CPI da Covid convoca o líder Ricardo Barros e Roberto Dias, o ex-diretor citado na denúncia

CPI recebe o empresário Carlos Wizard Foto: Pedro França / Pedro França/Agência Senado

CPI mão conseguiu ouvir Carlos Wizard, que ficou mudo

André de Souza e Melissa Duarte
O Globo

A CPI da Covid não conseguiu interrogar o empresário Carlos Wizard, que se recusou a responder as perguntas. O tempo livre foi aproveitado para aprovar nesta terça-feira uma série de requerimentos com o objetivo de aprofundar a investigação das negociações do Ministério Saúde com a empresa brasileira Precisa Medicamentos para adquirir a vacina Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech.

Entre eles está a convocação do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros, e a realização de um sessão secreta para ouvir o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), irmão do servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda. Os irmãos se encontraram com o presidente Jair Bolsonaro em 20 de março, quando relataram pressão para liberar a Covaxin.

PEDIDO DE PROPINA – As suspeitas de pedido de propina no Ministério da Saúde na negociação de vacinas com a empresa Davati Medical Supply, sediada nos Estados Unidos, também entraram na mira da CPI.

A comissão aprovou a convocação do empresário Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que diz representar a Davati, que denunciou pedido de propina no Ministério da Saúde, além de convocar também o ex-diretor do Departamento de Logística em Saúde da Secretaria Executiva da pasta, Roberto Ferreira Dias, acusado de pedir propina e exonerado hoje do cargo.

Também foram aprovadas as convocações de servidores e ex-servidores do Ministério da Saúde envolvidos na negociação com a Precisa. Entre eles, alguns que, segundo o servidor Luis Ricardo Miranda, o pressionaram a liberar a importação da Covaxin: Marcelo Bento Pires, conhecido como Coronel Pires, ex assessor da pasta; e Roberto Ferreira Dias, ex-diretor do Departamento de Logística em Saúde da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde.

OUTROS CONVOCADOS – Também estão na lista: Regina Célia Silva Oliveira, fiscal do contrato da Precisa na pasta; Thiago Fernandes da Costa, que atuou na celebração do contrato; e Rodrigo de Lima, funcionário terceirizado lotado no Ministério da Saúde, que, segundo Luis Ricardo, relatou o pagamento de propina.

Segundo o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), Luis Miranda será ouvido na terça-feira da semana que vem, e Ricardo Barros na quinta. Além disso, na sexta da próxima semana, está programada a sessão secreta com o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, que já tinha sido aprovada antes pela comissão.

 

2 thoughts on “CPI da Covid convoca o líder Ricardo Barros e Roberto Dias, o ex-diretor citado na denúncia

  1. PARTIDOS, ENTIDADES E POLÍTICOS PROTOCOLAM ‘SUPERPEDIDO’ DE IMPEACHMENT DE BOLSONARO

    Texto elaborado por comissão de juristas reúne argumentos apresentados em outros 123 pedidos de impeachment já protocolados na Câmara e atribui 23 crimes de responsabilidade ao presidente.

    Por Elisa Clavery, TV Globo — Brasília
    30/06/2021 15h54 Atualizado há 9 minutos

    https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/06/30/parlamentares-e-entidades-apresentam-na-camara-superpedido-de-impeachment-de-bolsonaro.ghtml

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *