senador e de outras pessoas envolvidas.

Lewandowski disse ainda que não pretende dar prioridade ao processo de Renan Calheiros, acrescentando que não há previsão para levar o caso ao plenário. “É um processo que será examinado normalmente dentro do cronograma de exame dos processos que tenho dentro do meu gabinete”, comentou.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Como se esperava, Lewandowski não tem pressa para julgar Renan Calheiros no Supremo.

  1. A que ponto membro do Judiciário chegou! De tanto vir denegrindo a imagem desse respeitado Poder acabou por receber a desairosa pecha de “chicaneiro”(também considerado tramoia, trapaça no Dic. Evanildo Bechara), frase proferida em alto e bom som no plenário por seu superior imediato. Isso é humilhante para qualquer cidadão, mormente para um membro da mais alta corte, porque perde a pouca moral que ainda pudesse ter junto à população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *