Cronologia da tragédia em Brumadinho mostra que a culpa é mesmo da direção da Vale

Resultado de imagem para

Schvartsman mentiu vergonhosamente na entrevista coletiva

Carlos Newton

Para que não pairem dúvidas sobre a culpa que recai sobre a direção da Vale S/A, é preciso fazer a cronologia dos fatos que envolvem a reativação da mina do Córrego do Feijão, que fica em Brumadinho e faz parte de uma das mais importantes reservas ambientais do Sudeste, o Parque Estadual da Serra do Rola-Moça. Abrangendo áreas dos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho, é o terceiro maior parque em área urbana do país, abrigando mananciais que são indispensáveis ao abastecimento de água a Belo Horizonte e a municípios vizinhos.

19 DE NOVEMBRO – Reúne-se o Conselho Consultivo do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça  para decidir sobre licenciamento para atividades de mineração nessa importantíssima reserva ambiental.  

Por expressiva maioria, o Conselho Consultivo votou a favor da operação de três minas nessas áreas protegidas por legislação ambiental, e uma delas era justamente a jazida do “Córrego do Feijão”, da Vale.

11 DE DEZEMBRO – A Secretaria Estadual do Meio Ambiente aprova pedido da Vale para reabrir a mineração no Córrego do Feijão e reaproveitar os rejeitos do minério.

A licença teve aprovação, mas foram feitas várias exigências e o representante do Ibama advertiu que havia alto risco de rompimento da barragem, caso os rejeitos de minério fossem revolvidos para serem reaproveitados.

17 DE DEZEMBRO – Como era de se esperar, o Ministério Público de Minas Gerais não aceitou a decisão do Conselho do Parque Estadual e recomendou ao diretor-geral do Instituto Estadual de Florestas que não concedesse ou expedisse – ou anulasse, caso já tivesse concedido ou expedido – qualquer autorização para atividades minerárias ou de transporte de minério projetadas para ocorrer dentro dos limites do Parque Estadual do Rola Moça.

25 DE JANEIRO – Sem ter cumprido as exigências feitas pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e desrespeitando o parecer do Ministério Público e a advertência do Ibama, a Vale reativou a mina, contratou centenas de trabalhadores, inclusive terceirizados, e começou a revolver os resíduos da barragem do Córrego do Feijão, para reaproveitar as sobras de minério.  

Conforme o representante do Ibama previra, a movimentação dos rejeitos sólidos provocou o rompimento da barragem e ocorreu a tragédia anunciada, matando centenas de pessoas e destruindo tudo que havia pela frente.

SCHVARTSMAN MENTE – Contra fatos não há argumentos, diz a prática forense. Diante dessa cronologia dos acontecimentos, que é rigorosamente verdadeira, fica claro que o presidente da Vale, engenheiro Fábio Schvartsman, mentiu ao convocar entrevista coletiva e afirmar que a mina do Córrego do Feijão estava desativada desde 2015 e por isso o acidente ecológico seria menos grave do que a tragédia de Mariana.

Ao contrário, na verdade a atividade de mineração em Brumadinho tinha sido reativada ilegalmente, sem cumprimento das exigências feitas pela Secretaria do Meio Ambiente, e já havia centenas de trabalhadores atuando na retirada dos rejeitos que estavam na barragem, para que houvesse reaproveitamento do minério ainda existente.

SILÊNCIO ATROZ – A grande mídia pode até se calar, porque a Vale é uma grande anunciante e sabe manobrar os bastidores da comunicação social, mas todas as denúncias feitas com exclusividade pela “Tribuna da Internet” não podem se desmentidas, e a verdade acabará prevalecendo, é apenas questão de tempo.

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, já está convicto da responsabilidade da direção da Vale e diz nesta segunda-feira que o governo tenta encontrar uma maneira jurídica de demitir a diretora da empresa. Não irá conseguir, porque a Lei das S/A (art. 140) dispõe que a destituição só pode ocorrer em assembleia-geral de acionistas.

Já que o governo não conseguirá afastar a diretoria da Vale,  pelo menos poderia mandar prender seus integrantes com base na jurisprudência penal, enquadrando-os como “autores imateriais”, responsáveis pelo fato, e justificando o flagrante como “crime permanente”, cujos efeitos ainda permanecem.

###
P.S. 1
É evidente que tudo isso só funciona na teoria, porque na prática quem continua mandando neste país são as elites. Em qualquer nação realmente civilizada, os responsáveis por essa matança em série já teriam sido algemados diante das câmaras de TV, como ocorreria em nossa Matriz (ou Matrix), os Estados Unidos. Mas aqui na Sucursal Brasil as coisas ainda funcionam de forma primitiva, digamos assim.

P.S. 2Fica claro também que o presidente da Vale entendeu de forma equivocada o recado de Jair Bolsonaro, que na campanha eleitoral prometeu acabar com a ditadura dos ambientalistas. Sem dúvida, Schvartsman julgou que tinha virado James Bond e ganhara licença para matar. (C.N.)

9 thoughts on “Cronologia da tragédia em Brumadinho mostra que a culpa é mesmo da direção da Vale

  1. Esclarecedora cronologia. A dúvida que tenho ainda é se um dia de trabalho de manipulação de rejeitos já seria suficiente para o rompimento. Se isso for tecnicamente possível, estamos lidando com crime doloso. Outra duvida é se os funcionários acompanharam as decisões da diretoria. Deve haver membro representante de funcionarios no conselho, mas como votou esre conselheiro?

  2. Gostaria de trazer uma visão diferente sobre o assunto.
    No meu entendimento, a principal responsabilidade é da Defesa Civil. Explico.
    1) Sou ligado a Defesa Civil desde 2001, tendo trabalhado nos níveis municipal e estadual. A única experiência nacional foi uma visita ao CEMADEN, que tem por maior preocupação as chuvas, alagamentos e deslizamentos de encostas, até pq, como tudo no Brasil é a política do cadeado arrombado, sua criação foi uma resposta aos desastres causados por este elemento da natureza;
    2) E a DC é a única responsável por coordenar todos os órgãos relacionados ao assunto, podendo e devendo atuar de forma primordialmente preventiva. Qualquer outro órgão irá se ater apenas na sua área de atuação. Quem tem a visão geral é DC, ou deveria ter;
    3) O que se observa é a DC atua muito bem nos resgate e se houve resgate de vítimas, é pq alguma coisa falhou no planejamento de prevenção ou a magnitude do evento danoso extrapolou tudo o que se havia imaginado inicialmente;
    4) De igual forma, se houve danos ambientais e materiais graves ou de grandes proporções, é pq não houve um adequado planejamento de contenção. E é o que se percebe nas duas ocasiões, em Mariana e em Brumadinho.
    5) Não importa se tem a melhor barragem, com a melhor legislação ou fiscalização sobre a mesma. A DC perguntará sempre “E se…” e para cada resposta, uma ação ou conjunto de ações.
    6) A legislação permite que a DC interdite um local ou atividade, se ela oferecer risco de danos, seja humano, social, ambiental, material, etc. Risco sempre haverá, mas medidas sempre podem ser tomadas para evitá-los ou diminuí-los.
    7) Dá uma pena ver os socorristas se arrastando na lama ou cavando o ônibus com as mãos, sendo que existem equipamentos que poderiam ser utilizados nas duas situações, como exemplos, hovercrafth e as escavadeiras anfibias.
    Se não tem o equipamento no mercado, a DC deveria acionar o MCT, do Ministro Pontes, para que seja desenvolvido.
    8) Por fim, o custo da prevenção seria infinitamente inferior à perda do valor de mercado da Vale, bem como ao custo dessa operação de resgate e contenção dos danos humanos, sociais e ambientais.
    O assunto é longo, mas fica a mensagem que a nossa DC deveria ter mais investimentos pelas esferas de governo e ser mais valorizada.
    Abraços

    • Esta informação está nos noticiários. Apenas me dei ao trabalho de ordenar os dados, segundo a cronologia. e nem deu muita mão de obra, amigo.

      Forte Abraço,

      CN

  3. Marcos bispo, concordo 100% com você. Nossa defesa civil, mal aparelhada e despreparada para atender grandes desastres. Veja o trabalho da FEMA nos EUA ou do Japão. Em poucos dias resgatam, limpam, consertam , combatem grandes desastres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *