Crise: Dilma aponta falha na articulação feita por Michel Temer

Pedro do Coutto

A presidente Dilma Rousseff, irritada com a aprovação, pelo Senado, do projeto que corrige os vencimentos dos servidores do Judiciário, anunciou que vetará a matéria e reconhece que o governo falhou na articulação política. Reportagem de André Sadi, Valdo Cruz, Marina Dias e Flávia Foreque, expõe, claramente o episódio, na Folha de São Paulo de quinta-feira. O qual, sem dúvida, começou com uma crítica direta de Dilma ao vice Michel Temer que de, dois meses pra cá assumiu exatamente a articulação política do Executivo. Que fez Temer no desenrolar do fato em foco? Nada. Começou e como poderá acabar?

A articulação política do Palácio do Planalto, aliás, está fracassando. Não só em função das acusações do empresário Ricardo Pessoa aos ministros Edinho Silva e Aloizio Mercadante, mas também em face da perspectiva de José Eduardo Cardozo deixar o Ministério da Justiça, como assinalam Gabriele Mascarenhas e a mesma Andreia Sadi, na FSP de 2 de julho.

Eu disse que o episódio do reajuste ao Judiciário era o começo de mais uma crise no poder. Perfeito. Pois na verdade, não se sabe como poderá acabar. O presidente do Senado sustentou que a presidente Dilma Rousseff pode vetar a matéria. Porém admitiu a hipótese de o veto vir a ser derrubado. Afinal de contas, 70 senadores votaram unanimemente a favor, enquanto 11 se abstiveram. Não houve, portanto, nenhum voto contra sequer, incluindo-se a bancada do próprio PT. A proporção, inclusive, já fora aprovada pela Câmara Federal.

INFLAÇÃO ACUMULADA

O percentual da elevação, à primeira vista, pode parecer exagerado. Mas nem tanto se compararmos (quadro publicado na edição citada da FSP) colocando de um lado aumentos nominais que variam de 59 a 78%, e, de outro, a inflação acumulada de 2006 a 2015, que é de 67,4%, de acordo com o IBGE.

Dilma classificou de lamentável a decisão do Senado. Porém, mais lamentável é o processo que ocorre habitualmente no Brasil, no qual os salários são tragados porque eles variam de uma classe social para outra. O IBGE parte de uma média, mas toda média possui pontos mais elevados, outros causando menores reflexos. Pois na verdade, como sustentou Albert Einnstein num ensaio sobre a ciência da função, o conjunto não é igual à soma das partes. Se alguém permanecer submerso durante cinco minutos e outra pessoa somente um minuto, a média embaixo d’água terá sido de três minutos. Só que a que ficou cinco minutos pode ter morrido.

Os técnicos em economia altamente qualificados, como Joaquim Levy e Nelson Barbosa, preocupam-se com a incidência das perdas inflacionárias que possam atingir o capital bloqueando investimentos. Mas não demonstram a mesma preocupação quanto à corrosão dos salários diante do custo de vida, a qual afeta diretamente o consumo e, por tabela, reduz a produção nacional. Os servidores do Judiciário Federal enfrentaram, por quase uma década, uma perda de poder significativo de 67 pontos. Dose para elefante. Os presidentes Lula e Dilma não agiram a tempo para evitar tal acumulação negativa.

ISENÇÃO E OBJETIVIDADE

O efeito emerge agora, sob forma da aprovação de um projeto de lei. O acréscimo nas despesas é grande? Por certo que sim. Mas a economia alcançada pelo mesmo governo pela utilização da mesma correção durante nove anos? Este aspecto tem que ficar claro para que a opinião pública possa apreciar o tema com isenção e objetividade, não se deixando levar pelas aparências. A comparação concreta entre a inflação e a reposição é lógica e levará ao dimensionamento exato do problema. A falha de Michel Temer como articulador talvez venha daí.

37 thoughts on “Crise: Dilma aponta falha na articulação feita por Michel Temer

  1. …quem pode, pode, quem não pode se sacode… quanto ao reajuste do salário-mínimo, que sequer acompanha a inflação inclusive o dos aposentados, vamos de samba do crioulo doido… durma-se com um nefasto governo dos trabalha-dores!

      • Ele não falou de reajuste do salário mínimo. Você manda o jornalista “informar-se melhor”, quando a informação está na sua frente e você sequer tem capacidade de interpretar o texto.

    • Meu caro. Veja qto era o salario minimo em 2006 e qto é hj. Ainda, seus salário com certeza deve ter aumentado por conta de dissidio coletivo, em reposições anuais. Já, o salario do judiciário é o mesmo de 2006. Não acredite em dados do governo, pq ele quer apenas colocar a opinião publica contra o aumento.está na constituição a reposição anual de perdas salariais. O governo do PT simplesmente ignorou e agora chega. Lembra do preço da carne, pão, gasolina em 2006? Hj é mais que o dobro e até o triplo. E os salario do judiciário exatamente os mesmos!!! Por isso, antes de opinar, estude a matéria para que não cometas injustiças, até pq, qdo vc é injustiçado, é o judiciário que te socorre e por isso temos servidores qualificados e competentes. Mas se continuar desse jeito, sem um salário compatível com a qualificação e o nivel de estudo dos servidores, a debandada será geral e brevemente vc será atendido por pessoas que não dão a mínima para o tipo de serviço que vc merece, até pq, a quem interessa o sucateamento do judiciário? Aqueles que estão acabando com país nessa roubalheira generalizada, onde, com servidores desqualificados, fica mais fácil de saírem ilesos. Repense seus conceitos. Abc

  2. Esta articulação política é para ela se manter governando, vende até a alma para não afastarem ela do poder, congresso não faz a sua parte e não deixa quem quer fazer, o único que merece nosso respeito é o juiz Sérgio Moro, o que se tem feito para atrapalhar o seu trabalho o povo não sabe e agora o que está na lei vem Dilma Rousseff falar que não respeita delator, será….

  3. Esse governo, que é natimorto, tem por finalidade apenas aguardar o próximo. Em particular, precisam permanecer onde estão, caso contrário a Lava Jato tritura todos eles, principalmente quem deveria estar descansando, mas não pode.

  4. Matéria equilibrada e imparcial. Pena que a mídia em geral não pesquisa antes de publicar. Vale salientar que realmente não se trata de aumento, mas de reposição pelas perdas de todos estes anos, pois a categoria não tem data-base.

  5. Lembrando sempre que a REPOSIÇÃO INFLACIONÁRIA (não se trata de reajuste e nem aumento) dos Servidores do Judiciário Federal, não terá um, eu disse um servidor que ganhará o tal de 78%. Este percentual se refere ao nível de entrada de um cargo em extinção (auxiliar Judiciário – nível de instrução primário) que não tem concurso há mais de dez anos.

  6. A quem interesse um Judiciário fraco, com perdas diárias de quadros, e uma estratégia programada e premeditada pelo Governo Federal de sucateamento? Com certeza aos implicados pela Operação Lava-Jato que não! Com certeza que aos corruPTos também não. Acordem povo, tirem as vendas dos olhos, apoiem essa causa, prisão para todos os corruPTos e corruPTores.

  7. Excelente matéria. Certamente uma das que abordou a temática de forma mais lógica e equilibrada, sob o ponto de vista matemático/econômico. A mídia em geral tem me surpreendido com absurda imparcialidade, dando excessivo crédito à falaciosa análise do MPOG. Parabéns!

  8. Quem é o autor dessa materia? Paulo Coutto? Não costumo comentar, mas dessa vez tive que abrir exceção. Com a quantidade de abobrinhas e superficialidades que vi por aí, na imprensa, cheguei a pensar que só existiam jornalistas idiotas e rasos. Finalmente uma matéria imparcial, feita com profissionalismo e a profundidade necessárias.

  9. Finalmente uma matéria jornalística que reflete com mais isenção a realidade salarial dos servidores do Judiciário. O Projeto de lei aprovado sucessivamente pela Câmara e Senado não significará aumento salarial desses servidores, mas tão somente recomposição das perdas inflacionárias. O último plano salarial foi em 2006 (9 anos).

  10. Parabenizo o grande Jornalista Pedro do Coutto pelo brilhante artigo. Este é merecedor de nossa admiração. Os servidores do Judiciário tem sido alvo de uma mídia mentirosa e deturpada da realidade dos fatos. Lendo a sua matéria, sinto renovada a esperança. Percebo que nem tudo está perdido. Não podemos desacreditar. Jamais! Jornalismo responsável e levado a sério é assim.

  11. Faltou apenas considerar que esse percentual de reajuste tem a pretensão de antecipar, inclusive, as perdas inflacionárias futuras, dos anos de 2016 e 2017 também, pois somente em dez/2017 é que viria a última parcela da implantação desse reajuste. Ou seja, se o reajuste é na média de 56% e a inflação já está em 67,4%, podendo inclusive passar de 80% ao final de 2016 e 2017, está evidente que ainda está “saindo uma pexinxa” para o governo, inclusive porque não irá pagar de forma retroativa a 2009, sendo que o direito dos servidores é o de ter reajuste a cada ano, conforme artigo 37, X da Constituição Federal, direito este que vem sendo descumprido. Ou seja, o prejuízo (as diferenças) que os servidores tiveram com a falta de reajuste de 2009 a 2015 vai ficar no bolso do governo mesmo.

  12. Concordo!!!
    Até que enfim uma matéria clara, com informações reais e precisas.
    Parabéns ao autor!

    Esse é o papel natural da imprensa: expor a verdade, buscar a verdade ou todos os lados envolvidos.
    Parabéns!

  13. Parabéns pela matéria.
    Estamos há nove anos sem recomposição da inflação em nossos salários, exercemos nosso cargo em dedicação exclusiva. Portanto, fazemos mágica para manter o mínimo em nossas casas e arcamos com as despesas.

  14. Uma matéria imparcial e realista, sem o sensacionalismo manipulador da massa.
    Temos que ter em mente que o enfraquecimento do judiciário prejudica toda a nação.

  15. Enfim uma matéria que reflete a realidade. Faltou dizer do fatiamento do reajuste em 6 parcelas semestrais, o que nem cobre a inflação passada, quanto mais a futura. Parabéns, Paulo Coutto.

  16. Nesse excelente texto só falta uma conjunção aditiva: E. E a economia feita pelo governo por não ter pago a reposição durante os últimos nove anos?

  17. Muito boa matéria!! Esclarecedora, imparcial e oportuna!!!!! Os servidores do Poder Judiciário agradecem a clareza da explanação sobre REAL situação do trabalhador servidor público!!!

  18. Imagine sendo lesado em 100 reais em 2015 e depois de acionar o judiciário ganha a causa somente nove anos depois, em 2024, quanto acha que teria que receber? apenas 100 reais?é claro que por questão de justiça teria que receber com juros e correção monetária? os servidores do judiciário estão há nove anos sem aumento. pois o governo não dá aumento ou pelo menos corrige as perdas inflacionárias.

  19. Parabéns pela matéria, Pedro.

    Se os seus colegas se informassem E/OU estudassem melhor sobre a questão, assim como você fez, os servidores do Poder Judiciário da União não estariam sofrendo esses ataques todos da opinião pública e da própria imprensa.
    A aprovação do PLC 28 é medida de extrema justiça e tem o objetivo de fortaceler institucionalmente um Poder da República, que há muito tempo (09 anos precisamente) não é contemplado com a reposição das perdas inflacionárias.
    E a pergunta que não quer calar é justamante a que um leitor fez acima: “a quem interessa o sucateamento do judiciário?”. Sabemos a resposta na ponta da língua!
    Lembremos que os casos de corrupção, como na situação da operação Lava-Jato, são decididos por esta justiça da quel fazem parte os referidos servidores.
    Além disso, as demandas dos trabalhadores, que se socorrem do Judiciário, quando tem um direito seu violado, também são decididas pela Justiça, mais especificamente a do trabalho, da qual fazem parte os servidores aludidos.
    Destacamos, também, a Justiça Eleitoral, que, sem ela, não haveria as eleições , não existiria o voto, este que é o maior ato democrático de uma cidadão.
    Ouso a dizer que sem servidor não há justiça!
    Fica a reflexão para aqueles que ainda não se decidiram sobre o assunto.
    Grande abraço e, mais uma vez, parabéns pelo matéria aqui divulgada.

  20. Reflita sobre a hipótese de deixar seu salário congelado pelos próximos 10 anos.
    A “austera Presidente” como “gestora competentíssima” não esqueceu, ano passado de aumentar seu próprio salário para R$30.934,70. Esqueceu-se completamente da crise.
    A situação é fruto de uma política deliberada que visa enfraquecer o Poder Judiciário Federal que anda dando muito trabalho a ala dos “espertos companheiros”, não bastasse os de Toga.

  21. Só tenho uma pergunta a fazer para qualquer um que é contra o reajuste do judiciário: Qual dos senhores está a nove anos sem receber qualquer reposição das perdas inflacionarias? A não ser os servidores do MPU é claro.

  22. Parabéns pela isenção, imparcialidade e, principalmente, responsabilidade ao tratar do tema!

    Tenho muitos amigos da iniciativa privada (veja bem, da iniciativa privada) sem entender o porquê de o Ministro do Planejamento ter mentido sobre a nossa recomposição, chamando de “aumento” e questionando tb o porquê de termos aceitado ausência de revisão por tanto tempo, sendo que este direito nos é garantido pela constituição, art. 37, inc. X

    O povo não é bobo e tem percebido q a Presidenta, que reajustou o próprio salário em 340%, no mesmo período em que se esqueceu por completo do nosso, só quer fazer ajuste às custas do bolso do trabalhador !!

    O Senador Reguffe, que é da base aliada do governo, tem tomado medidas enérgicas de questionamento do modo como o tal “ajuste” do governo tem sido levado a efeito e, em recente levantamento, demonstrou q o governo, que tem 39 ministérios, tem também mais de 23.000 cargos comissionados, por onde poderia e deveria começar o seu “ajuste”!!!

    Marco Aurélio afirmou, em recente entrevista que, caso haja veto ao nosso projeto, a União possivelmente sofrerá a maior judicialização da história, tendo em vista que os servidores do judiciário federal (+ de 120.000 pessoas) que não tiveram a revisão anual da remuneração, prevista no inc. x da art 37 da Constituição; por tanto tempo, provavelmente recorrerão à justiça (sim à JUSTIÇA- olha q ironia!) para obtê-la a exemplo do que alguns policiais já fizeram com êxito !

    Por isso o lema da nossa luta tem sido: Justiça começa em casa!

    Então, mais uma vez parabéns pela pelo cuidado de estudar e de tratar do tema com responsabilidade, o que, infelizmente, não vem sendo feito pela maioria de seus colegas de profissão !

  23. Lembrando que: “Em 2006, o salário mínimo era de R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais) e hoje (2015) é R$788,00 (setecentos e oitenta e oito reais) representando um aumento de 125%. Neste mesmo período o reajuste nos salários dos servidores do PJU foi de 15,8%.
    Portanto está clara mais uma vez, nossa contribuição para o ajuste fiscal do país, e para a Neste mesmo período a inflação média acumulada até 2015 (IPCA. dados do BC) foi de 56,03% (dados do IBGE);
    A remuneração dos servidores do PJU não é por meio de subsídio. É composta por salário base + gratificação e algumas vantagens que não o acompanham na inatividade. Portanto essa taxa de aumento veiculada é enganosa e não reflete a verdade;
    A este respeito segue anexo tabela com a porcentagem de aumento de cada carreira. O valor de 78% é para os Auxiliares Judiciários, carreira que está em extinção e para a qual não há mais concurso. Essa taxa visa corrigir uma injustiça que se comete com eles pois realizam o mesmo trabalho de técnico ganhando muito menos.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *