Contas pblicas tm rombo de R$ 64,5 bilhes em setembro e dvida supera 90% do PIB

Rombo no teto fiscal

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Alexandro Martello
G1 Braslia

As contas do setor pblico consolidado registraram um dficit primrio de R$ 64,559 bilhes em setembro, informou o Banco Central nesta sexta-feira (30). Os nmeros englobam as contas do governo federal, estados, municpios e empresas estatais.

Com isso, a dvida bruta do setor pblico, uma das principais formas de comparao internacional (que no considera os ativos dos pases, como as reservas cambiais), superou a marca indita de 90% do PIB no ms passado (veja detalhes mais abaixo).

GASTANDO DEMAIS – O dficit primrio ocorre quando as receitas de impostos e contribuies do governo so menores do que as despesas. E a conta nem inclui os gastos com o pagamento dos juros da dvida pblica.

De acordo com o BC, esse foi o pior resultado para setembro desde o incio da srie histrica da instituio, em 2001. No mesmo perodo de 2019, o dficit fiscal foi de R$ 20,541 bilhes.

O rombo recorde est relacionado ao aumento de despesas diante da pandemia do novo coronavrus e queda na arrecadao, fruto do tombo na atividade econmica e do adiamento no prazo de pagamento de impostos.

PARCIAL DO ANO – No acumulado dos nove primeiros meses deste ano, as contas do setor pblico apresentaram dficit primrio de R$ 635,926 bilhes. O resultado tambm foi o pior j registrado para o perodo na srie histrica do BC.

Para este ano, havia uma meta de dficit para o setor pblico de at R$ 118,9 bilhes. Entretanto, com o decreto de calamidade pblica, proposto pelo governo e aprovado pelo Congresso Nacional por conta da pandemia, no ser mais necessrio atingir esse valor.

Em todo ano de 2019, as contas do setor pblico tiveram um dficit primrio de R$ 61,87 bilhes, ou 0,85% do Produto Interno Bruto (PIB). Foi o sexto ano seguido de contas no vermelho, mas tambm foi o melhor resultado desde 2014, ou seja, em cinco anos.

GASTOS COM JUROS – Quando se incorporam os juros da dvida pblica na conta no conceito conhecido no mercado como resultado nominal, utilizado para comparao internacional houve dficit de R$ 103,419 bilhes nas contas do setor pblico em setembro.

Em 12 meses at setembro deste ano, o resultado ficou negativo (dficit nominal) em R$ 990,996 bilhes, o equivalente a 13,74% do PIB valor alto para padres internacionais e economias emergentes.

Esse nmero acompanhado pelas agncias de classificao de risco para a definio da nota de crdito dos pases, indicador levado em considerao por investidores.

FATORES DE IMPACTO – O resultado nominal das contas do setor pblico sofre impacto do dficit primrio elevado, das atuaes do BC no cmbio, e dos juros bsicos da economia (Selic) fixados pela instituio para conter a inflao. Atualmente, a Selic est em 2% ao ano, na mnima histrica.

A dvida bruta do setor pblico brasileiro, indicador que tambm acompanhado com ateno pelas agncias de classificao de risco, subiu novamente em setembro.

Em dezembro do ano passado, a dvida estava em 75,8% do PIB, somando R$ 5,5 trilhes. Em agosto deste ano, j tinha avanado para 88,8% do PIB (R$ 6,38 trilhes) e, em setembro, atingiu o recorde de 90,6% do PIB, o equivalente a R$ 6,53 trilhes, informou o Banco Central.

###
NOTA DA REDAO DO BLOG
Esses nmeros transmitem um recado preocupante, no somente para o governo, mas tambm para o empresariado e o pblico em geral, da classe mdia para cima, porque a traduo simultnea desse dficit nominal pode ser chamada de aumento da carga tributria. No existe outra traduo. (C.N.)

10 thoughts on “Contas pblicas tm rombo de R$ 64,5 bilhes em setembro e dvida supera 90% do PIB

  1. U, mas no foi a prpria imprensa que pediu lockdown e distribuio de dinheiro? Esperavam que fosse acontecer o que? No era vidas agora e a economia a gente v depois?. Pois ento, agora chegou o depois.

  2. Pobre Classe Mdia Brasileira, que na ltima eleio presidencial, na qual restou eleito o (des)governo Bolsonaro/Guedes, deveria ter cada um de seus eleitores (soberanos da Repblica) ter dito ao votarem:

    “- Ave Bolsonaro et Guedes, morituri te salutant!”

    Recomendo assistirem ao Vdeo do Link a seguir, onde a Professora Maria Lucia Fattorelli e o Vladimir Brito fazem uma anlise oportuna do danoso contexto.

    https://www.youtube.com/watch?v=vn3KgeunFBo

    Bom Feriado ParaTodos!

    • Bolsonaro Zero Zero,ator como , durante a campanha usou Guedes para aparecer bem na foto com o mega empresariado.

      No poder,alm de no ter feito nada na rea econmica para reduzir o tamanho do Estado e o monstruoso gasto pblico,Nero (Guedes) deixa o cmbio correr solto (insensatez total) )
      massacrando o custo de vida das classes mais pobres.

      PS-Gasto pblico perdulrio e tamanho do Estado: esse foco a ser combatido j!

  3. aumento da carga tributria. No existe outra traduo. (C.N.)

    Sr. Newton, j esto aumentando aos poucos na calada da noite.
    Aqui no Tucanisto outra taxa j est “escondida” nas contas de gua.
    A coisa vai ficar pr l de feia.

  4. Essa crise est com os dias contados, irmos!
    Nessa composio que est sendo urdida entre Lula e Ciro, conceptualisticamente, deixa implcita uma parceria exitosa. Ciro Gomes nasceu em Pindamonhangaba (Fbrica de Anzol) com isca de Lula, forma um cardpio mais atrativo para fisgar eleitor pobreto do que Bolsa Famlia! Ou seja, pode-se comparar tambm: Ciro a serpente e Lula, a ma!

    • Acho que seria razovel imaginar os militares da ativa como Deuses que expulsariam do paraso Ado e Eva (Ciro e Lula). Digo militares da ativa para distinguir os que tm poder dos que deveriam estar criando galinhas ou cuidando das serpentes.

  5. Felipe Quintas (via Facebook)

    Outro anncio de 1989. Diferente do que a grande mdia sempre disse, a Odebrecht nunca foi simplesmente uma empreiteira (como se ser apenas uma empreiteira fosse demeritrio), mas um dos maiores conglomerados industriais do Brasil, 100% nacional, com um portflio bastante diversificado. Mais ainda: sem nunca ter aberto o seu capital em bolsas de valores, provando, assim, que no preciso estar ligado especulao financeira para produzir, empregar e desenvolver o pas, e que, fora dela, possvel obter melhores resultados dos pontos de vista empresarial e nacional.

    Criada em 1944/45 na Bahia, em plena Era Vargas e, no por coincidncia, fora do ncleo industrial paulista j bastante comprometido com interesses estrangeiros -, a histria da Odebrecht acompanha os caminhos e descaminhos do desenvolvimento brasileiro. Sim, desde que surgiu, ela se beneficiou bastante de contratos com o Estado como qualquer grande empresa em qualquer pas capitalista decente pois essa uma das funes do Estado, proteger e promover as empresas avanadas do seu pas. JK, ACM, Medici, Geisel, Lula e Dilma, entre tantos outros governantes brasileiros que estabeleceram parcerias com a Odebrecht, no fizeram em relao a essa empresa nada diferente do que os governos dos EUA, do Japo, da Alemanha, da Frana e da Sucia, por exemplo, sempre fizeram com as principais empresas dos seus pases.

    O que os liberais fizeram ento na Lava Jato? Em conluio com os EUA e para a alegria de vrios outros pases, usaram o Estado mais especificamente o Judicirio e o Ministrio Pblico, os setores mais privilegiados e improdutivos da mquina pblica para quebrarem a empresa privada mais dinmica do Brasil. Eles fizeram tudo o que eles dizem que os populistas e comunistas gostariam de fazer. Praticaram sem d nem piedade o patrimonialismo no sentido dado pelo liberal de ms intenes Raymundo Faoro que supostamente tanto combatem. Destruram empregos, famlias, localidades, a projeo internacional do Brasil, tudo. Liberalismo no ideologia poltica, arma de guerra contra a nao.

    https://www.facebook.com/felipe.quintas.1/posts/1447476908782892

    • S esqueceu de dizer que a Empreiteira Corrupta Odebrejo encheu o bolso de muitos corruptos e outros tantos amigos de corruptos.
      Que o diga os Irmos TucaPetralhas FHCorrupto e Luladro.

  6. Esses nmeros mostram que os brasileiros tem que voltar a trabalhar. Esse negcio de lockdown a persistir vai arruinar a nao. E ainda tem gente que defende o morcego chins.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.