Corregedoria do MPF abre sindicância para apurar conflito de procuradora com força-tarefa da Lava-Jato

Visita de surpresa da subprocuradora causou uma crise interna 

Rayssa Motta e Fausto Macedo
Estadão

A corregedora-geral do Ministério Público Federal (MPF), Elizeta Maria de Paiva Ramos, determinou nesta segunda-feira, dia 29, a instauração de sindicância para apurar ‘diligência’ da subprocuradora-feral da República, Lindôra Araújo, no QG da Operação Lava Jato em Curitiba.

A decisão atende a pedido de integrantes da força-tarefa, que acionaram a corregedoria depois que Lindôra, nome de confiança do procurador-geral da República, esteve em Curitiba para acessar ‘banco de dados’ das investigações do escândalo Petrobrás, que originou a Lava Jato, em 2014.

APURAÇÃO – Eles acusam a PGR de tentar obter informações e dados da operação ‘sem prestar informações sobre a existência de um procedimento instaurado, formalização ou escopo definido’. De acordo com a decisão, a apuração sigilosa será feita tanto pela ‘ótica do fundamento e formalidades legais da diligência quanto da sua forma de execução’.

Segundo o MPF, a sindicância também servirá para que seja esclarecida a existência de equipamentos utilizados para gravação de chamadas telefônicas recebidas por integrantes da equipe da força-tarefa, incluindo membros e servidores. Nesse caso, o objetivo é apurar a regularidade de sua utilização, bem como os ‘cuidados e cautela necessários para o manuseio’ do equipamento pelos responsáveis.

CRISE INTERNA – A visita de Lindôra, na semana passada, provocou uma crise interna que culminou na debandada de três membros do grupo de trabalho da Lava Jato na PGR. O grupo era responsável pela condução de inquéritos envolvendo políticos com foro privilegiado no Supremo, além de atuar em habeas corpus movidos na Corte em favor dos investigados e a negociação de delações premiadas.

A viagem da subprocuradora foi feita após Aras despachar ofícios aos procuradores cobrando informações sigilosas da operação, como mídias obtidas em quebras de sigilo e relatórios financeiros.

4 thoughts on “Corregedoria do MPF abre sindicância para apurar conflito de procuradora com força-tarefa da Lava-Jato

  1. TI,
    A legenda da foto está inadequada para o texto da matéria.

    Não informa que a pessoa exposta é a Subprocuradora-geral que visitou Curitiba a mando de Aras, podendo haver confusão achando que seja da Corregedora-geral.
    Abs

  2. Dados sobre a Petrobrás foram repassadas pelos EUA, sem as formalidades legais, portanto, tudo feito com interferência externa, logo, prejuízo à soberania e aos interesses nacionais.
    Tudo feito para gerar convulsão política e entre a população.
    Os aproveitadores da elite e da direita derrotada nas urnas, então, trataram de se acumpliciarem com as elites do funcionalismo público (porque pobre não é delegado, promotor e juiz) para passar a rasteira na mandatária eleita. Foi Golpe(!!!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *