Cortar o mal pela raiz

Carlos Chagas

Coincidência ou maldade dos deuses, mas foi durante a celebração do Dia Nacional Contra a Corrupção, quinta-feira,  que surgiu a denúncia da compra de votos de deputados pelo lobby dos bingos, visando aprovar  projeto de lei liberando o jogo no país. É preciso saber quem vende e quem compra para se  estabelecer  os padrões do relacionamento entre eles. Porque se os interessados na reabertura das casas de bingo fossem apenas  os  que também  pretendem a volta dos  cassinos, seria possível concluir pela viabilidade da proposta. Desde que, é claro, definidas  previamente as poucas cidades onde a roleta poderia girar, de preferência estâncias hidrominerais. Nessa hipótese, o lobby estaria botando dinheiro fora, desperdiçando recursos, já que a tendência majoritária no Congresso parece pela liberação limitada do jogo.

O perigo da volta  do bingo e  dos cassinos  está na simbiose dessas práticas com o crime organizado, em especial o narcotráfico. Os  proprietários são os mesmos.   Não se fala dos chefes de quadrilha instalados ou sendo postos para fora dos morros e periferias. Estes são apenas casos de polícia. Os verdadeiros  barões da cocaína e sucedâneos deveriam  ser objeto do Banco Central e da Receita  Federal, para começar. E se são eles que andam comprando deputados, é bom prestar atenção. Estendendo seus tentáculos até a Câmara,  por conta dos bingos e dos cassinos, na verdade estarão estabelecendo uma cabeça de ponte no Congresso para posteriores iniciativas relacionadas com a droga. Seria bom cortar o mal pela raiz através da identificação dos vendedores e compradores agora genericamente denunciados.

PRECIPITAÇÃO

O presidente Lula não perdeu tempo,  logo que começou a circular a informação de ter o governo do Irã libertado Sakineh Ashtiani. Deu declarações  elogiando o país dos aiatolás pela prática de justiça.  Com o desmentido e a evidência de que a indigitada senhora continua presa e condenada à morte, ficou desconfortável o primeiro-companheiro, em especial na visão dos Estados Unidos e outros países empenhados em acabar com o Irã.

É preciso saber quem induziu o Lula a erro. O Itamaraty ou o assessor especial, Marco Aurélio Garcia? Nenhum dos dois? Apenas o aparelho de rádio ou o computador ligado na internet?  De qualquer forma, fica a lição para Dilma Rousseff: questões de política externa exigem confirmação, antes da precipitação.

JUSTIÇA, MAS COM CUIDADO

Nada mais justo do que o Congresso reajustar os vencimentos do presidente da República, de 11 mil   para 26 mil reais. Mesmo com as despesas de moradia, transporte, alimentação e vestuário correndo por conta do poder público,  o chefe do governo tem direito a receber a  nova quantia, igual à que fazem jus os ministros do Supremo Tribunal Federal.

Deputados e senadores também estão aumentando seus vencimentos. Passarão a receber os mesmos 26 mil reais. O problema são os penduricalhos, ou pedregulhos. Chegam, somados os privilégios e benefícios, a quase 100 mil reais. É preciso cuidado, pois não haverá quem deixe de somar tudo, até o décimo-quinto salário, as ajudas de custo, as verbas para contratar assessores e abastecer  veículos.

ENGANOU O CARDEAL

Contava Leonel Brizola, com muita graça, o dia em que precisou enganar o cardeal de Porto Alegre, D. Vicente Scherer. Tendo dado o grito pelo cumprimento da Constituição e a posse do vice-presidente João Goulart, o então governador do Rio Grande do Sul mandou cercar o palácio Piratini  de metralhadoras e sacos de areia, lá instalando a Cadeia da Legalidade. Soube que a Aeronáutica recebera ordens para bombardear a sede do governo. A Brigada Gaúcha sugeriu que uma metralhadora pesada fosse instalada na torre da Igreja Matriz, ao lado do palácio.  Brizola supôs que o cardeal se negaria a permitir a instalação e, sem consultá-lo, mandou subir a metralhadora. Minutos depois vieram avisá-lo que D. Vicente estava na calçada, pretendendo ser recebido. Vinha protestar.

Como ninguém entrava no Piratini sem sua licença, recomendou que deixassem o prelado do lado de fora. Pela janela, viu que devido à idade D. Vicente sentara num saco de areia, disposto a esperar. Foi quando teve a idéia: pediu para  avisarem  a imprensa  que o cardeal  queria ser recebido pelo governador para  aderir à causa da legalidade. Indagado, D.Vicente não conseguiu negar, tamanho o entusiasmo dos populares ali reunidos.  Voltou para a catedral bufando, mas a metralhadora só saiu da torre quando o Exército aderiu e a ameaça de bombardeio passou. O cardeal jamais o perdoou…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *