Cortes do governo atingem aluguéis de diplomatas no exterior

João Valadares
Correio Braziliense

O ajuste fiscal da presidente Dilma Rousseff (PT), que prevê corte de gastos do governo e elevação de impostos para aumentar a receita, atingiu os servidores do Itamaraty, incluindo diplomatas que trabalham em postos no exterior classificados como A e B. A tesoura ocorre no subsídio da chamada Residência Funcional (RF). O Itamaraty gasta por ano US$ 64,54 milhões com auxílio-moradia e paga uma média de US$ 2,9 mil por contrato. Pela nova regra, dependendo do valor do aluguel, os servidores do Itamaraty que cumprem missão em cidades com melhor qualidade de vida vão ter de desembolsar até 30% do valor total.

A decisão, publicada em 8 de junho, já atinge aqueles que vão renovar os contratos agora. A chiadeira é grande, principalmente daqueles que têm filhos e desempenham papel de representação. Nesses casos, alegam que o imóvel precisa ter um bom padrão. Pela regra antiga, a pasta cobria 90% até o limite para cada posto. Era um incentivo escolher uma residência com um preço perto do teto estabelecido, uma vez que o funcionário arcaria com 10% do salário de qualquer maneira.

NOVO CÁLCULO

Agora, os cálculos mudam em razão do valor global da locação. O Itamaraty só se compromete em reembolsar integralmente a quantia paga se o servidor escolher morar numa residência cujo valor corresponda a até 70% do limite estabelecido por categoria funcional em cada posto.

O aluguel que se situar numa faixa acima de 70% e até 80% do teto, o funcionário terá que arcar com 10% do valor. Quando o contrato estiver acima de 80% e até 90% do limite, o desembolso do funcionário será de 20%. Aqueles que escolherem morar em locais com cifras acima de 90% do teto, o Itamaraty só se compromete com o pagamento de 70% do aluguel.

“Não queremos luxo. O fato é que estamos em missão diplomática. Eu tenho filho e não posso alugar um quarto e sala. Os preços aqui são exorbitantes. Fiz uma programação e já vou ser atingido agora”, afirmou um diplomata brasileiro que mora em Nova York.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Vejam que país surrealista. Paga auxílio moradia a todos os magistrados, mesmo os que têm casa própria na comarca, mas fica barganhando o aluguel dos diplomatas que o representam no exterior, depois de o governo Lula ter criado uma série de embaixadas totalmente desnecessárias. (C.N.)

5 thoughts on “Cortes do governo atingem aluguéis de diplomatas no exterior

  1. Depois, os governos Lula+Dilma+PT, ficam ofendidos quando são chamados de “Anão Diplomatico” e ainda não sabem por que o Brasil não tem assento permanente no conselho de segurança da ONU.

  2. UM PAÍS QUE TEM UM NÚMERO EXORBITANTE DE DEPUTADOS (FEDERAIS E ESTADUAIS), SENADORES, VEREADORES E “AUXILIARES/CONSULTORES” DE POLÍTICOS; QUE PAGA SALÁRIOS EXORBITANTES A JUÍZES, DESEMBARGADORES E CATERVA, NÃO PODE DEIXAR DE PAGAR AJUDA A FUNCIONÁRIOS QUE VIVEM (COM SUAS FAMÍLIAS) NO EXTERIOR, MUITAS VEZES EM PAÍSES ABJETOS E QUE NEM DEVERIAM EXISTIR, QUANTO MAIS POSSUIR UMA EMBAIXADA BRASILEIRA (FRUTO DO IMBECIL CHAMADO LULA). É ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIO QUE APAREÇA ENTRE NÓS UMA COISA RARÍSSIMA: UM LÍDER HONESTO.

  3. O ajuste fiscal de Dilma e PT só atinge o bolso dos outros, mas para pagar suite no hotel em frente ao central park nos EUA por R$ 11 000,00 pode, aonde está a austeridade do governo e fazer sua parte neste famigerado ajuste fiscal, é muita cara de pau da dona pedalada Dilma Rousseff.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *