Criminosos que lesaram a sociedade têm agora a vantagem do empate na Segunda Turma

A mãe de todas reformas - Bem Blogado

Charge do Mariano (site Charge Online)

Jorge Béja

O ministro Edson Fachin, integrante da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal, vai levar ao plenário da Corte para que seja revista uma praxe, uma tradição, até regimental, em que as votações quando terminam empatadas favorecem o réu em matéria penal. É o conhecido “In Dubio Pro Reo”, princípio que se opõe ao “In Dubio Pro Societate”. Isto porque nos últimos meses, nos julgamentos pela 2ª Turma ocorreram 9 empates e os réus (todos em ações penais) tiveram êxito na sua pretensão.

O STF tem duas turmas. Cada turma é formada por 5 ministros. Mas com a licença médica do ministro Celso de Mello e a vacância da sua cadeira para o próximo mês, em razão da aposentadoria compulsória do ministro Celso, a 2a. Turma está e estará desfalcada e assim permanecerá ainda por algum tempo,

ADIAR AÇÕES CRIMINAIS – Fachin levará ao plenário a proposta para que seja adiado, até a recomposição total do quorum das turmas, o julgamento dos recursos em ações criminais, à exceção dos habeas corpus. O adiamento, até a recomposição da turma, é uma boa proposta. As ações penais são privadas ou públicas. Privadas, quando dependem da iniciativa da parte lesada-ofendida. Pública, quando a legitimidade para dar início à ação é exclusiva do Ministério Público.  E ação penal pública é sempre aquela em que vitimada é a sociedade como um todo.

Não é justo que um agente público, com ou sem a participação de agentes outros que não sejam também públicos, condenado(s) pelos chamados crimes de lesa-pátria, de lesa-majestade, crimes decorrentes da improbidade administrativa,  que saquearem dinheiros públicos, de propriedade da sociedade, sejam beneficiados pelo princípio do “In Dubio Pro Reo” quando, na quarta instância recursal, no caso o STF, o julgamento de seus recursos terminem empatados.

Isso é prá lá de injusto. Pois é justamente aí que se caracteriza e deve ser empregado o princípio “In Dubio Pro Societate”, porque vitimada foi a sociedade.

MAIS UMA OPÇÃO – E vai aqui uma sugestão alternativa para o ministro Fachin. Caso a sua proposta a ser levada ao plenário da Suprema Corte não venha ser aprovada, então, alternativamente, que seja debatida e votada esta outra, qual seja, no julgamento dos recursos criminais contra condenações decorrentes de atos de improbidade administrativa, que prevaleça o princípio do “In Dubio Pro Societate”, nos casos de empate. Que o empate não beneficie o réu condenado que recorreu.

É preciso proteger a sociedade contra os ladrões dos dinheiros públicos. Já basta a existência de quatro instâncias: o juiz singular que julgou (1ª instância), o tribunal local que julgou o recurso (2ª instância), o Superior Tribunal de Justiça (3ª instância) e o Supremo Tribunal Federal (4ª instância). São instância demais.

Tudo em benefício do réu que lesou e vitimou toda a sociedade. É justo, então, que em benefício do ladrão dos cofres públicos prevaleça o princípio da dúvida quando, na quarta instância, o resultado do julgamento do seu recurso for empate? E, por isso, sejam desconsideradas de todas as condenações que o ladrão sofreu pelas três instâncias que percorreu?

LEVA VANTAGEM – E para encerrar esta sugestão. Permanecer como está é que não pode. Isto porque o réu-condenado que recorre já sabe que leva vantagem sobre a sociedade que lesou. Sim, vantagem. Porque o julgamento já tem inÍcio com dupla possibilidade de vitória, contra uma de derrota. Isto mesmo. Maioria (3 a 1) ou empate (2 a 2) em seu favor e (3 a 1) em seu desfavor.

Em nome do Brasil, da Ordem Jurídica e da Legalidade, que tudo isso seja mudado. É uma brutal desproprocionalidade e tremenda injustiça contra a sociedade brasileira.

12 thoughts on “Criminosos que lesaram a sociedade têm agora a vantagem do empate na Segunda Turma

  1. Acho que o grande mistério nisto tudo, é que estes ministros, alguns já ultrapassam e muito o tempo para pedir aposentadoria, mas ficam na ativa até os 75 anos, inclusive quando a própria saúde já não mais o permite.
    O ministro Edson Faccin, também não poderia “pedir vistas”, e só devolver quando o quadro estiver completo? Antigamente se chamaria a isto de “jogo com cartas marcadas”.

    • Ricardo, este é um tema que merece estudo, muito estudo, por que está em causa, de um lado, o direito à individualidade da pessoa e de outro, a obrigação de não contaminar o próximo, a coletividade. Vou estudar.
      Obrigado por ter lido e feito pergunta oportuna e de alta indagação.

      • Ora, não seria o direito à vida e à saúde superiores aos individuais? A questão é quem não se vacina retém o vírus e pode contaminar, creio que, nesse caso, conscientemente outras pessoas que não tenham tido acesso a ela. Se isso não for crime, o que seria? Pode um portador de um vírus sair por aí o propagando? Se há no Direito alguma norma ou doutrina que defenda isso, pra que serve?

      • Ora, não seria o direito à vida e à saúde superiores aos individuais? A questão é quem não se vacina retém o vírus e pode contaminar, creio que, nesse caso, conscientemente outras pessoas que não tenham tido acesso a ela. Se isso não for crime, o que seria? Pode um portador de um vírus sair por aí o propagando? Se há no Direito alguma norma ou doutrina que defenda isso, pra que serve? A não vacinação não é um mero direito ao suicídio.
        De qualquer forma vai esse episódio: https://www.todamateria.com.br/revolta-da-vacina/

    • É verdade. Realmente faltou indicar também este outro resultado: 4 a Zero.
      Temos pois:

      Em favor do réu-condenado-recorrente:
      Empate, 3 a 1 e 4 a 0
      .
      Em favor da sociedade-lesada-vitimada:
      4 a 0 e 3 a 1.

      A vantagem é do criminoso-condenado-recorrente, que “já entra em campo”, para usar a linguagem do futebol, com a vitória garantida. Basta não perder a partida.

      Obrigado por ter lido e feito a importante observação.

  2. A nossa questão fundamental é que temos um Estado Cleptocrático, fundado na corrupção como sistema e regime político. Quem não sabe que os milhares de pré-candidatos a vereadores usam e abusam da compra de votos, começando, assim, sua ascenção no “esquema”, até tornar-se um Presidente, sem que não haja qualquer ação repressora, ou no mínimo, que tente isso? `Embora fale genericamente, é muitíssimo mais fácil eu ser condenado por essa afirmação que os bandidos e gangues que deitam e rolam, assaltando o povo e no seu ascensorismo fácil e protegido. Tenho pena dos criminosos que suam o rosto pra roubarem o pão de cada dia, fora da “política”. (Claro, trata-se de um arroubo de negra ironia).

  3. Béja.
    Acho que poucas pessoas têm o nível intelectual de ler suas dissertações.
    Eu releio, não estou no nível de ler.
    Por outro lado, sabemos que Fachin, não vai ter sucesso na proposta. Acredito, que seria melhor, efetuar um sorteio, pegando outro ministro da outra turma. Quem sabe, você passando em frente ao STF e o Dias Toffolli, lhe chame: Ei garoto, venha fazer um sorteio. É “A juventude é um estado de espírito” DM. E você os têm.
    De volta a origem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *