Cony e Drummond no calçadão de Copacabana, na manhã de 31 de março de 1964

A conquista da liberdade é algo que faz... Carlos Drummond de AndradePedro do Coutto

Num artigo na edição de O Globo de domingo, Bernardo Melo Franco, bisneto do senador Afonso Arinos, visitou o passado lembrando que, no dia 31 de março de 1964, o jornalista e escritor Carlos Heitor Cony e o poeta Carlos Drummond de Andrade caminhavam no calçadão de Copacabana quando forças militares ocuparam o Forte do Posto 6 e iniciaram prisões em série, tanto pelas ruas do bairro quanto em outros bairros da cidade.

E logo sentiram que o poder já havia se deslocado da democracia para a área militar.

ARTIGO FAMOSO – Carlos Heitor Cony escreveu no Correio da Manhã um artigo que ficou famoso: “Revolução de caranguejos”. No Correia da Manhã, também Carlos Drummond de Andrade começava uma série de crônicas denunciando no seu estilo fino o risco de ver a democracia indo para o espaço.

Alguns leitores podem estranhar Drumond no Correio da Manhã. Mas o fato é que ele só trocou o CM pelo Jornal do Brasil no final da década de 60.

Cony escreveu a série de artigos “O Ato e o Fato”, que o levou a prisão. O autor do clássico Quase Memória, na minha opinião, assumiu o papel que o destino reservou a Emile Zola no processo Dreyfus.

Cony foi profético: a concentração de renda veio a galope, a liberdade acabava. O retorno ao regime democrático custou 21 anos de história. Mas isso pertence ao passado.

É GRAVE A CRISE – No presente, a crise também se agravou e a prova está na reportagem de Cássia Almeida e Carolina Marim, em O Globo de segunda-feira. A reportagem teve base em pesquisa da Tendência Consultoria, que destacou que neste ano apenas os integrantes da classe A conseguiram 0,9% de avanço real. A classe A representa apenas 3,4% dos domicílios brasileiros. Trata-se do grupo cuja renda familiar parte de 19.400 reais mensais. A classe B, média, encontra-se na faixa de 6,2 mil a 19 mil de renda mensal.

A expectativa, revela a diretora da Tendência, Alessandra Ribeiro, é de que em 2021 esta classe perderá 2,4% de seus vencimentos. A classe C que recuou 0,9% em 2020, no próximo ano vai perder numa escala de 1,5% de seu rendimento. Por fim, as classes D e E, que atravessaram 2020 sustentadas pelo auxílio de emergência, vai recuar incríveis 15,4% em matéria de remuneração.

DUAS CAUSAS – As perdas são resultado do desemprego e de salários que perdem para a inflação. Em matéria de inflação faço uma pergunta ao IBGE e a FGV:

Por que o IPCA do IBGE assinala3,4% de inflação e a FGV, no IPM, acusa 25%. O período é o mesmo. De novembro de 2019 a 2020. Jamais se viu uma disparidade de tais proporções.

2 thoughts on “Cony e Drummond no calçadão de Copacabana, na manhã de 31 de março de 1964

  1. O grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO nos diz que a grande maioria dos Brasileiro foram a favor da Revolução Civil-Militar 64.

    Ela era para terem “arrumado a Casa” e depois manter a Eleição Presidencial DIRETA em 1965, ou se não desse tempo de “arrumar a Casa” até 1965, transferi-la para 1966 ou até 1967.

    Em vez disso o Regime de Exceção foi se prolongando, novos Atos Institucionais foram aparecendo culminando com o AI-5 13 Dez 68 quando até o grande Revolucionário Gov. CARLOS LACERDA UDN-RJ foi preso e cassado, e dali para a frente a maioria passou a ser Contra, e a coisa toda durou 21 Anos.

    A Recessão induzida pela pandemia Covid-19 tira Renda de todas as Classes com exceção dos da A que também não teveram muito ganho, 0,9%aa.

    A nosso juízo a diferença entre os Índices IPCA-IBGE e IGP-M FGV, medidos no mesmo período de tempo, é devido a desvalorização Cambial de +- 35% no Ano de 2020. O IPCA-IBGE não leva em conta o Câmbio, o IGPM-FGV, leva.
    Abração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *