Conversa com leitores: Crise da seleção, Dunga, TV Globo, Ricardo Teixeira e os interesses contrariados

Yuri Sanson:
“É incrível como as pessoas perdem a noção da responsabilidade de dar informação. Ela não pode estar vinculada a acordos, trocas, favores. Jornalista não tem amigo, nem inimigo. Tem fonte. Isso foi dito pelo PVC, da ESPN. Você concorda, Helio?”

Comentário de Helio Fernandes:
Isso é o dicionário, a Bíblia e a força maior do jornalismo. Além de concordar com o que você leu no PVC (Paulo Vinicius Coelho, ESPN), é preciso também preservar a fonte. Em 1963, fui preso incomunicável, o governo pediu 15 anos de prisão para mim.

O general Cordeiro de Faria, procurou meus advogados (Sobral Pinto, Adauto Cardoso, Prado Kelly e Prudente de Moraes, neto) e comunicou: “Quem deu a CIRCULAR CONFIDENCIAL do Ministro da Guerra ao Helio Fernandes fui eu, os senhores estão autorizados a publicar minha afirmação”.

Quando o ministro Ribeiro da Costa, presidente do Supremo, mandou que eu pudesse conversar com meus advogados, recebi o recado do general. E apesar de amicíssimos, respondi, sem arrogância, sem desprezo, sem petulância: “Não conheço esse general. Como a questão está tendo grande repercussão, ele quer aparecer”.

Fizeram apelos, eu não podia fazer coisa alguma, como iria entregar uma fonte? O general convocou entrevista coletiva, assumiu a responsabilidade, disse apenas: “Sou o informante do jornalista Helio Fernandes”.

Nada a ver, apenas para complementar: o governo estava tão furioso comigo, que pressionou o Supremo. Resultado: o julgamento terminou empatado de 4 a 4, o presidente Ribeiro da Costa desempatou, me absolvendo por 5 a 4 .

A seleção brasileira e a
questão dos patrocinadores

Guilherme:
“Em relação à má repercussão do tratamento do Dunga com patrocinadores como a Brahma, quero deixar claro: pra mim a Brahma morreu no dia em que passou a ser uma multinacional belga.”

Comentário de Helio Fernandes:
Concordo em gênero, número e grau. Não só a Brahma, mas todos esses aventureiros que exploram o Brasil, deviam ser enterrados, pelo menos econômica e financeiramente. Além do mais, a Brahma é uma droga, geralmente seduzindo a juventude.

Afinal, depois da Copa
Dunga será demitido da CBF?

Fabio:
“Baseado em suas análises, gostaria de saber: depois da Copa, ganhando ou perdendo, Dunga será demitido da CBF? Pergunto, por que acho que Dunga está atrapalhando as relações do Ricardo Teixeira com a Globo e os patrocinadores”.

Comentário de Helio Fernandes:
O Dunga não será demitido, pela razão muito simples de que seu contrato acaba no fim da Copa e não será renovado. Você acertou totalmente, meus parabéns: gente como Dunga atrapalha as negociatas e as relações de Ricardo Teixeira, Organização Globo e patrocinadores, que gostam do maior sigilo e conivência.

Duas informações para você, Fabio. 1 – Dunga já tem propostas de 5 clubes de ponta, da Europa. E como ele fala francês, inglês, alemão, espanhol e até japonês, é fácil conversar. 2 – Com 4 anos de antecedência, pode tomar nota: o treinador da seleção 2014, se chama Luiz Felipe Scolari. Campeão de 2002, não quis em 2006, agora pretende encerrar a carreira nessa condição.

“Galvão Bueno pisando nos
companheiros de trabalho”

Martim Berto Fuchs:
“Já não assistia mais esportes na Globo, para não ter que aturar o Galvão Bueno pisando nos companheiros de trabalho. Se passarem a boicotar a seleção, só eles têm a perder. Nem todos os espectadores são globais fanáticos.”

Comentário de Helio Fernandes:
Asssim como você, muita gente. No mínimo, no mínimo, colocam a imagem da Globo e o som de uma rádio importante. Mas a Globo já percebeu a tolice monumental que cometeu.

Para que tenham uma idéia
desse mundo midiático

Waldemar Penna Filho:
“ Helio, tomei a liberdade de encaminhar seu artigo para alguns amigos, com o seguinte adendo: Caros amigos, Segue o artigo do jornalista/analista H. Fernandes sobre o imbroglio Dunga, publicado hoje no seu blog. Repasso para que tenham ideia de como as “coisas” funcionam nesse mundo midiático, às vezes um mundinho mesmo. Para que os desavisados e/ ou incautos reflitam como essas coisas são plantadas pela mídia (em especial a poderosa “Organização Globo”). E quase que eu me deixo contaminar por isso, até porque Dunga, como exibido exaustivamente na tela, deixou a bola quicando muito na área.

Avaliem quando se trata das notícias plantadas nas outras áreas, como a política e economia, quando os interesses deles e de seus apaniguados estão em jogo. O jogo é pesado mesmo. Organização Globo, Abril (revista Veja) e outras não estão mesmo nem aí para os interesses do país e de seu povo, mas simplesmente com e para “os seus”, e ponto final.”

Comentário de Helio Fernandes:
Pode reproduzir tudo o que quiser, este é um serviço coletivo e cívico. Quanto ao que você comparou, o esporte com economia e política, magnífico. Vou dar apenas um exemplo de como esses interesses colossais são tratados.

Normalmente a Globo “denuncia” desfalques de prefeito do interior no total de 50 ou 100 mil reais. Mas não dá uma palavra sobre a DÍVIDA INTERNA (e a externa), que rouba dos brasileiros, 200 BILHÕES POR ANO. Um silêncio ensurdecedor.

Comentários negativos fazem
a Globo tirar enquete do ar

Luiz Alacarini:
“Caro Jornalista Helio Fernandes,isto não é uma análise, é pura constatação! O Globo, de segunda para terça, colocou uma enquete. Durante a madrugada os amestrados/manipulados “concordavam” com a posição da Globo. quando amanheceu e o lúcidos começaram a votar, eles tiraram do seu portal. Ha!Ha!Ha!”

Comentário de Helio Fernandes:
Meus aplausos, Alacarini, pela cirurgia perfeita que você fez na Globo, Tudo rigorosamente verdadeiro.

Que falta estão fazendo
alguns jornalistas esportivos

Raimundo Alvarenga:
“ Caríssimo jornalista, que falta fazem João Saldanha, Oldemário Touguinhó, Sandro Moreira, Mário Filho, Valdir Amaral, Jorge Curi, Nelson Rodrigues, Geraldo Romualdo da Silva, Ruy Porto, Afonso Soares, Doalcei Bueno de Camargo, Osmar Santos, Mauro Pinheiro, Pedro Luiz, Mário Moraes, Orlando Batista, Osvaldo Faria e tantos outros…

Os jornalistas e radialistas esportivos dos anos 50, 60, 70, 80 não podem ser comparados aos de hoje. Não é só pela qualidade. Eles eram e continuam sendo respeitados e referenciados pelos leitores e ouvintes pela forma como se expressavam com opiniões e prognósticos. Nem sempre acertavam, mas tinham a coragem para falar a verdade. O senhor é assim também: probo, corajoso, competente, independente, sério e um dos expoentes da mídia do Brasil. Existem as exceções nos dias de hoje, mas, a grande maioria opta por ficar na defensiva (em cima do muro), procurando agradar A, B ou C… Estão mais para palpiteiros de plantão. Viva Dunga e a seleção brasileira!”

Comentário de Hélio Fernandes:
Obrigado, Raimundo, pela lembrança e pela relação, mas que saudades. Alguns foram grandes amigos, outros, companheiros de jornadas inesquecíveis, trabalhamos e lutamos nas trincheiras de uma vida inteira. Quando a Globo nem existia. E na verdade eles pensam o contrário, mas ainda não existem.

Dunga, Jorginho, Kaká e
o “militarismo evangélico”

Paulo Becker:
“Todo o cuidado é pouco com o maniqueísmo emburrecedor com que nos assolam… A briga do Dunga é com a imprensa toda, não com a Globo; com a torcida e a democracia de um modo geral. A seleção é dele e de Deus, o militarismo evangélico acabou fazendo o seu sintoma. E ai de quem não marchar direitinho, fica clara a exclusão de alguns jogadores e o privilégio de outros por esses critérios. Porque o critério técnico ele tem direito de errar e acertar como todos.

E veio a terrível entrevista do Kaká, para confirmar. Mesmo que vocês achem, como eu, o Juca Kfouri um chato metido a gauche, ele denunciou o uso da seleção como merchandising evangélico, as camisas, treinos beneficentes etc… Um questionamento pertinente. E Kaká finalmente deixou escapar que tem mesmo uma lesão grave, que terá de ser resolvida após a Copa.

Mas o mais grave é quando ele diz que o Coletivo, substantivado, expressão que usávamos para as células das organizações clandestinas, decidiu que a relação com o público e a imprensa seria assim. Ora, este Coletivo simplesmente não tem o Direito de estabelecer isso, extrapola totalmente a questão técnica. A seleção é um bem público, embora não pareça. A sua dimensão político-institucional deve satisfação a todos o povo brasileiro e suas instâncias representativas; torcida-povo, imprensa e até governo, que gasta uma boa grana com ela. Estão pisando feio na outra bola.
Mas, embora não tenhamos um volante como Dunga, um lateral esquerdo como um Jorginho, e talvez nem um meia como o Kaká, ainda assim dá para ganhar!”

Comentário de Helio Fernandes:
Excelente, Paulinho, não esperava outra coisa da tua dignidade, formação e independência. Meus Parabéns.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *