Crise em família: Cabral não paga o que o estado deve à Delta, do ex-concunhado Cavendish.

Carlos Newton

Oportuna reportagem de Cláudia Antunes, publicada pela Folha, mostra que a Delta não está falida. Pelo contrário, tem R$ 4,7 bilhões em contratos em execução e R$ 450 milhões para receber de obras já concluídas, dos quais cerca de R$ 300 milhões deveriam ter sido pagos no mês passado pelo governo do Estado do Rio, comandado por Sérgio Cabral, o amigo de fé, irmão camarada e ex-concunhado do empreiteiro Fernando Cavendish, vejam só que tamanha ingratidão. Já não se pode confiar mais nem nos amigos e parentes…

O novo presidente da Delta, Carlos Alberto Verdini, que não é sócio da empresa, mas apenas trabalha para Cavendish, ainda tenta desculpar Sergio Cabral pela falta de cumprimento do compromisso com o ex-concunhado. “Não é questão de atraso [do Rio]. Acho que é problema de caixa do governo”, disse Verdini à Folha, enquanto a assessoria do governo estadual alegava que a administração pública precisa de mais tempo para levantar os valores devidos à Delta.

No Rio, a Delta deixará as obras do Maracanã e da via expressa Transcarioca, mas Verdini afirmou que a empreiteira continuará executando todos os demais 200 contratos, 130 deles para o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). E ainda tirou onda, dizendo que a empresa não seria facilmente substituída:

“Em muitas obras teria que ser feita nova licitação, com preços mais caros. O processo é demorado, o prejuízo seria grande. E quero saber como fica a responsabilidade social. Quem vai assumir o ônus de pôr 30 mil funcionários na rua?”

Traduzindo: a corrupção chegou a tal ponto que se tornou indestrutível. E não vai acontecer nada a Cabral ou Cavendish. Ele apenas perderam o que jamais tiveram – a honra.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *