Cunha desce, Temer sobe e Dilma encara o sinal vermelho

De olho no poder, Temer está de volta aos bastidores

Percival Puggina

O indiciamento de Eduardo Cunha funcionou, para ele, como o corte dos cabelos para Sansão. Não há Força Sindical que substitua a energia e o dinamismo que o matreiro presidente da Câmara vinha exibindo nos últimos meses. O povo brasileiro e nossos congressistas, bem sabemos, somos muito exigentes sob o ponto de vista moral. Pintou sujeira, caiu em desgraça, não é Renan?

Com Cunha em desgraça, o bolo de apostas volta-se para Michel Temer. O vice-presidente tem tudo para ser o Itamar Franco paulista. Assim como o vice de Fernando Collor, que acabou sendo bom presidente, Temer está longe de ser um político tradicional, populista e demagogo. Mas conhece o jogo e está jogando. Ao comunicar seu afastamento da coordenação política, calçou as chuteiras. E sabe que vai precisar de caneleiras.

Sábado, dia 22, em seu blog na Veja, Felipe Moura Brasil, assim escreveu:

1) O vice-presidente Michel Temer, que se prepara para deixar a articulação política do governo, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, encontraram-se em São Paulo na sexta-feira. Espero que Temer tenha concordado com o roteiro do impeachment de Dilma.

2) Para aliados ouvidos pela Folha, se Temer antecipar o congresso do PMDB marcado para novembro, dará a ‘senha’ para o avanço do processo de impeachment. #AntecipaTemer!

3) Um peemedebista, segundo o jornal, aposta que a saída de Temer da articulação política aumenta o risco de Dilma não se sustentar no cargo. Nunca tivemos dúvida disso.

4) Razões de Temer para deixar a articulação, de acordo com informações da Folha e da Veja:

– Constantemente desautorizado por Dilma, perderia seu capital político;

– Ex-chefe de gabinete de Dilma, Giles Azevedo, recebeu membros da CPI do BNDES sem que Temer soubesse;

– Dilma não o chamou, por exemplo, para a reunião ampliada com membros do governo alemão;

– Dilma arbitrou pessoalmente uma disputa entre PSD e PP pelo comando da CBTU, companhia de trens urbanos.

5) Resumindo: Por não confiar em Temer, julgando que ele conspirava pelo impeachment, Dilma o sabotou como articulador político, o que acelerou o impeachment. #ObrigadoDilma!

EM BAIXA

É uma análise com a qual concordo. Ela expressa, também, que só Dilma não tem como subir. O peso próprio não a ajuda. Ela mesma e seu partido puxam-na para baixo. Já o PMDB tem um compromisso ideológico com Machiavel. Faz o jogo do poder. E o partido percebeu que o PT a curto e médio prazos já era. A sinaleira trancou no sinal verde para o partido que, um dia, foi de Ulysses Guimarães. E o sinal para o PT travou – ora vejam só! – no vermelho.

 

3 thoughts on “Cunha desce, Temer sobe e Dilma encara o sinal vermelho

  1. DEUS NOS OUÇA!
    QUALQUER SAÍDA QUE SIGNIFIQUE A EXPULSÃO DA PRESIDANTA E DOS PETRALHAS DO PODER É BEM VINDA!
    SEJA COM TEMER, SEJA COM NOVAS ELEIÇÕES(O QUE SERIA IDEAL), QUALQUER COISA QUE TIRE ESSA QUADRILHA PETRALHA DO PODER!
    SÓ A PARTIR DAÍ VAI SER POSSÍVEL SE PENSAR EM CONSERTO E RECUPERAÇÃO DO PAÍS!

Deixe uma resposta para Willy Sandoval Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *