Crises política e econômica alimentam tentação golpista

Kennedy Alencar
iG Notícias

A impopularidade presidencial e a fraqueza política do governo e do PT no Congresso estimulam as conversas sobre a eventual saída de Dilma Rousseff do poder. A combinação de crise política com econômica é um risco para presidentes da República no Brasil.

O senador Aécio Neves (MG), reeleito para a presidência do PSDB em convenção no domingo, previu que a presidente não chegará ao final do mandato e disse que o partido terá “coragem para fazer o que tem de ser feito”. Outros tucanos importantes, como o senador José Serra e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também apontaram dificuldade para que Dilma possa governar até 2018.

Apesar de os principais líderes do partido não terem usado a palavra impeachment nos discursos de domingo, a fim de evitar que sejam tachados de golpistas, a saída da presidente do cargo está sendo articulada pelo PSDB.

NOVA ELEIÇÃO?

Os tucanos conversam abertamente a respeito de um eventual julgamento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que venha a condenar a presidente e seu vice, com a realização de nova eleição presidencial em seguida.

Tratam também da possibilidade de usar uma recomendação do TCU (Tribunal de Contas da União) ao Congresso para rejeitar as contas de 2014, sob alegação de crime contra Lei de Responsabilidade Fiscal por conta das pedaladas do Tesouro Nacional.

Nessa trama via TCU, o PMDB teria de se associar aos tucanos para aprovar um impeachment. Uma ala do PMDB gostaria que o vice-presidente da República, Michel Temer, deixasse a articulação política do governo para aumentar a fragilidade da presidente.

Parecem hoje dois caminhos arriscados. A saída de um presidente do cargo antes do término do seu mandato não pode ser discutida como se fosse algo natural. Não se vota impeachment ou se convoca nova eleição como se troca de roupa. Há todo um caminho jurídico e político a ser respeitado.

GOLPISMO

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, defendeu em um artigo na “Folha de S.Paulo” que seria bom um impeachment da presidente numa pedalada. Isso tem nome: golpe. Numa democracia, os mandatos devem ser respeitados. O Brasil não é uma república de bananas para permitir golpes jurídicos ou políticos.

Nesse sentido, seria importante que um partido como o PSDB, que tem dirigentes que combateram a ditadura militar, contivesse tentações golpistas em suas fileiras.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO analista político Kennedy Alencar comete um equívoco ao dizer que haverá nova eleição caso Dilma e Temer sejam cassados juntos pelo TSE. Nesta hipótese, assumem Aécio Neves e Aluizio Nunes Ferreira, da chapa que chegou em segundo lugar. Só haverá nova eleição se Dilma for cassada primeiro e Temer cassado depois de assumir. (C.N.)

35 thoughts on “Crises política e econômica alimentam tentação golpista

  1. O Kennedy Alencar recebe do governo por este tipo de post? Se ele já tivesse lido a Constituição, saberia o tamanho da própria ignorância.

  2. Analista Político?
    Muito bom!
    Carlos Newton,
    Amigo,
    A partir de agora,sou neurocirurgião!
    Quando alguém precisar estou à disposição.
    Ou vocês preferem o Dr.Paulo Niemeyer?

  3. Golpe?, onde está o golpe, Kennedy Alencar?É a Constituição Kennedy Alencar chapa-branca.Kennedy ex-assessor do governo Lula e recebedor de dinheiro das estatais para escrever lorotas em favor deste governo, inapto, burro, incompetente. Uma estrovenga que os imbecis(não todos) dos brasileiros colocaram no Planalto.
    E o Collor de Mello, Kennedy Alencar ,foi golpe?Não, né? Foi teu partido que comandou o impeachment poe isso…
    Por fim esse articulista me dá nojo.Quando vejo a cara dele no “face” tenho vontade de vomitar. E tenho dito.

  4. Só em 2014, Kennedy Alencar recebeu R$ 16.231,09 mensais em propaganda das empresas comandadas pelo Palácio do Planalto para falar bem dos desmandos dos governos Dilma+Lula+PT.

    Quem tiver estômago pra ler a reportagem completa, publicada no Blog do Fernando Rodrigues. Preparem o pinico, pois dá vontade de vomitar.

    Leia mais em: http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2015/07/02/publicidade-federal-para-midia-alternativa-vai-a-r-92-milhoes-em-2014/

  5. Por: Roberto Freire no Blog do Noblat

    Basta folhear as páginas dos principais jornais brasileiros para constatar que o país alcançou um ponto de combustão política de consequências imprevisíveis. Emparedada em diversas frentes, com a corrupção revelada pela Operação Lava Jato que levou às suspeitas sobre ilegalidades na prestação de contas de sua campanha eleitoral, Dilma Rousseff demonstra absoluta inaptidão para o cargo e acumula declarações estapafúrdias que mostram o descontrole da presidente da República.

    A constrangedora entrevista da petista à “Folha de S.Paulo” na última terça-feira (7), em que acusa as oposições de “golpistas” e desafia o Congresso Nacional, traz à tona uma postura imperial muito semelhante àquela adotada pelo ex-presidente Fernando Collor momentos antes de ser alvo de um processo de impeachment. Antes tratado de forma comedida pela opinião pública, o eventual afastamento de Dilma entrou definitivamente na pauta nacional e está na ordem do dia. Não se sabe o que o futuro nos reserva, mas o clima no país é de que vivemos os últimos capítulos de um dos mais desastrosos governos da história republicana.

    A acusação bravateira de que falar em impeachment é uma atitude golpista não se sustenta diante da lógica, das leis e dos fatos. Dilma e o PT, afinal, sabem muito bem que se trata de uma ferramenta constitucional, regulamentada por lei, à qual o país já recorreu uma vez, em 1992, quando Collor deixou o cargo antes da conclusão de seu mandato. Na ocasião, o PT apoiou o impeachment votado pelo Congresso e não qualificava seus entusiastas como “golpistas”.

    À crise econômica pela qual passa o país graças à irresponsabilidade de Lula, Dilma e dos governos do PT, se soma neste momento uma grave crise política que tem recrudescido com rapidez espantosa. As possibilidades que hoje se colocam são a cassação do mandato pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que investiga a utilização de recursos desviados da Petrobras na campanha eleitoral de 2014, ou a rejeição das contas do governo pelo Congresso Nacional com base no parecer do Tribunal de Contas da União (TCU) em decorrência das “pedaladas fiscais”, que configuram evidente descumprimento à Lei de Responsabilidade Fiscal.

    Na primeira hipótese, Dilma seria afastada automaticamente, assim como o vice Michel Temer – o presidente da Câmara dos Deputados assumiria o cargo e novas eleições seriam convocadas. No segundo caso, com a reprovação das contas pelo TCU, poderia ser instaurado no Congresso um processo de impeachment da presidente por crime de responsabilidade. Além de tudo isso, muito se fala sobre uma eventual renúncia de Dilma, o que não pode ser totalmente descartado.

    Enredada pelos desdobramentos do petrolão, abandonada por Lula e pelo PT e rejeitada pela população, Dilma não tem mais nada a oferecer aos brasileiros. O impeachment não é fruto de meras vontades ou desejos, mas algo que pode se impor diante da ingovernabilidade para a qual o país caminha de forma célere. Chegou a hora de as forças republicanas assumirem suas responsabilidades e, respeitando a Constituição e as instituições, estarem prontas para o encaminhamento de uma solução democrática para a crise. Vivemos os estertores de um desastre político do qual o Brasil não sentirá saudade.

    Roberto Freire é deputado federal por São Paulo e presidente nacional do PPS

  6. Seria melhor se ficasse calado, primeira vez que assisti dar opinião sobre política, fiquei abismado, é um defensor nato deste governo do PT, nunca mais assisti suas opiniões sem sentido, é uma vergonha, melhor se declarasse que é a favor de tudo que aconteceu até agora.

  7. Esse Kennedy está passando um atestado de idiota para si ou está pensando que o mundo é constituído apenas por petistas. Keneddy, pegue qualquer dicionário e leia o significado da palavra golpe. És um demente.

  8. Não acredito que o senador Aécio Neves (MG) possa fazer um bom governo, caso chegue à presidência, tendo em vista o desgoverno que fez em Minas Gerais. Todavia, só nos resta torcer por um país melhor.

  9. Golpe que o país está sentindo, foi a tomada do poder pelo PT com as respectivas corrupções institucionalizadas, com a gastança indiscriminada, o empreguismo, o populismo barato e o enriquecimento da companheirada, levando o país para uma situação crítica.
    Na verdade, Nem Lula e muito menos a Dilma tinham condições de exercer a Presidência da República. Lula sem projeto de governo, governou com a ajuda da base aliada comprada com
    Ministérios e cargos, sem um projeto de nação, empurrou com a barriga, deu sorte e viajou em céu de Brigadeiro durante os 8 anos de seu governo.
    É uma vergonha ter como Presidente do país uma cidadã sem um minimo de capacidade, inexperiente e incapaz, em que o seu marqueteiro é a figura mais importante do seu governo. O Brasil tem pressa, não se pode esperar até o navio afundar. O PT já mostrou a que veio, são 12 anos de desgoverno e assistencialismo. Em sã consciência, com a Dilma no poder alguém pode ter esperança no futuro do país? Querer a saída da Presidente Dilma não é golpe está previsto nas leis, é a eliminação de um mal que está desmoralizando e afundando o Brasil.

  10. Crise alimentada e conduzida pelo Foro de São Paulo, que é o grande fomentador do golpe bolivariano na terra brasilis.
    Esse pretenso jornalista conseguiria elaborar uma simples análise sintática?
    Kennedy, um analista político !? Menos, caro jornalista – você sim! – C. Newton, menos.

  11. Esse incapaz mostra a que ponto chega a degradação humana em troca de uns trocados. Um verme desse, sem qqr estofo cultural ou preparo, tem espaço na mídia para cacarejar bestialidades.
    Tomas vergonha nessa sua cara e fala da corrupção em que se meteu teus irmãos:a lavanderia de grana roubada via gráfica fantasma.

  12. A maior bobagem que alguns falsos democratas dizem, é que “Numa democracia, os mandatos devem ser respeitados.” Antes, se tivessem tanto apreço pela democracia, deveriam cobrar dos eleitos respeito aos mandatos que receberam.Ora, roubam, prevaricam, mentem e tudo mais e devemos respeitar os mandatos que receberam?
    Não! Retirar mandato de safados, pilantras, vigaristas, deveria ser algo mais fácil e mais rápido. O país fica sangrando, penando e perdendo. Enquanto isto, elles, aqueles que usam os mandatos para enriquecer, usando o tempo para destruir provas, ameaçar pessoas e escolher para onde fugirão.
    Afinal, se há algum golpe, quem o está aplicando em quem?
    Tem pessoas que, sem noção ou qualquer pingo de bom senso, defendem culpados a qualquer custo e a custo elevado.
    Dillma, ainda não caiu ou foi jogada para fora,pela ignorância, incapacidade e falta de nacionalismo de boa parte do povinho brasileiro.

    • É isso mesmo, Fallavena. Eles (os eleitos) aqui confundem os dois personagens do mandato, mandante com mandatário. Nós eleitores, é quem somos os mandantes, que outorgamos a eles, mandatários, um mandato (uma autorização) para que cuidem para nós daquilo de que não podemos cuidar diretamente ( o nosso país). Eles são eleitos para trabalhar para nós. Só que eles acham, pelo contrário, que um mandato os transforma em mandantes. Isto tem um nome legal: espoliação. Falta no nosso sistema político uma maneira dos eleitores removerem os mandatos dos maus mandatários sem ter que esperar o fim do contrato, como existe em alguns países.
      Enquanto não temos essa ferramenta, temos de nos contentar com o impeachment.

  13. Boa noite,leitores(as):

    Senhor Kennedy Alencar,será que no cenário politico-partidário Brasileiro não exista um unico politico”DECENTE/HONESTO”,que não seja da indole dos seguintes politicos LESA-PÁTRIA do PSDB e outros partidos,senador Aécio Neves (MG),senador José Serra e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso?

    OBS.: O povo Brasileiro muitas vezes é tido/tachado como sendo/tendo memória curta,o senhor concorda?

  14. Questiono, curioso, para saber como devem ser tratados os que chamam de otários aqueles que exigem a saída da presidente Dilma por razões óbvias.
    Como seriam definidos?
    Idiotas conscientes?
    Cúmplices de ladrões?
    Babacas?
    Será que custa a entender que não se trata trocar por trocar, mas interromper a série de desmandos, descalabros, roubos, assaltos ao erário, imoralidades e falta de ética, que têm caracterizado as administrações do PT?
    E, se Aécio, que já não é trigo limpo, seguir pelo mesmo caminho, fora com ele ou quem substituir a incompetente e mentirosa Dilma!

    • Por essas e outras que muita gente boa se afastou do blog!
      Chamar de otário quem quer a saída da Dilma por todo o mal que ela fez e ainda continuará prejudicando o povo e o Brasil, só mesmo um cara muito imbecil!

  15. Eliana e Wilson
    Antes de realizar-se uma reforma política/partidária séria, que dê condições de pessoas normais/honestas possam participar como candidatos/eleitores, é impossível.
    Sem contar que, ainda ficaremos nas mãos de eleitores despreparados e incultos. para estes, o voto facultativo poderá resolver, pelo menos em parte.
    Assim, por mais absurdo que pareça a alguns juristas e fazedores de pareceres, sempre defendi e continuo defendendo uma Comissão Especial e um plebiscito para a grande mudança.
    Os atuais senadores/deputados federais, mais uma vez, comprovam que pessoas com mandatos em vigor e profissionais da política vigente não tem condições de reformar nada, quanto mais realizar uma reforma digna.
    Os interesses são muitos e enormes. Não aceitariam eliminar a possibilidade de se reelegerem.
    Abraço e saúde.

  16. Esse Alencar que se diz “jornalista”, não passa de um chapa branca que vendeu a alma ao diabo ou seja, é um safado traidor da pátria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *