Crítica social envernizada com suspense: “Canção de ninar” impacta desde o início

Júlia de Aquino
Instagram literário @juentreestantes

“O bebê está morto. Bastaram alguns segundos. O médico assegurou que ele não tinha sofrido (…). A menina, por sua vez, ainda estava viva quando o
socorro chegou. Resistiu como uma fera”.
Essas são as primeiras frases do livro “Canção de ninar”, da escritora e jornalista franco-marroquina Leïla Slimani. Apesar dos elogios, demorei para ler, mas valeu a pena. Não li, devorei. Foi uma leitura de dois dias que me prendeu do início ao fim!

HISTÓRIA – Myriam e Paul são pais de duas crianças. Quando ela, advogada, decide voltar a trabalhar fora, eles tentam encontrar a babá perfeita. E se encantam com Louise: educada, dedicada, paciente… Aos poucos, a relação
normal se torna de dependência mútua entre a família e Louise – até que acontece uma tragédia.

CRÍTICA SOCIAL – No início, achei que seria um livro de suspense e investigação. Nesse sentido, fiquei frustrada (então, para quem quer algo nessa
linha, não é a melhor opção). Porém, ele superou minhas expectativas como um todo! Trata-se de um thriller psicológico com grande dose de crítica
social, cuja sinopse “engana” e aparentemente promete mistério e investigação de crime. 

Em diversos aspectos, lembra o filme “Que horas ela volta”, protagonizado por Regina Casé. Os personagens formam o “cenário burguês” clássico: pais modernos que delegam tudo de seus filhos à babá enquanto focam no trabalho e vivem um alto padrão de vida, sem se preocupar com a “humanidade” da funcionária.

A MULHER NA SOCIEDADE – O livro também aborda os papeis e dilemas das mulheres na sociedade: desafios da maternidade, carreira, como ser mãe, esposa e filha. Myriam (a mãe das criaças) é a personificação de todos esses desafios e questões, e em diversas situações reflete a angústia e os dilemas dos diversos papeis que a mulher deve exercer ao mesmo tempo – cobrada,
principalmente, por amigos, familiares e pessoas mais próximas.

É interessante enxergar a personagem tendo em vista essa realidade moderna, principalmente no que diz respeito a ser mãe e tentar voltar ao mercado de trabalho.

NARRATIVA – Perturbadora, intensa e impactante. Assim é a narrativa da autora. Com frases e capítulos curtos, ela mostra os pontos de vista de todos os personagens, e temos uma noção mais ampla do que se passa na cabeça de cada um. Isso nos dá acesso a suas diversas emoções e compreendemos suas motivações de forma completa.

Por conta disso, é uma ótima opção para fãs de Psicologia. E o fato de ser um livro curto não prejudica em nada. Pelo contrário: Ele é objetivo e certeiro nas informações que importam. Apesar de “apenas” 192 páginas, ele nos faz refletir sobre questões sobre as quais não pensamos normalmente e prende do início ao fim.

Livro: Canção de ninar
Autora: Leïla Slimani
Editora: Tusquets Editores
Páginas: 192

###
TRECHOS MARCANTES
• “Ao entrar no quarto onde jaziam os filhos, ela soltou um grito, um grito das profundezas, um uivo de loba”.

• “À noite, no conforto dos lençóis frescos, o casal ri, incrédulo, dessa nova vida que levam. Claro, o salário de Louise pesa no orçamento familiar, mas Paul não se queixa mais. Em algumas semanas a presença de Louise se tornou indispensável”.

• “Isso nuca foi abertamente dito, nunca conversaram sobre isso, mas Louise construiu pacientemente seu ninho no meio do apartamento”.

• “E foi então que ela ouviu. A maioria das pessoas vive sem jamais ouvir gritos assim. São gritos que existem apenas na guerra, nas trincheiras, em
outros mundos, em outros continentes. Não são gritos daqui”.

• “Ela imagina então uma vida em que ela teria dinheiro para tudo. Em que ela apontaria, para uma vendedora afetada, os artigos que lhe interessassem”.

• “Louise é um soldado. Avança, custe o que custar, como um animal, como um cachorro que teve as patas quebradas por crianças malvadas”.

• “O destino é perverso como um réptil, ele sempre dá um jeito de empurrar a gente pro lado ruim do caminho”.

• “- De verdade, eu não entendo. – Você não devia tentar entender tudo. As crianças são como os adultos. Não há nada para entender”.

5 thoughts on “Crítica social envernizada com suspense: “Canção de ninar” impacta desde o início

  1. “À noite, no conforto dos lençóis frescos, o casal ri, incrédulo, dessa nova vida que levam. Claro, o salário de Louise pesa no orçamento familiar, mas Paul não se queixa mais. Em algumas semanas a presença de Louise se tornou indispensável”.

    Este peso no orçamento poderia deprimir um homem consciente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *