CUT e sindicatos agora protestam contra governo e Petrobras

rabalhadores do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) protestam diante da sede da Petrobras, no centro do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (24). Eles paralisaram as obras de construção da planta de processamento de gás da unidade, (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)

Deu na Agência Brasil

Organizado pela CUT e diversos sindicatos, um ato público em frente à sede da Petrobras reuniu milhares de pessoas, nesta segunda-feira, para reivindicar a conclusão das obras de uma refinaria da estatal, onde originalmente havia sido projetado o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Os manifestantes também pediram a volta de encomendas da companhia a estaleiros do Rio e de Niterói. Tanto as obras do Comperj quanto a paralisação de encomendas de navios e plataformas ocorreram após o prejuízo financeiro da companhia no último ano e as denúncias da Operação Lava Jato.

Participaram da manifestação prefeitos e representantes de 15 municípios que estão sendo atingidos diretamente pela paralisação das encomendas e da decisão de não prosseguir com o Comperj. Uma comissão formada pelos prefeitos de Itaboraí, Helil Cardoso, e de Niterói, Rodrigo Neves, além de deputados e líderes sindicais, foi recebida por funcionários da área técnica da estatal, embora o objetivo fosse uma audiência com o presidente da companhia, Aldemir Bendine.

BENDINE SUMIU

À saída, o prefeito de Itaboraí protestou pela ausência de Bendine na reunião. “Nós não estamos satisfeitos, porque não fomos recebidos por quem decide. O Bendine não nos atendeu. Simplesmente botou uma comissão para nos atender”, disse Helil, à saída do prédio. Segundo Helil, existe a expectativa da participação de dois grupos internacionais para terminar de construir o restante da refinaria, estimado em 18%.:“Hoje o que falta é vontade da presidência da Petrobras para que se concluam as obras.”

Rodrigo Neves disse que o movimento deve continuar, para que a economia dos municípios e do estado não sofram mais com a interrupção dos investimentos. Niterói é o principal polo naval do país, abrigando diversos estaleiros, boa parte deles voltada para a construção de plataformas, navios de apoio e petroleiros encomendados pela Petrobras. Segundo Neves, dos 40 mil trabalhadores que esses estaleiros tinham, até dois anos atrás, hoje restam cerca de 20 mil.
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEu estava lá e vi. Havia milhares de manifestantes que protestavam contra a paralisação da Comperj e contra a venda de ativos da Petrobras. O trânsito na cidade virou uma loucura.  Os manifestantes da CUT e de diversos sindicatos criticavam abertamente o governo e a própria Petrobras. Somente das cidades vizinhas vieram dezenas de ônibus e a PM teve de organizar um enorme estacionamento no bairro da Glória, com trânsito parcialmente paralisado. Repetindo, para ficar claro: foi uma manifestação importante, contra Dilma e o governo do Brasil. (C.N.)

15 thoughts on “CUT e sindicatos agora protestam contra governo e Petrobras

  1. Totalmente desfocados. Não vemos a CUT se pronunciar contra a corrupção na empresa. Esses trabalhadores serão os primeiros prejudicados pela política do governo, que eles apoiaram e apoiam. São usados como massa de manobra e sequer se dão conta disso.

    • Prezado Tarciso,

      Seu comentário é lúcido e coerente. A CUT é o braço sindical do PT, fundada pelo PT e” Organizado pela CUT e diversos sindicatos, um ato público em frente à sede da Petrobras reuniu milhares de pessoas, nesta segunda-feira, para reivindicar a conclusão das obras de uma refinaria da estatal, onde originalmente havia sido projetado o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).”. O PT, que a CUT apóia, foi quem quebrou a Petrobras, que é agora reclamada para concluir as obras do Comperj. Não sabem que a Petrobras, por causa deles, não tem mais dinheiro ? A CUT tem alguma moral para exigir que a Petrobras recomece as obras do Comperj ? Porque a CUT não vai fazer um ato público lá nas prisões do Paraná para exigir que os empreiteiros devolvam à Petrobras o dinheiro surrupiado da empresa com licitações superfaturadas ? Porque a CUT não organiza um ato público em frente ao Congresso Nacional exigindo que os deputados e senadores do PT, PMDB e PP devolvam à Petrobras, bilhões de dólares, que eles enfiaram no bolso, de propinas ? Afinal o PT, o PP e o PMDB são aliados da CUT. Se a Petrobras receber de volta os bilhões de dólares que lhe foram roubados, poderá perfeitamente recomeçar as obras do Coperj. Com o governo federal quebrado e com as finanças no vermelho, tocar a obra é impossível. O governo não tem mais dinheiro nem para pagar os aposentados do INSS !

  2. O Rodrigo Neves Prefeito de Niteroi morador do Leblon ? Um ‘exemplo ‘ de homem publico …kkk.
    Ele enquanto deputado deu o titulo de cidadao carioca ao Gordao da UTC
    Fora isso jantava regularmente com varios empreiteiros da Lava Jato no restaunte Alecrim no Flamengo, para tratar da ‘modernizacao do centto’.
    A maioria das despesas de Niteroi sao feitas atraves de fundacoes pouco transparentes e ate hoje a prefeitura nao cumpre a Lei de Acesso a Informacao.
    Esta bem enrolado no MP.

    • Esqueci
      O Rodrigo em parceria com a UFF e uma empresa holandesa esta realizando um estranho projeto de um hotel flutuante.
      Ao que eu saiba nem a outorga presidencial da area existe…

    • Virgilio, sou moradora de Niterói e o sacripanta do Rodrigo Neves não é morador do Leblon, isso é muita areia para o caminhão dele. Ele mora em Niterói, mais precisamente à rua Vereador Duque Estrada.

  3. Certamente que para essa manifestação CONTRA o governo a petralhada não forneceu pão com mortadela a esses “irmãos também vermelhos”!

    Vejam a que ponto de contrariedades chegou essa nau sem rumo chamada Brasil:

    – Num dia imensa turma (“de aluguel”???) protesta em defesa do desgoverno (PilanTra). Noutro dia essa mesma turma protesta CONTRA o desgoverno.

  4. Este ato público em frente a Petrobrás está errado, deveria ser em frente o palácio do planalto, mas isto a CUT não tem coragem, pois atingiria a principal culpada desta desorganização da economia e destruição da Petrobrás, a CUT é pau mandado do PT e não dos sindicatos filiados, é preciso ter coragem e enfrentar quem está destruindo a Petrobrás, os estaleiros e os sindicatos.

  5. Gozado, só agora a pelegaiada acordou ? Tempos atrás quando os trabalhadores de Itaboraí estavam em greve os pelegos da CUT mandaram uns bate estacas dispararem tiros contra a assembleia…
    ” Funcionários dos consórcios atuantes nas obras Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, na região leste do Estado do Rio, voltaram a entrar em confronto na madrugada desta quinta-feira (6). Os trabalhadores reivindicam melhores condições de trabalho e reajuste salarial de 15%. Dois operários teriam sido baleados durante o protesto.

    A ação não tem o respaldo do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e Pesada, Montagem e Manutenção (Sinticom) da região, que teve um carro incendiado no protesto de ontem, na BR-116. Para o assessor do Sinticom, Marcos Hartung, os conflitos têm um fundo político. “O Comperj é uma obra muito grande, são 28 mil homens. É muito cobiçada por gerentes sindicais. Desde 2011 temos problemas com grupos radicais”, disse. “Eles querem tomar o sindicato. Tem R$ 800 mil de arrecadação por mês por trás. Cresceu o olho.”

    O assessor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ), Ronaldo Moreno, que acompanha a situação em Itaboraí, afirmou que os dois operários atingidos por tiros (um na mão e outro no abdome) foram encaminhados ao hospital municipal. “Foram seguranças contratados pelo sindicato”, acusou Moreno. O grupo planejava fazer uma caminhada até o hospital e depois seguir até a delegacia da cidade para denunciar a violência.

    Hartung devolve as acusações. “Há muitos profissionais pagos por esses radicais e que estão armados. Nós não somos gângsteres, somos dirigentes sindicais sérios”, disse. Hoje, segundo o assessor do Sinticom, haveria uma assembleia para discutir as reivindicações dos trabalhadores, mas a convocação foi adiada, ainda sem nova data para ocorrer. “Estamos negociando com os patrões. Estão fazendo intriga”, acrescentou.
    – See more at: http://cspconlutas.org.br/2014/02/funcionarios-do-comperj-sao-baleados-em-protesto-em-itaborai/#sthash.DkJiXyDW.dpuf

  6. E mesmo com o Wagner Freitas ( Conselho BNDES) tendo sido enquadrado pelo MPF/DF a delinquência continua …..

    A declaração do presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, de que os defensores da presidente Dilma Rousseff sairiam as ruas, entrincheirados, de arma nas mãos para defender o mandato da petista, parece ter inspirado o presidente da Câmara de Vereadores de Porto Seguro, no sul da Bahia, Élio Brasil, do PT. Na semana passada, ele replicou, por meio do Whatsapp (aplicativo do celular), mensagens contendo texto similar, para seus seguidores.

    As mensagens foram postadas após as manifestações ocorridas na cidade contra o impeachment de Dilma, organizadas por entidades da base do governo, em todo o país, na quinta-feira, 20.

    “Se for preciso, pegaremos em armas para defender a democracia e o governo eleito democraticamente pelo povo”, dizia um dos textos enviados pelo chefe do legislativo de Porto Seguro.

    Pouco depois, em outra mensagem, Brasil voltou a afirmar que pegaria em armas e lembrou que na época da ditadura líderes que hoje fazem oposição ao governo, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador José Serra, ambos do PSDB, foram exilados.

    Élio é também dirigente do sindicato que representa funcionários de hotéis e restaurantes da região e filiado à CUT.

    Tal e qual o dirigente nacional da entidade, o vereador se justificou afirmando que usou o termo “pegar em armas” no sentido figurado, e justificou o discurso em tom mais áspero à pratica nos movimentos sociais e sindical, dos quais é originário.

    “Quando falamos em armas não nos referimos a fuzis e outros equipamentos bélicos similares, mas às armas de sempre dispuseram os movimentos sociais, como mobilizações, conscientização da população, greve e outras ações do tipo. Faremos tudo que estiver ao nosso alcance para garantir o mandato legítimo da presidente Dilma, com cerca de 54 milhões de votos”, voltou a frisar.

    Élio Brasil disse também que em razão da vida parlamentar ativa, sequer tomou conhecimento das palavras proferidas por Vágner Freitas e que tudo não passou de coincidência. “Somente após o meu discurso é que fiquei sabendo da declaração do presidente da CUT”, comentou.

    O presidente da CUT se posicionou favorável ao uso de armas e trincheiras nas ruas ao discursar, durante evento com movimentos sociais no Palácio do Planalto, na quinta-feira, 13. Mandando “um recado aos golpistas”, Freitas disse que, se os adversários da presidenta Dilma Rousseff insistirem na tese do impeachment, um “exército” armado irá às ruas para defendê-la.

    Logo depois, o dirigente desconversou afirmando que usou uma “figura de linguagem” e não pretendeu incitar a violência.(AE)

  7. CUT e sindicatos são reativos e não proativos.
    Agora que o “Leite derramou” eles estão querendo mostrar aos seus associados que são contra o governo PT. Antes eram companheiros camaradas do PT.
    Quem, hoje, acredita em Sindicalista?
    Estão mais sujos que pau de galinheiro!

  8. Eu acho que é uma grande manobra. Serve para acostumar o povo a ir nas passeatas da CUT. Amanhã, eles estarão, como massa de manobra que são, nas passeatas de apoio a Dilma. Estão promovendo uma aproximação, por isso o foco é difuso, tentam juntar vários grupos diferentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *