Congresso adia decisão sobre a CPI da Petrobras.

Pedidos de criação de duas CPI's foram lidos em Plenário - André Dusek/Estadão
Débora Álvares 
O Estado de S. Paulo

Brasília – O Congresso Nacional prorrogou mais uma vez a decisão sobre a instalação da CPI da Petrobrás. Em uma frente, o Senado adiou para semana que vem a votação do relatório que defende uma investigação ampliada – incluindo apurações sobre o cartel no Metrô de São Paulo e o Porto de Suape, em Pernambuco. Já os deputados aproveitaram a sessão conjunta das Casas e apresentaram questões de ordem, após a leitura dos pedidos de criação de comissões mistas – uma ampla e outra que investigue apenas a Petrobrás.

O presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), a quem cabe bater o martelo sobre os questionamentos, disse que dará um parecer “oportunamente”, mas destacou estar à espera de uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre os rumos da CPI.

A ministra Rosa Weber tem em mãos dois recursos sobre o assunto: um da oposição, que pede a instalação da CPI exclusiva da Petrobrás, e o outro apresentado por governistas, com questionamentos sobre a conexão entre os fatos a serem investigados. A expectativa é que ela se posicione até terça-feira.

Caso isso não aconteça, o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE), já avisou que vai entrar com outro mandado de segurança no Supremo.

“Como há expectativa em relação à decisão do Supremo, não adianta precipitarmos. Não adianta colocar a decisão do plenário acima (do STF)”, disse Renan Calheiros.

COMPASSO DE ESPERA

O adiamento conta com a concordância da oposição que, descontente com a possibilidade de que acabe instalada uma CPI ampliada, prefere aguardar o posicionamento de Rosa Weber. “Não vejo problema em deixar para semana que vem. Se essa for a decisão do governo, não vamos criar dificuldade”, disse o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG), que defende uma CPI exclusiva da Petrobrás.

As denúncias contra a Petrobrás estimularam a criação de quatro Comissões Parlamentares de Inquérito – duas de iniciativa da oposição e duas bancadas pelos governistas. A oposição defende investigações exclusivas da estatal, com objetos idênticos nos dois pedidos de CPI: uma só do Senado e outra, mista. O governo, por sua vez, protocolou pedidos de comissões com objetos ampliados, que abrangem além da Petrobrás, assuntos indigestos ao PSDB e ao PSB.

No Senado, depois que Renan mandou a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) decidir sobre a abrangência das investigações, prevalece a CPI ampla, como quer o governo. Contudo, a decisão da CCJ ainda precisa ser analisada em plenário.

One thought on “Congresso adia decisão sobre a CPI da Petrobras.

  1. Nessas alturas não precisamos do imoral e desonesto Senado para que a CPI da Petrobrás se instale.
    Aqui mesmo, na Tribuna da Internet, excelentes comentaristas estão nos fornecendo dados importantíssimos, tanto no aspecto econômico quanto político sobre a nossa maior estatal, ainda.
    Os números apresentados pelo brilhante Wagner Pires e outro artigo de suma importância que será publicado agora pela manhã neste espaço democrático e informativo, teremos à disposição um conjunto de fatores que, DUVIDO, a CPI conseguiria apurar, diante da proteção que haveria na preservação de nomes importantes e que jamais poderiam ser vinculados a esse escândalo de proporções gigantescas, mais um, diga-se de passagem, protagonizado pelo PT!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *