CPI da Covid convoca novamente Pazuello e Queiroga, além de nove governadores

Marcelo Queiroga, sucessor do general Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

Queiroga e Pazuello são novamente convocados

André de Souza, Julia Lindner e Natalia Portinari
O Globo

A CPI da Covid aprovou nesta quarta-feira mais de 100 requerimentos, que incluem a reconvocação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, e do ministro Marcelo Queiroga, além da previsão de oitivas com nove governadores. Apesar da aprovação, ainda não há data para os depoimentos das testemunhas e nem todos precisam necessariamente ser chamados.

Os senadores decidiram reconvocar Pazuello e Queiroga para esclarecer contradições e inconsistências dos depoimentos anteriores. Os parlamentares também incluíram ex-assessores do Ministério da Saúde.

LISTA DE GOVERNADOES – Já o critério usado para a escolha dos governadores foi selecionar todos os estados que são ou foram alvo de investigação da Polícia Federal. Estão na lista Wilson Lima (AM), Hélder Barbalho (PA), Claudio Castro (RJ), Ibaneis Rocha (DF), Mauro Carlesse (TO), Carlos Moisés (SC), Eduardo Leite (RS), Antônio Oliverio Garcia de Almeida (RR) e Waldez Góes (AP). O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, também teve requerimento de convocação aprovado.

O nome do Claudio Castro, que é próximo da família Bolsonaro, foi retirado após discussões em reunião secreta para fechar um acordo sobre a lista de requerimentos. O argumento é que ele não estava no cargo durante as operações da Polícia Federal. A deliberação sobre convocação de prefeitos ficou para outro momento.

A convocação de governadores, defendida pelo presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), virou foco de divergência nos bastidores entre os senadores independentes e da oposição, que são maioria no colegiado. O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), e o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), consideram que a apuração vai desviar o foco do governo federal. Eles também argumentam que não faz sentido trazer representantes de estados que já são alvo de operações da PF.

WINTRAUB CONVOCADO – O ex-assessor especial da Presidência, Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub também teve requerimento aprovado.

Após senadores fecharem acordo em sala fechada para convocar alguns governadores, com foco naqueles que são alvo de operação da Polícia Federal, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) insistiu na convocação dos representantes dos municípios neste momento. O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), o chamou de “oportunista pequeno” por ignorar as tratativas do grupo.

— E os prefeitos, senador Omar Aziz, não vamos ouvir mesmo os prefeitos de capitais — questionou Girão.

GIRÃO OPORTUNISTA — “Vossa Excelência, o senhor estava lá na reunião”, disse Aziz a Girão. “Vossa Excelência é um oportunista e um oportunista pequeno. Desde o primeiro momento, toda sociedade brasileira que tem inteligência sabe que Vossa Excelência está aqui com um único motivo para que a gente não investigue por que o Brasil ficou sem vacina. E Vossa Excelência não entende patavina de saúde quer impor a cloroquina para a sociedade. Vossa Excelência é um oportunista!” — afirmou Omar Aziz.

— “Senador Omar Aziz, o senhor fez uma agressão” — reclamou Girão.

— Me leve para o Conselho de Ética! Me leve! Vossa Excelência não respeita ninguém, Vossa Excelência age sorrateiramente — rebateu Aziz.

16 thoughts on “CPI da Covid convoca novamente Pazuello e Queiroga, além de nove governadores

  1. Totalmente inconstitucional a convocação dos Governadores, assim como seria a de Bolsonaro. No caso dos Governadores violação da separação de poderes e do princípio federativo, e no caso de Bolsonaro da separação de poderes. Duas cláusulas pétreas, Acho que os Governadores recorrerão ao STF e conseguirão não depor na CPI, devido à jurisprudência do Supremo sobre o assunto. Segue link para artigo de especialista no assunto.

    https://www.conjur.com.br/2021-mai-25/inconstitucional-convocacao-governador-ou-prefeito-cpi-federal

    • Existe alguma lei que seja clara? Que não possa ser interpretada?
      Observação = como é o nome daquele articulista gaúcho que os seus escritos sumiram daqui?

        • Interpretação literal… Que parece ser o que a maioria acha que deveria ser feita, no entanto, é só uma parte pois na aplicação de qualquer texto de artigo ao caso concreto, é preciso considerar rodo o ordenamento, com leis esparsas, somente então surge a norma. De um texto de lei pode sair uma ou mais normas.

        • Sem querer ser mal educado mas já sendo. Você pode perceber que eu fiz essa pergunta abaixo e para outra pessoa.
          mesmo assim. você atravessou e atravessou. respondeu errada a pergunta feita a outra pessoa.

          Eu não perguntei se as leis podem ser interpretadas. eu perguntei se existe uma única lei que não possa ser interpretada.

          Existe pelo menos uma única lei que não possa ser interpretada?

          observação = a única coisa que eu estou procurando aqui. e o nome daquela gaúcho que tinha textos publicados aqui. e eu não estou lembrando o nome para procura lo em outro lugar.

          • Desculpa aí. Pensei que estava ajudando. Mas minha explicação foi um pouco enrolada e não a fiz entendível pois não respondi claramente à primeira pergunta.
            Mas ok. Não vou me meter mais a colaborar…

  2. Mara,

    Sou gaúcho, mas não sei se é quem procuras.

    Não existe lei que não deva ser interpretada.

    Por serem elaboradas pelo Poder Legislativo na sua pluralidade de representantes do povo e dos Estados da Federação, logo, sem especialistas em Direito, faz-se mister que os doutores em Leis busquem saber a intenção do legislador na promulgação daquela norma.

    Mais:
    O tempo, as mudanças de costumes, o aspecto social, também são fatores que determinam a revisão dessas Leis, que devem ser interpretadas de acordo com a época atual:
    circunstâncias, agravantes, atenuantes, dolo ou culposo, ambiente, motivo, se em defesa própria, enfim …

    Justamente para que se FAÇA JUSTIÇA, a Hermenêutica é o ramo da Teoria da Geral do Direito, destinado ao estudo e ao desenvolvimento dos métodos e princípios da atividade de interpretação.
    A finalidade da Hermenêutica, enquanto domínio teórico, é proporcionar bases racionais e seguras, para uma interpretação dos enunciados normativos.

    Em outras palavras:
    Podemos conceituar hermenêutica como sendo o conjunto de teorias voltadas para a interpretação de algo, não somente um texto escrito, mas de tudo o qual se possa atribuir significado e sentido, daí eu ter citado as características acima de tempo, costumes …

    Leis que não são interpretadas jamais serão JUSTAS, e é nesse pormenor que tenho insistido com a turma dos “legalistas”, a respeito do que o ser humano procura no Direito:
    Se obedecer normas ou querer que se faça JUSTIÇA?

    Observa que, as Leis até poderiam deixar de existir, pois basta a existência de alguém para assegurar-lhe direitos inatos, tais como a vida e sua subsistência.

    Porém, eis o que penso sobre a interpretação ou Hermenêutica, que não se baseia apenas no Direito, mas na Filosofia, Religião, Científica, Aplicada, Cultural, Fenomenológica …

    Abraço.
    Saúde e paz.

    • Não, não é. Como eu disse em outro palpite, esse senhor tinha o nome colocado ao lado, lista do lado direito do site, juntos aos outros comentaristas em *categorias*. Quando o editor colocava seus comentários, sempre tinham vários palpites de desqualificação do comentário do articulista.
      Obs= Tambem não gostei da sua palpite sobre o assunto – não estou dizendo que está errado – só estou dizendo que acho horrível se for assim mesmo.

        • Era comentarista; não era palpiteiro igual eu que escrevo nos comentários. era comentarista fixo e tinha o nome nessa lista que fica a direita fixa no site.

          Categorias

          C. Chagas
          C. Newton
          Geral
          Hélio Fernandes
          J. Béja
          J.C. Werneck
          Júlia de Aquino
          Marcelo Copelli
          P. Coutto
          Paulo Peres
          S. Nery
          V. Limongi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *