Conversa com leitor, sobre transferência de votos e sobre a religiosidade de Serra e Dilma.

Luiz Ferreira:
“Helio, você que acompanha os fatos há muito tempo, considera que essa disputa Dilma-Serra pode ser comparada, em matéria de votos, ao que o Brizola fez para Lula em 1989. E houve alguma outra sucessão presidencial com transferência de votos vencedora?”

Comentário de Helio Fernandes:
Luiz, o Brasil teve poucas sucessões verdadeiras, muitas ditaduras, explícitas ou implícitas. Temos 121 anos de República. Vejamos as sucessões:

1 – 41 anos de 1889 a 1930, os presidentes escolhiam seus sucessores, comunicavam e passavam o cargo. (Nenhum presidente foi derrotado).

2 – 15 anos de 1930 a 1945, sem sucessão. Vargas teve três denominações. Chefe do Governo Provisório, presidente indireto, ditador.

3 – Em 2 de dezembro de 1945, não houve praticamente sucessão, e sim “prorrogação da guarda”. O marechal Dutra, tido e havido como o Condestável do “Estado Novo”, foi o sucessor.

Além do mais, a legislação era diferente. Qualquer cidadão poderia se candidatar a senador e ao mesmo tempo a deputado, por 7 estados. Vargas e Prestes se elegeram, tiveram que optar, ficaram com o mandato de senador.

Aqui no Rio, Distrito Federal, Prestes e Vargas se elegeram senadores e deputados, optaram pelo mandato maior. Renunciaram aos cargos de deputados, como os votos ficavam para os partidos, surgiram o que se chamou de “bancada de 400 votos”.

4 – Assim, foi eleito presidente o marechal Dutra, que não tinha a menor representação ou representatividade, Por causa da Segunda Guerra Mundial, o Brasil acumulou saldos enormes no exterior. Todos compravam no Brasil, “deixavam para pagar depois”.

O marechal Dutra, pessoalmente honesto, mas presidencialmente nefasto, desperdiçou esses créditos. Os norte-americanos, acostumados a comprar ouro pagando preço de matéria plástica e a vender matéria plástica recebendo preço de ouro, ficaram com tudo. Foram mais 5 anos perdidos.

5 – 3 de outubro de 1950, a volta de Vargas, pela primeira vez eleito. Mas não governou, não sabia, a não ser dominando tudo. As crises que vinham das discordâncias de 30/45, explodiram em 1954, levando à decisão genial e inédita, do suicídio e da Carta-Testamento.

6 – A primeira sucessão autêntica ocorreu em 1955, com Juscelino. Enfrentou o candidato do Poder, militar que vinha desde 1930, o general Juarez Távora, que era considerado o “Vice-Rei do Nordeste”. Mas perdeu. (Até mesmo lá).

7 – Estávamos então com 66 anos de República, era o primeiro presidente que não vinha de 1930, mas parcialmente participara da ditadura, como prefeito nomeado de Belo Horizonte. Foi também o primeiro presidente DIRETO nesses 66 anos, que terminava o mandato. Tentaram seduzi-lo com a REEELEIÇÃO, não aceitou, passou o cargo a Jânio Quadros, lançou a candidatura a novo mandato em 1965.

8 – Jânio Quadros, o “trêfego peralta”, desperdiçou 7 meses, queria mais, não conseguiu, tumultuou tudo, assumiu o vice João Goulart, “plantaram” o golpe de 1964, Portanto, de 1961 a 1985, mais 24 anos roubados do povo, das eleições diretas, das sucessões.

9 – Na verdade, a História brasileira esteve para mudar fundamentalmente em 1989. Se Brizola tivesse ido para o segundo turno, teria sido eleito. Não aceitou as ponderações para visitar mais São Paulo, perdeu para Lula por meio ponto, ficou furioso, chamou-o publicamente de “sapo barbudo”, viajou para o Uruguai, Voltou, não tinha saída, apoiou Lula, mas não transferiu votos, se tivesse transferido, Lula teria ganho. Só iria ganhar em 2002, na quarta tentativa.

***

PS – Como você está vendo, Luiz, é a primeira sucessão verdadeira, mas sem nenhuma verdade reconhecida nas urnas. Pelo menos, não no primeiro turno.

PS2 – Já houve (sem que isso seja uma aprovação, nem cabe ao repórter aprovar e sim registrar) uma transferência colossal de Lula para a candidata-poste que ele mesmo escolheu.

PS3 – Lula já disse publicamente que “houve descuido e salto alto, no primeiro turno”. Prova de que acredita na vitória agora.

PS4 – Como não votei e não votarei em nenhum dos dois, posso dizer: “Como é que Serra pretende VENCER, defendendo as DOAÇÕES-PRIVATIZAÇÕES, com prejuízos calculados entre 10 E 17 TRILHÕES?

PS5 – Reforçando a campanha, mostrando uma foto da primeira comunhão? Como Serra está com 68 anos, a primeira comunhão, a convicção e a foto, inteiramente D-E-S-B-O-T-A-D-A-S.

PS7 – Com Dilma ou Serra, é quase certo que voltaremos a Pedro Álvares Cabral. Como os dois são muito religiosos e vivem em igrejas, podem pedir a Deus, que pelo menos nos aproxime de Vasco da Gama e do caminho das Índias.

PS8 – Ainda mais agora que o Brasil faz parte do “BRIC”, que tem os dois, e mais a Rússia e a China.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *