Conhece algum ‘Troll’, tipo de internauta que se dedica a perturbar debates na web?

Franklin Oliveira

Na gíria da internet, Troll caracteriza uma pessoa cuja intenção é provocar emocionalmente os membros de uma comunidade através de mensagens controversas ou irrelevantes. Com isso, ele consegue interromper uma discussão sadia e causa conflitos entre os participantes, fazendo com que o objetivo principal do tópico saia de foco.

O Troll atua em lugares onde existe uma grande concentração de pessoas envolvidas em algum debate potencialmente polêmico. Eles agem em comunidades do Orkut, listas de discussão, fóruns, blogs, chats, e até em jogos online.

Geralmente, eles procuram lugares onde os riscos de ver sua identidade associada aos seus atos é minimizado. No Orkut, por exemplo, eles atuam com perfis falsos (fakes) e percorrem a rede semeando a discórdia dentro das comunidades.

Existem Trolls de todos os tipos, desde os mais estúpidos que não economizam nos palavrões, até os mais aptos intelectualmente. Eles se divertem com a reação indignada de outras pessoas e sentem prazer em saber que causaram polêmica. Em alguns casos, as pessoas envolvidas perdem a paciência e chegam a se envolver em agressões pessoais.

MUITO CRIATIVOS

Os Trolls costumam ser bastante criativos e levam as pessoas à loucura quando “mordem a isca”. Alguns procuram brechas nas regras da comunidade e utilizam isso para fazer seu ponto de vista ser aceito. Veja mais exemplos de sua atuação abaixo:

Alguns só querem ver o circo pegar fogo – O Troll inicia um tema polêmico esperando que grupos com opiniões opostas discutam sobre o assunto. Ele apenas põe lenha na fogueira e assiste o resultado sem participar efetivamente da discussão.

Baixando o nível – Mesmo sendo intelectualmente inferior ao restante dos membros, o Troll consegue fazer com que a pessoa apele para a baixaria com xingamentos e ameaças. Dessa forma, sua vítima se autodenigre diante do resto da comunidade e perde a razão.

O Troll intelectual – O mais comum. Ele se utiliza de um vocabulário rebuscado para se autoafirmar diante da comunidade e ganhar status. Além disso, ele costuma corrigir e questionar a formação acadêmica dos colegas para ridicularizá-los.

Insistência – O famoso chato. Ele costuma repetir um conjunto de argumentos logicamente inconsistentes ou falhos até que a pessoa canse e pare de argumentar, ganhando a discussão por abandono.

Sobre o que estávamos falando? – Uma das coisas mais comuns é a troca de assunto. O Troll muda o foco da discussão diversas vezes até que mais ninguém consiga acompanhar o ritmo.

FALTA DO QUE FAZER

Existem diversos fatores que motivam uma pessoa a agir dessa forma. Pode ser por ideologia, fanatismo, autoafirmação, falta do que fazer ou por pura sacanagem. A maioria dessas pessoas possui algum distúrbio psicológico que pode ter sido causado por um trauma, fracasso ou impotência. Portanto, tome cuidado, eles podem se tornar bastante agressivos.

Apesar de existir alguns métodos eficientes para combater essa prática, o melhor jeito é ignorar. Eles não querem ser convencidos e não estão nem aí para a discussão em questão. Portanto, resista à tentação de tentar debater com eles, por mais que os argumentos, exemplos e comparações pareçam errados e provocativos.

TEMAS POLÊMICOS

Além disso, procure evitar assuntos reconhecidamente polêmicos como política, religião, futebol, música, etc. (exceto quando esse é realmente o tema em questão). Caso você identifique algum ato suspeito, procure informar ao moderador da comunidade sobre o ocorrido. Isso é muito mais eficaz do que alimentar as provocações e, ainda, nega ao Troll o que ele mais procurava: a polêmica.

Nem toda discórdia pode ser caracterizada como um ato Troll. Analise o contexto de cada situação e avalie o perfil do interlocutor. Caso você tenha dúvidas se uma pessoa está agindo com um Troll, pense que ela não é, tente ser educado e responda sem ironia. Indique a ela referências sobre o assunto e alerte sobre as regras da comunidade.

Algumas pessoas só estão perdidas e não possuem conhecimento suficiente para entender uma explicação, por mais simples que ela pareça. Tente referenciar este artigo para aqueles que insistirem demasiadamente, muitos podem não saber que estão agindo como Trolls.

E aí, você se considera um Troll?

15 thoughts on “Conhece algum ‘Troll’, tipo de internauta que se dedica a perturbar debates na web?

  1. Essa do Troll é boa e velha. Já vi isso no site CHAPA-BRANCA Carta Capital.

    E aquilo que só sabem fazer o pessoal do pensamento único que não aceita o contraditório e por isso , além dos rótulos de sempre para afastar o incômodo da verdade que lhes fustiga suas crenças, inventaram mais essa.

    PQP, tamos ferrados no atraso. E no atraso é isso: religiões e ideologias lavando facilmente o cérebro dessa gente, transformando-os em zumbis para linchar os pecadores, quero dizer os trolls.

    É inacreditável.

    ahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaaaaahahhahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahhaahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaaaaahahhahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahha

    essa foi de matar de rir.

  2. Definitivamente, aqui no Brasil e alguns países da América Latina, estamos na década de 20 do século passado, quando existiam correntes fortíssimas contra a democracia com o comunismo, o nazismo e o fascismo. Todos revolucionários de esquerda. Socialistas.
    Não aceitavam nada que os desmentissem em sua sanha da salvação de seus povos através do poder absoluto que infelizmente acabou se concretizando e deu no que deu.
    Fatos como esse de rotular aqueles que não aceitavam a situação dominante foi levado ao extremo como a eliminação física dos opositores, pelos fanáticos orientados por seus mentores a identificá-los como traidores, entreguistas, etc e agora Troll.

    ESTARRECEDOR

  3. Chato sempre existiu. É normal.
    O que não é normal estabelecer parâmetros para determinar o que são as pessoas. Boas ou más. Isto é censura. Falsa-moral.
    Nazismo, comunismo, fascismo.
    Preconceituoso.
    Muito mais nefasto que um chato.

    Falta de que fazer, misturado com falso-moralismo e ambição de mundo perfeito faz essas coisas. Ideologia.

    Cabeça vazia, oficina do diabo.

  4. Existe, também, o troll bolivariano. É a forma de atacar todos os que se manifestam contrários aos tipos de autoritarismo, principalmente àqueles que estão sendo implantados pelo Foro de São Paulo em alguns países das Américas do Sul e Central. Aí se estabelece a guerra de troll contra troll. E, nessa conversa do autor do artigo, todo mundo pode ser considerado um troll. Quem defende uma ideia ou ideologia, está trollando. Infere-se, pois, dessa teoria, que todos trollam. Uns mais, outros menos. O governo petista, por exemplo, que financia, via empresas estatais, os milhares de fakes contratados para trollar, é o que mais pratica o troll. Só que esse pessoal bolivariano quer trollar sozinho. Não suportam o contraditório. Aí, é como o Lobão disse, discutir com petista é como jogar xadrez com pombo: derrubam as pedras, cagam no tabuleiro e ainda estufam o peito cantando vitória.

  5. s denúncias de Veja a Romeu Tuma Jr… tempos atrás

    dom, 08/12/2013 – 15:34

    O Escritor
    AS DENÚNCIAS DE ROMEU TUMA JÚNIOR
    Para quem quiser conhecer um tempo em que a “Veja” tratava Romeu Tuma Júnior como bandido, autor de “incontáveis delinquências”:

    http://veja.abril.com.br/120510/muambazinha-nao-doi-p-080.shtml

    http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/governo/o-patrimonio-modesto-de-tuma-jr/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/pai-de-tuma-jr-confia-nele/

    http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/governo/as-diarias-de-tuma-jr/

    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/o-silencio-da-oposicao-podera-abencoar-o-pecador-debochado-2/

    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/tuma-junior-nao-pode-continuar-no-gabinete-que-desonrou/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/a-hora-dos-falastroes-presidente-da-oab-sp-defende-permanencia-de-tuma-jr-no-cargo/

    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/tuma-junior-levou-mafioso-chines-viagem-oficial

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/caiu-ministerio-da-justica-diz-que-tuma-jr-vai-se-licenciar-do-cargo/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/tuma-jr-tenta-empregar-genro-reprovado-em-concurso/

    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/sanatorio-geral/delegado-sem-rumo/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/empresa-doou-r-50-mil-para-tuma-junior/

    Destaca aí CN.

    A matéria desta semana é um desenvolvimento de um post de Reinaldo Azevedo publicado em 6 de maio de 2013:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/tuma-jr-conta-como-ministros-do-stf-foram-grampeados-gilmar-mendes-nao-foi-o-unico/

    Não teve nenhuma repercussão, naqueles dias.

    • Por isso que a Veja é uma boa publicação. Seja qualquer governo ela critica.

      No mais, agora, se o livro de Tuma Jr. não for uma picaretagem como o livro da privataria de Amauri Jr. e contiver denúncias que puderem ser provadas, o dispositivo legal deve tomar as devidas providências.

Deixe uma resposta para Paulo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *