Consultoria para intermediar empréstimos? Essa não

Pedro do Coutto

Dificilmente alguém na esfera econômica vai se deparar com uma situação mais absurda da que existir uma empresa –Sacris Consultoria- cuja atividade volta-se para intermediar empréstimos consignados em folha entre servidores do Senado e diversas bancos, entre eles a Caixa Econômica Federal, segunda agência financeira do país, e o HSBC, estabelecimento de primeira linha, inclusive patrocinador do Jornal Nacional da Rede Globo. Quase impossível acreditar, mas é verdade.

Agravando o panorama, já envolto por uma sequência de escândalos, a Sacris Consultoria tem como um dos sócios José Adriano Cordeiro Sarney, neto do presidente do Senado, e ex presidente da República José Sarney. Ele mesmo. A matéria, objeto de excelente reportagem de Rodrigo Rangel e Rosa Costa. O Estado de São Paulo de ontem, 25/06, focaliza os porões de crédito consignado, cujas articulações eram feitas diretamente pelo ex diretor adjunto da Câmara Alta, João Carlos Zeghbi, evidentemente em sintonia com o ex diretor geral, Agaciel Maia. Incrível, absolutamente incrível.

Espanta, sobretudo, a presença do HSBC e da CEF na engrenagem, ao lado de bancos menores como o Fibra, Daycoval, Finasa e Paraná Banco. A que ponto chegam as coisas. A que ponto chega a volúpia do lucro fácil e escancarado. Desde quando, estabelecimentos de crédito necessitam de intermediação para liberar créditos pessoais? Desde nunca. Basta ver que o volume de empréstimos circulando no país atinge 1 trilhão e 100 bilhões de reais. Cifra inclusive acima da massa salarial paga por ano, que é de 800 bilhões. Então, qual a explicação para o fenômeno? Não existe. Significa um claro atentado à lógica. Os próprios bancos abrem linhas de crédito a torto e a direito.

Recorrem a intermediários? Só os que aceitaram negociar com o Senado Federal e sua administração, agora substituída, tantos e tão graves acusações pesam contra ela.

Mas Agaciel e Zoghbi são funcionários. Como os senadores podiam desconhecer os passos que moviam, nas sombras, à margem da Mesa Diretora do túnel do tempo que divide as Casas do Congresso? Ninguém poderá acusar o senador José Sarney de conivência, claro. Mas sim de omissão. Será que pessoa alguma entre as tantas de sua amizade pessoal não levou a ele os fatos que estavam se passando? A pergunta fica no ar.

Mas ela independentemente da resposta, acentua a falta de nitidez que, em Brasília, no Parlamento, divide a linha do público e do particular. Para muitos, essa linha não existe. Passa-se de um lado para outro, sempre com prejuízo do interesse coletivo, com a maior facilidade e rapidez. O déficite, tão moral quanto financeiro, sobretudo ético, vai se acumulando ao longo do tempo. Os casos são infindáveis. A cada dia que passa aparece um novo episódio a emergir das águas do lago que embeleza a Praça dos Três Poderes. Os desonestos moviam-se com a leveza  dos cisnes que lá estão.

Na véspera do escândalo da presença do José Adriano Cordeiro Sarney entre os sócios da Sacris Consultoria, desvendou-se a existência de contas secretas operadas pela administração do Senado junto à Caixa Econômica Federal. Os objetivos de tais contas, suas movimentações e destinos, ainda estão por ser reveladas. Dificilmente poderá ser. Caso contrário, não haveria a necessidade de tais contas serem ocultas. No meio de tal vendaval, torna-se precária a posição do senador José Sarney na presidência do Poder Legislativo. Ele  próprio haverá de reconhecer que, pelo menos, chegou a hora de se afastar e sair do palco central da crise. Caso contrário, sua biografia, pela qual tanto se empenha, será tisnada por ele próprio. Intermediação para conceder empréstimos pessoais? Essa não.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *