Conversa com o almirante Bierrenbach

Bierrenbach, um homem de verdade

Bernardo Mello Franco
Folha

O almirante Julio de Sá Bierrenbach, que morreu na quinta-feira aos 96 anos, não gostava da esquerda e de esquerdistas. Em 1962, devolveu a Ordem do Mérito Naval em protesto contra a entrega da condecoração a Leonel Brizola. Em 2014, continuava a chamar de “revolução” o golpe que derrubou o presidente João Goulart.

As convicções não o impediram de contribuir para o fim do arbítrio da ditadura. Como ministro do Superior Tribunal Militar, ele denunciou a tortura e ajudou a desmontar a farsa que encobria os responsáveis pelo atentado do Riocentro.

Bierrenbach chegou ao STM em 1977. Na posse, disse que os presos deveriam ser intocáveis e que os interrogatórios precisavam de inteligência, não de violência. Três meses depois, defendeu a absolvição de um réu que havia sido torturado para confessar um assalto a banco.

CONTRA A TORTURA

“Já é tempo de acabarmos, de uma vez por todas, com os métodos adotados por certos setores policiais de fabricarem indiciados, extraindo-lhes depoimentos perversamente, pelos meios mais torpes, fazendo com que eles declarem delitos que nunca cometeram”, disse.

Em 1981, voltou a desafiar o regime ao contestar o arquivamento do caso Riocentro. Apontou “inúmeras falhas e omissões” no inquérito, que transformava em vítimas os militares que fizeram o atentado. “Não estamos aqui para fazer um julgamento de conveniência”, afirmou.

O almirante perdeu a votação, mas preservou a dignidade. No fim da vida, prestaria depoimento à Comissão da Verdade, ajudando a remover a farsa da história oficial.

Fui visitá-lo no ano passado, em Copacabana. Ele disse que os militares deveriam ter devolvido o poder aos civis em 1965, como prometiam, e não duas décadas depois. “Sempre fui contra o continuísmo dos generais”, afirmou. “Hoje fico satisfeito porque quem elege é o povo. Não é um regime ditatorial, sob o pensamento de uma só pessoa.”

 

2 thoughts on “Conversa com o almirante Bierrenbach

  1. “Em 2014, continuava a chamar de “revolução” o golpe que derrubou o presidente João Goulart.”

    Para quem interessar, em http://tribunadainternet.com.br/e-preciso-discutir-e-entender-a-importancia-da-reforma-politica/ comento explicando porque é mesmo Revolução o que houve em 1964 … e o nome adequado a ela é REVOLUÇÃO DO ROSÁRIO!!!

    Me baseio no Poder Moderador … existente em nossas Constituições!!!

    Abrs.

  2. A ditadura foi o padrinho dos Presidentes que tivemos após o regime.
    por isso estamos nessa situação, em um país rico que tinha tudo para
    dar ao seu povo um excelente padrão de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *