Crescimento do PIB, agora, fator negativo?

Pedro do Coutto

O IBGE divulgou na tera-feira os resultados da economia brasileira, bastante positivos, apontando no primeiro trimestre do ano um avano da ordem de 9% em relao aos trs meses iniciais de 2009. De janeiro a maro de 2010 o pas produziu 826,4 bilhes de reais. Os trs principais jornais do pas O Globo, Folha de So Paulo e Estado de So Paulo manchetaram suas edies de quarta-feira com o fato e, a meu ver, a melhor matria foi a do O Globo, assinada por Cssia Almeida, Clarice Spitz e Henrique Gomes Batista.

A FSP afirmou que esta foi a maior alta do PIB desde 96. O Estado e o prprio Globo, entretanto, destacaram simultaneamente o risco de um superaquecimento econmico, na viso pessimista de tcnicos do setor que manifestaram receio com a perspectiva de uma taxa de inflao mais veloz que os 4,5% registrados no ltimo exerccio. Os 9%, bom esclarecer, so na verdade 6,3, pois no primeiro trimestre de 2009 houve um recuo incrvel de 2,7%. Negativo ao extremo. Mas esta outra questo.

No entendo francamente no entendo como um crescimento do PIB, que espelha o conjunto de bens e servios produzidos, possa ser negativo. Essa no. Os economistas passaram a vida, desde o governo JK, quando o tema ganhou as ruas, considerando a renda per capita um indicador decisivo para se medir o grau de desenvolvimento de uma nao. E o que a renda per capita? Simplesmente o resultado da diviso do PIB pelo nmero de habitantes. Assim, se o PIB cresceu a uma escala mais alta que a taxa demogrfica (cerca de 1,2%a/a) a renda per capita passou a ser mais alta.

Inclusive resultado igual alcanado em 96, governo FHC, foi atribudo solidez do Plano real, de Itamar Franco, implantado em agosto de 94, pouco antes das eleies. Os que ontem ressaltaram o xito de 96, comprovando-o na ocasio com afirmativa que a renda per capita cresceu, como hoje manifestam preocupao com um aumento e um efeito iguais? O Globo, inclusive, em uma de suas pginas internas, acentua que o crescimento brasileiro percentualmente foi o sexto do mundo no trimestre em foco. E que o pas, com um PIB anual projetado para 1 trilho e 900 bilhes de dlares, firma-se como a oitava economia do mundo. A oitava economia do mundo necessita apresentar uma renda per capita compatvel com esta posio. E isso somente pode ser conseguido no existe outra hiptese com a acelerao do PIB superior ao nmero anual de nascimentos. Em nosso caso, cerca de 2 milhes de pessoas a cada doze meses. 1,2% sobre 190 milhes de habitantes.

No se pode brigar com os fatos. Tampouco distorcer a realidade por nos encontrarmos em ano eleitoral. O aumento do PIB altamente positivo, no um xito apenas do governo, claro, mas de toda fora produtiva do pas, incluindo os 100 milhes que constituem a mo de obra ativa brasileira. E tem mais um aspecto: se houve crescimento do PIB porque ocorreu aumento do consumo, j que o parque fabril, seja industrial ou agrcola, no vai produzir para estocar ou jogar fora. O presidente Lula, em plena campanha eleitoral, vai tentar capitalizar o episdio em favor de Dilma Roussef. E da? A oposio, com Jos Serra que atue dentro dos limites da realidade. No da fantasia. Nada pior em matria de voto do que contestar a verdade.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.