Crime de Lesa-Pátria: Petrobras pode vender o controle da BR

Petrobras tem de ser impedida de vender seus melhores ativos

Mauro Santayana

O Valor Econômico informa na primeira página que a BR Distribuidora só interessa aos ”investidores” se a Petrobras entregar o seu controle aos eventuais compradores da empresa. Vender a BR Distribuidora, mesmo que sem o repasse do controle, já equivaleria a um crime, neste momento em que a Petrobras, por não poder lucrar o que deveria com a exploração do óleo bruto, precisa ganhar em cada etapa da cadeia de produção e comercialização para fazer frente aos seus parciais e seletivos detratores-sabotadores e provar que tem capacidade, determinação e talento de sobra para fazer frente ao endividamento advindo, também,  da brutal queda do valor do petróleo no mercado internacional.

É preciso prestar atenção aos números – quase nunca divulgados, em sua totalidade, pela imprensa brasileira.

Embora tenha declarado um prejuízo de 34 bilhões de reais no ano passado, a Petrobras, graças também ao dinheiro conseguido há poucas semanas com nossos parceiros do BRICS, os chineses, conta, neste momento, com a bagatela de 100 bilhões de reais em caixa.

Nessas condições, repassar ativos a toque de caixa só se justifica se eles estiverem no exterior e forem vendidos para se investir o dinheiro auferido dentro do Brasil, um dos maiores mercados de combustível do mundo.

A PREÇO DE BANANA

Esta é uma nação em que os gringos estão querendo botar o pé de qualquer jeito, de preferência alardeando aos quatro ventos a crise, a incompetência do governo, a quebradeira do país, com o objetivo de levar tudo a preço de banana, esquartejando e enfraquecendo institucionalmente a Petrobras para degluti-la aos nacos, como um nauseabundo bando de hienas, ajudado pelos vermes entreguistas e antinacionais de sempre, miseravelmente a postos para servir, sempre que ouvirem o som do assovio, ou o do estalar de dedos, com denodo e abjeção, aos seus patrões de fora.

SEM COMPROMISSO

Como parte da diretoria parece não ter o menor compromisso com a empresa, com impeachment ou sem impeachment, só os petroleiros, começando pela BR, podem impedir que isso ocorra, cerrando fileiras e usando todo e qualquer meio, seja neste governo, ou naquele que venha eventualmente a sucedê-lo, para preservar, forte e unida, a Petrobras, como poderoso instrumento estratégico para o fortalecimento do país e o desenvolvimento nacional nas próximas décadas.

 

26 thoughts on “Crime de Lesa-Pátria: Petrobras pode vender o controle da BR

  1. Crime de lesa patria foi o que fez o PT, perpetrando um verdadeiro saque contra a Petrobobras. PRIVATIZE JA, TODAS AS ESTATAIS, SEM EXCECAO.

  2. Se esta Petrobras nunca tivesse sido criada, ou se o FHC tivesse tido coragem suficiente para privatizar esta
    “vaquinha leiteira” da política e do sindicalismo, hoje não estaríamos vivendo esta crise monumental, nem o PT teria de onde arrancar esta fortuna que usou nas campanhas eleitorais.
    O petróleo nunca esteve tão barato, poços profundos como este do pré-sal, já não justificam o investimento
    por serem caríssimos, então o melhor negócio é o governo se desfazer deste titanic, próximo ao naufrágio.
    Governo é para ser gestor dos recursos públicos, usar da melhor forma possível o dinheiro dos impostos, o que é uma tarefa dificílima, haja visto que os que manipulam são justamente os menos confiáveis, os políticos.
    O governo não pode ser é empresário. A atividade industrial ou comercial, tem que ficar muito distante da
    administração pública, pois o resultado é este que estamos vendo. Pais quebrado e empresas do estado, idem.
    Comunismo, socialismo, movimentos sociais ou reforma agrária, são manifestações que já se perderam no tempo, o que se deve buscar são meios mais inteligentes de produção e convívio, com o trabalho como meio de agregação e distribuição de renda.
    Esmolas, principalmente pública, como estas bolsas do PT, só servem para viciar, fomentar a vagabundagem e principalmente delapidar o tesouro e promover roubalheiras, como as que já estão sendo
    informadas nesta tal reforma agrária.

  3. Caro Jose Guilherme: 99.9% das teorias conspiratórias são estórias da carochinha. Sou favorável às privatizações, muito antes do saque perpetrado contra a Petrobras, por razões lógicas, por ser defensor da boa Economia. Raciocine por favor: Se o Estado não consegue fazer o dever de casa,(saúde, segurança publica, educação básica) como poderia participar do mercado de forma competitiva? Cordiais saudações.

  4. Jonas: O Sr. deveria aproveitar a oportunidade e mostrar a sua erudicao, lancar luzes sobre o tema, ja que ninguem conseguiu atingir o seu “nivel”.Portela.

  5. Não consegue, porque em suas “pedras fundamentais”, está constituído para ser “caótica e baderneiramente enfraquecido” e assim, dado o conjunto da má obra, não poder fazer devidamente o dever de casa, estrategicamente depreciado, em favor do “conglomerado”, dos $privado$.

  6. Prezados Colegas Srs. ZÉ DA ZICA e JOSÉ PORTELA, nem 8 nem 80.
    A Argentina sob o Governo de MENEM nos anos 90′ fez tudo isso que os senhores propõem, PRIVATIZAÇÕES que nessa Magnitude de Empresas de petróleo/energia, etc, só o serão para Empresas com Matriz no Exterior: ( Exxon, Shell, BP, no caso Argentino foi para a Espanhola REPSOL, Total, etc,etc.
    Deu em Falência TOTAL do País no ano 2000, e o Poder nas mãos dos KIRCHNER que ganharam 3 Eleições Presidenciais seguidas. Agora o Presidente MACRI está mudando as coisas, MAS NÃO ESTÁ PRIVATIZANDO NADA para Empresas Estrangeiras. Aprenderam a Lição.
    Todos os que cometeram ‘Malfeitos’ e estão Processados, devem ser Julgados, e os que forem Condenados, pagar suas penas. Mas não devemos jogar fora o BEBÊ junto com a água suja do banho. Abrs.

  7. Caro economista J.F. Bortoloto: Não aceito a sua tese de que mercado bom é mercado bem regulado. Não aceito a sua tese de que empresas estatais nunca devem ser vendidas para empresas estrangeiras. Seus argumentos não me agradam, aliás não compro nenhuma ideia keynesiana.

  8. Não é tomando uma única informação contábil solta das demais que se chega a um veredicto sobre a saúde financeira e a capacidade de endividamento de uma empresa.

    O caixa (disponibilidade de caixa) de per si não indica muita coisa. Na contabilidade de uma empresa é preciso comparar as informações financeiras disponíveis, porque elas estão interligadas formando um quadro geral mais amplo e que deve ser visualizado para o melhor entendimento da situação econômico-financeira da entidade contábil a que se refere.

    O caixa da Petrobras, por exemplo, corresponde a uma aplicação de recursos que tiveram origem, tanto nas atividades operacionais da empresa quanto na domada de empréstimos junto a terceiros (os bancos).

    Assim, logo abaixo temos um quadro mais completo da situação econômico-financeira da empresa expressa no Balanço Patrimonial, onde, do lado esquerdo temos o ativo (bens e direitos), incluindo aí a disponibilidade de caixa que se encontra dentro do Ativo Circulante, e do lado direito temos o Passivo (obrigações), que se subdivide em Passivo Exigível (circulante e não circulante) e o Patrimônio Líquido. Veja:

    BALANÇO PATRIMONIAL SINTÉTICO DA PETROBRÁS (2015)

    ATIVO …………………………………………………..PASSIVO EXIGÍVEL…………………………………….
    Ativo Circulante…………….R$169,581 bi……Passivo Circulante……………..R$111,572 bi
    Ativo Não circulante………R$730,554 bi……Passivo Não circulante………R$530,633 bi
    ……………………………………………………………..PATRIMÔNIO LÍQUIDO……..R$257,930 bi
    ……………………………………………………………………………………………………………………………..
    TOTAL DO ATIVO……………R$900,135 bi……TOTAL DO PASSIVO……………R$900,135 bi

    Fonte: Balanço Patrimonial da Petrobras

    Temos que saber que o que se encontra no ativo tem como origem o passivo, seja ele o exigível (circulante e não circulante) ou o Patrimônio Líquido.

    Então, ao mesmo tempo em que a empresa tem uma disponibilidade de caixa da ordem de R$123,551 bilhões, ela também tem obrigações com fornecedores, bancos, governo e terceiros da ordem de R$111,572 bilhões como nos informa o Balanço no grupo Passivo Circulante.

    Então, há um comprometimento das disponibilidades do caixa com as obrigações de curto prazo encerradas no Passivo Circulante. Uma forma de saber isso é extraindo o quociente entre as disponibilidades e o Passivo Exigível de Curto Prazo que é o Passivo Circulante. Assim, quociente de liquidez imediata = Disponibilidades/Passivo Circulante. No caso, as disponibilidades da empresa se encontram dentro do Ativo Circulante e correspondem a R$123,551 bilhões.

    Então, Quociente de liquidez imediata = R$123,551 / R$111,572 = 1,1. Ou seja, para cada um real de dívida de curto prazo a empresa tem um real e um centavo disponível para liquidar essa dívida.

    Não é uma situação negativa de insolvência ou de falta de liquidez, pois, a empresa possui um real e um centavo para cada um real de dívida, mas, vê-se que a empresa está sobre um fio de navalha com recursos disponíveis, praticamente empatados, com suas obrigações de curto prazo. É preciso lembrar que as obrigações tem um prazo para serem liquidadas e que extrapolado esse prazo a empresa fica sujeita ao acúmulo de juros e correção monetária sobre essas obrigações aumentando, ainda mais, suas dívidas. O que faz corroborar com o estrangulamento financeiro da empresa, podendo torná-la insolvente.

    E é por isso que a Petrobras está vendendo seus ativos. Porque está andando no fio da navalha da situação de solvência.

    Outra análise de Balanço que se pode fazer é verificar e comparar o Capital Circulante Líquido da empresa, isto é, se a empresa tem ou não folga financeira para pagar as suas obrigações de curto prazo. Isso pode ser feito subtraindo o Ativo Circulante do Passivo Circulante e comparando o resultado com o Passivo Circulante. Assim, Capital Circulante Líquido = Ativo Circulante – Passivo Circulante, ou, CCL = AC – PC.

    Logo, CCL = R$58,009 bilhões, que dividido pelo Passivo Circulante = R$58,009 bilhões / R$111,572 bilhões = 0,52, ou 52%. Isto é, esta é a folga financeira de curto prazo da Petrobras. Em 2014 essa folga financeira de curto prazo era de 63%, ou seja, em um ano caiu quase dez por cento.

    Mas, o que chama mais a atenção é o perfil de endividamento da empresa. Ainda que a Petrobras tenha conseguido ampliar o prazo médio de pagamento de sua dívida de 6,10 anos para 7,14 anos, seu índice de endividamento não para de crescer e o perigo de insolvência ronda a empresa de perto.

    O índice de endividamento é igual ao Passivo Exigível (circulante + não circulante) sobre o Ativo Total. Assim, IE = R$642,205 bilhões / R$900,135 bilhões = 71,35%; isto é, 71,35% de todo o ativo da empresa estão comprometidos com os credores da empresa. Em 2013 esse índice era de 55%; ou seja, nesse ritmo de crescimento a Petrobras pode declarar insolvência em três anos e meio. E é por isso, também, que ela está vendendo seus ativos.

    • Não dá para escolher a quem vender seus ativos. O critério é o de melhor preço alcançado no mercado e não a nacionalidade do comprador!

      • Perdão: a Petrobras tem um real e dez centavos disponíveis em caixa para cada um real de dívida de curto prazo com seus credores (fornecedores, governo, bancos etc.). Uma folga financeira de apenas dez centavos para cada real de dívida.

  9. Caro Jose Portela, não consegue, porque em suas “pedras fundamentais”, está constituído para ser “caótica e baderneiramente enfraquecido” e assim, dado o conjunto da má obra, não poder fazer devidamente o dever de casa, estrategicamente depreciado, em favor do “conglomerado”, pelo qual foram, arregimentados e estatutariamente enlaçados e tornaram-se “ser-vis”, difundindo essas e outras apátridas “grandes idéias”.

  10. Absolutamente ignorante em Economia ( e na maioria dos assuntos, pois não?), concordo com o mestre Bortolotto.
    Não que seja proibido privatizar-se o controle da Petrobrás, mas em razão da necessidade de o Brasil cuidar do que é seu e ter uma empresa do vulto da estatal, TÃO ROUBADA E DILACERADA PELOS BANDIDOS PETISTAS!
    Se foi pessimamente administrada por diretores ladrões indicados pelo PT, Lula e Dilma, a gigante brasileira não pode ser punida, pois nós, os brasileiros, é que iremos perder e muito com a sua privatização.
    Eu já escrevi, no calor de uma discussão, e quando começamos a tomar conhecimento dos crimes contra a Petrobrás, que ela deveria ser vendida.
    Claro que eu voltaria atrás no momento que esta possibilidade se tornasse viável, mas o que se deve fazer pela empresa após a saída do casal de mafiosos no Planalto é diminuir-lhe o tamanho, e SEUS NOVOS DIRETORES DEVERÃO OBRIGATORIAMENTE SER GUINDADOS MEDIANTE CARREIRA NA EMPRESA, E NÃO MAIS INDICADOS POR MAL INTENCIONADOS E DESONESTOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA, POR FORÇA DE LEI!
    A Petrobrás não pode ser constituída de mais de cem outras concessionárias. Impossível administrar bem tamanha complexidade, resultando em facilidades aos estelionatários dirigentes colocados em cargos estratégicos para dilapidá-la.
    A expulsão de Dilma e Lula como comandantes deste consórcio de crimes contra o povo e país, deverá redundar em profundos estudos para se proteger as demais estatais também, que não podem permanecer à mercê de corruptos e imorais como fizeram com a Petrobrás, desvalorizando-a em mais de NOVENTA POR CENTO!
    Nada de privatizá-la, vendê-la para estrangeiros ou grupos que irão comprá-la sem um tostão, financiado pelo BNDES, lógico, que deverá ser eviscerado com o desterro político dos petistas, pois este banco deve conter mais podridão e desvios de receita que várias Petrobrás UNIDAS!

  11. Que bom que no nosso TRIBUNA DA INTERNET ONLINE temos Colegas como Sr. WAGNER PIRES, que com seus “Dados Econômicos”, que até eu que não sou entendido em Análise de Balanços, entendi perfeitamente a situação Patrimonial da Petrobras SA. Ela está como diz o Sr. WAGNER PIRES, “no fio da navalha”. É verdade que não se pode escolher o Comprador de um seu Ativo, porque o que oferece mais, pode ser uma Empresa com Matriz no Exterior. Mas nesse caso, me parece que a Economia Nacional lucra mais não vendendo, até a custa de se socorrer no TESOURO, afinal o Governo obrigou a Petrobras SA subsidiar nos últimos +-5 anos, mais de R$ 80 Bi de Gasolina e derivados, para combater a Inflação e “ajudar” na vitória da última Eleição Presidencial. Até agora, o Governo “tentou” baixar um pouco o preço da Gasolina/Derivados para diminuir a Pressão do Impeachment, mas agora o Conselho de Administração da Petrobras SA não concordou. Se o Banco Itaú e o Bradesco comprassem o controle da Petrobras SA, aí sim estaríamos indo para o bom caminho, uma vez que são Empresas com Matriz no Brasil, que desenvolvem tecnologia Nacional e Capitalizam aqui dentro 100% de suas vendas, além de não corrermos risco de CONTRABANDO uma vez que 95% de nosso petróleo/gás está em alto mar.

    Que bom que temos Colegas como o Sr. JOSÉ PORTELA da Escola Clássica Econômica, especialmente da Escola Austríaca “von MISES, HAYAK, etc” que discorda das Teorias de LORD KEYNES do qual sou adepto, e assim podemos trocar ideias. Seria muito chato se todo mundo fosse Keynesiano, Petralha ou Coxinha….
    Só que como explicou muito bem Lord KEYNES, TODOS somos da Escola Austríaca quando a Economia está em PLENO EMPREGO e BOMBANDO, aí valem plenamente suas Leis. O problema é quando entramos em RECESSÃO com tendência para DEPRESSÃO, aí então não valem mais as boas Leis Econômicas da Escola Austríaca ( Clássica). Daí então entra Keynes, ou Comunismo/Fascismo/Bolivarianismo…… porque quando o DESEMPREGO chega a +- 40%, 50% como foi na Alemanha de 1932, coisas acontecem.

    Que bom que temos Mestres como o Sr. FRANCISCO BENDL que modestamente diz não entender de Economia Política mas que sua história de Vida mostra tudo o contrário. Economia vem do Grego e quer dizer ” O Cuidado da Casa, a Administração da Casa”, e todos sabemos como cuidou bem de sua Casa/Família, com sua Esposa, Professora, o Sr. FRANCISCO BENDL, tendo formado Filhos Médicos, etc. Portanto é um grande ECONOMISTA.
    Fico contente que ele concorda em que, não sendo possível vender o controle da Petrobras SA para uma Empresa com Matriz no Brasil, é preferível mantê-la sob controle do Estado, só que com Administração Profissional Independente. É difícil isto, quando o Estado tem o controle, mas não é impossível, pelo menos até termos Empresa com Matriz no Brasil capaz de comprar. Abrs.

    • Sr. Bortolotto, eu estou convencido de que se o PT tentar manobrar o preço dos combustíveis, baixando-os por decreto, em favor de sua política e em desfavor do caixa da empresa, a Petrobrás entrará em regime de insolvência antes dos três anos e meio em que prevemos em nossas análises.

      A empresa não aguenta mais nenhum ingerência política em sua gestão. É fato.

      O senhor disse bem, foram R$80,0 bilhões que a empresa deixou de faturar por conta do represamento de preços que Dilma fez para artificiar a inflação, dando a falsa impressão para a população, de que a inflação, também, estava sob controle, ajudou – e muito – a lançar a empresa nesse quadro tenebroso em que ela se encontra.

      Grande abraço!

  12. Mestre Bortolotto,
    Tua luz ilumina as mentes mais escuras, inclusive a minha!
    Diante do caminho a ser corretamente percorrido, sigo as tuas instruções porque sei que me levarão para onde desejo estar.
    Um forte abraço.
    Muita Saúde e Paz!

  13. A PETROBRÁS SENDO UMA ESTATAL E PORTANTO CONTROLADA PELO GOVERNO DEVERIA ANTES DE MAIS NADA SER UM VERDADEIRO INTRUMENTO DE POLITICA PRINCIPALMENTE ENERGÉTICA E INDUSTRIAL!
    DESGRAÇADAMENTE SE TRANSFORMOU NUM INSTRUMENTO DO PIOR TIPO DE POLITICA, A ELEITORAL MAIS RASTAQUERA, QUE SÓ VISA MANTER DE TODAS AS FORMAS O PODER PARA UM GRUPO DE MARGINAIS QUE SE APOSSARAM DO ESTADO, A BEM DIZER UM INSTRUMENTO DE PURA ROUBALHEIRA POLITICA/ELEITORAL.
    ASSIM, JÁ NÃO SOU MAIS A FAVOR DO CONTROLE ESTATAL DESSA EMPRESA! MAS TAMBÉM ACHO UMA ESTUPIDEZ FAZER O PIOR TIPO DE PRIVATIZAÇÃO QUE SERIA UM FATIAMENTO DA EMPRESA, VENDENDO EXATAMENTE AS PARTES MAIS LUCRATIVAS!
    ENQUANTO NÃO FOR POSSIVEL SE FAZER UMA PRIVATIZAÇÃO, OU PELO MENOS UMA DIMINUIÇÃO DO CONTROLE ESTATAL DA EMPRESA, URGE SE ACABAR COM TODOS OS CARGOS DE INDICAÇÃO POLITICA, TODOS OS DIRETORES TEM QUE TER FORMAÇÃO TÉCNICA, PRINCIPALMENTE OS DO CONSELHO E NUNCA MAIS ADMITIR QUE UM(A) PRESIDENTE DE CONSELHO ALEGUE QUE FOI INDUZIDA A ERRO POR RELATÓRIOS MALFEITOS EM DECISÕES CRUCIAIS COMO COMPRAS DE REFINARIAS NO EXTERIOR.
    ASSIM EM CASOS IGUAIS OU SEMELHANTES AO QUE VIMOS ASSISTINDO, UM PRESIDENTE DE CONSELHO SÓ PODERIA TER 2 CAMINHOS APÓS OS MALFEITOS:
    – OU O HOSPÍCIO RECONHECENDO A SUA DEBILIDADE MENTAL E PORTANTO INCAPACIDADE TOTAL PARA O CARGO OU A CADEIA, MAS JAMAIS ASCENDER À PRESIDENCIA DA REPÚBLICA!

  14. Tem que vender todas as estatais, pois o estado não tem competência de administrar empresas. Só dá roubalheira para sustentar politicagens. É pura bucha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *