“Como vais, homem? Ainda tentando?”, indaga o poeta Evanir Fonseca, num diálogo com a Mãe Natureza

Mãe Natureza Gaia

Concepção artística (Arquivo Google)

Paulo Peres

Poemas & Canções

 

O advogado, administrador de empresas e poeta carioca Evanir José Ribeiro da Fonseca (1955-2017), no poema ”Clamor”, idealizou um diálogo entre o homem e a natureza.

 

CLAMOR
Evanir Fonseca

Como vais, homem?
Ainda tentando?

Não desistas,
mas de antemão digo-te:
mesmo que uses
mãos, pés e ouvidos
sob sentidos e inspirações
criando máquinas,
novas imagens e sons,
nunca me imitarás.

Pois te criei,
te dei luz e sentidos.
Fiz as cores não de tinta,
mas de sentimento.
O som, não do barulho,
mas do clamor da beleza natural,
que pede para ser ouvida.

Como vais, homem?
Ainda tentando?

Tenta, mas peço-te:
preserves minhas obras-primas,
não silencies a beleza natural,
criei-te, mas não destruas
a minha imagem que está em ti.

Tu és homem.
Lembra-te:
as máquinas não amam,
teus quadros não têm aroma,
teus sons não voam,
não correm e nem morrem.

Tu és homem,
eu a natureza.
Ama-me como te amo.
Ajuda-me que criarás.

2 thoughts on ““Como vais, homem? Ainda tentando?”, indaga o poeta Evanir Fonseca, num diálogo com a Mãe Natureza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *