Crise se agrava cada vez mais e Dilma terá de culpar Lula

Carlos Newton

A nova pesquisa Datafolha, o crescimento da manifestação pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff em São Paulo e o nunca-acabar de denúncias de corrupção, agora não somente na Petrobras mas em muitas obras do próprio governo – tudo isso são fatos que se somam e vão aumentando a tensão no Planalto/Alvorada, no Instituto Lula e no próprio PT, que não manda nada, mas distribui empregos à mancheias, como se dizia antigamente.

Não há mais dúvida de que a crise se apresenta num crescendo, não existe a menor perspectiva de arrefecer, muito pelo contrário. A pesquisa do Instituto Datafolha, publicada na edição de domingo da Folha de São Paulo, sustenta que 68% da opinião pública já responsabilizam a presidente Dilma Rousseff pela corrupção no país. É claro que este número agora só tende a aumentar, fragilizando a chefe do governo ainda mais.

A pesquisa teve demonstração prática com o crescimento número de participantes nos protestos da Avenida Paulista, que ocorrem todo sábado desde o final da eleição. Desta vez, pela fotografia panorâmica publicada na Folha, dá para constatar que a manifestação reuniu mais de 10 mil pessoas, sem falar no protesto simultâneo dos que pedem intervenção militar, que tinha pelo menos mais mil participantes. Portando, a expectativa é de que o protesto semanal ganhe cada vez mais adeptos, em função do agravamento da crise.

A ESTRATÉGIA DE DILMA

A troika formada por Planalto, PT e Instituto Lula está acuada. São sabem como reagir e, num caso desta gravidade, não há marqueteiro que dê jeito.

Nesses momentos, como sempre, Lula arruma uma maneira de submergir, fazendo de conta que não sabia de nada, não está no poder e não tem nada a ver com isso, embora todos saibam que não é bem assim.

Nesse quadro sinistro, a estratégia inicial de Dilma Rousseff, que até agora tem obtido algum resultado, é de proclamar que jamais se combateu a corrupção no Brasil como agora. Não deixa de ser uma verdade, mas acontece que esse fenômeno não pode ser atribuído ao governo dela. É fruto, única e exclusivamente, do esforço da Polícia Federal, que não tem sido incentivada pelo governo federal e vem sofrendo cortes de verbas que dificultam cada vez suas operações.

JOGANDO OS RATOS AO MAR

Com a progressiva deterioração de sua imagem, Dilma não terá alternativa. Se quiser continuar no poder e tirar o corpo fora, será obrigada a culpar Lula, José Dirceu e companhia, jogando os ratos ao mar. Mas pode ser que nem mesmo esta tentativa desesperada consiga resultado e a livre do impeachment, porque é mais do que óbvio que ela tem sido diretamente beneficiada pelo esquema de corrupção montado pelo PT para se perpetuar no poder.

Sem falar que Dilma, ministra de Minas e Energia do primeiro governo Lula, desde 2010 tinha conhecimento das irregularidades na Petrobras, por ter recebido um alentado dossiê, que já mencionamos aqui na Tribuna da Internet e lhe foi entregue por Tom Thimoteo, o principal assessor do presidente Lula no início do mandato.

9 thoughts on “Crise se agrava cada vez mais e Dilma terá de culpar Lula

  1. Caro Newton,
    Texto supimpa.
    O que me deixa cabreiro, é que este governo com tantas denúncias de corrupção ainda se sustenta no Planalto.Que “santo forte” essa anta tem?
    O Collor, por desviar dinheiro de campanha e ganhar um carro ELBA de presente,muito menos e bote muito menos nisso, do que vem acontecendo nesse governo.
    Abração.

  2. Tudo começou como nos sonhos de uma noite de verão. Um partido incorruptível, comandados por sindicalistas, a serviço dos pobres.
    No começo eram só dificuldades, o partido era até ridicularizados pelos adversários, clamavam por justiça,
    a social e chamavam a todos de ladrões.
    Com o tempo, conseguiram vencer em alguns municípios pequenos do interior, onde foram instalados os
    primeiros balões de ensaio, do que viria a ser a maquina petista que ai esta.
    Nos municípios, passaram a notar que por ser diferentes, não iriam muito longe. Dai a transformação. Resolveram agir como a maioria, ou a quase totalidade dos políticos e puseram a “MÃO NA M****”, segundo o Paulo Betty.
    Com a mudança de comportamento e ao se deparar com a facilidade de embolsar dinheiro público, a militância aderiu a nova realidade.
    O que era para ser diferente , ficou igual, ou pior, pois eram os mais famintos e sedentos de enriquecimento com o dinheiro público.
    Agora esta chegando a conta dos desmandos. Ainda que a sociedade brasileira seja tão carente de cidadania, quanto os atuais governantes, de honestidade.
    Porem ja se começa a notar, que há indignados prontos para o embate com os “fariseus”, que se lute o bom
    combate, porque com a situação atual, é impossível conviver.
    Um partido que pregava a limpeza da política, quando pode, não o fez, pior, se sujou tambem.

Deixe uma resposta para Nélio Jacob Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *