Da coragem de fazer os dois “Tropa de Elite” à dignidade de proclamar: “Não voto em Dilma ou Serra,não têm compromisso com a verdade”. E se os 135 milhões de eleitores refletissem igual?

Helio Fernandes

Gosto muito da decisão do cineasta José Padilha de vir a público negando que tivesse assinado qualquer manifesto apoiando candidatos, no caso, disseram que era Dilma. Isso mostra como agem os candidatos, falsificam até assinaturas e convicções.

Fico satisfeito, também, pelo fato de ser a posição que defendo aqui claramente, ficando contra os dois candidatos, votando NULO no primeiro turno e repetindo a decisão no segundo turno. Minha análise para não referendar Dilma ou Serra, tem como base exatamente isso ou isto: as mentiras repetidas, a tentativa de mistificar o eleitor, fazendo como faz Serra, toda vez que fala na televisão: “FAÇA COMO EU, VOTE COM O CORAÇÃO”.

No Jornal Nacional, anteontem, Serra começou dizendo: “Não quis trazer para o debate a QUESTÃO DO ABORTO, acho que era natural, foi a Dilma que trouxe o assunto, só comentei o fato dela ser a FAVOR numa oportunidade e CONTRA logo depois”.

Serra quis mostrar grandeza e generosidade, na verdade era apenas indecisão e medo, a questão do ABORTO, tratada por ele, seria típico boomerang. Então ficou apenas no comentário a respeito da contradição dela, um equívoco total e completo em matéria de rumo e ritmo de campanha eleitoral.

A questão do cineasta da “Tropa de Elite”, deixa o pessoal de Dilma tão ofuscado quanto o pessoal de Serra. Ontem mostrei a falta de respeito à verdade tanto de Serra quanto de Dilma, os dois se dizendo INTRANSIGENTES NA DEFESA DA PETROBRAS, na verdade querem apenas “faturar votos”. Por que não explicam quando DEFENDERAM a Petrobras?

A RELIGIOSIDADE dos candidatos é outro ponto mais do que polêmico, verdadeiramente contraditório. Serra mostrou sua “religiosidade” da seguinte forma hilariante: “Sempre que me despeço de alguém, digo, vá com Deus”. Não viu que além de constrangedora, a “explicação” revela enorme babaquice? (Desculpem).

Na questão da corrupção de “parceiros” de campanha, Serra ficou desesperado, também na “entrevista” ao Jornal Nacional, apanhado em flagrante de falsidade, acobertamento e mentira, tudo num episódio único. Quando falaram no Paulo Vieira (mais conhecido como Paulo Preto), Serra mergulhou de cabeça nesses três itens. Vejamos a posição do presidenciável assim que “Paulo Preto” virou personagem.

11 de outubro: “Nunca ouvi falar nesse nome”.

12 de outubro, lógico, dia seguinte: “Paulo Vieira (nome verdadeiro, de batismo) é altamente competente, de grande importância na campanha”.

16 de outubro: “Não houve desfalque algum, se tivesse havido eu teria sabido, não sou homem de não saber das coisas”.

Estava altamente comprometido, não conseguiu DESMENTIR nada na Globo. Aí partiu para a tentativa de desfiguração do fato. Sendo impossível NEGAR A PARTICIPAÇÃO DE PAULO PRETO, encerrou o assunto com esta CONFISSÃO ESPANTOSA: “Não houve desfalque algum, mas mesmo se tivesse havido, TERIA SIDO COM DINHEIRO particular e não do contribuinte”.

Apesar das provas de que Paulo Preto exercia cargos de importância no governo, Serra, que “nunca havia ouvido falar em Paulo Preto”, justifica o “DESCONHECIDO” e tenta absolvê-lo PELO FATO DO DESFALQUE SER DADO COM DINHEIRO PARTICULAR.

E pelo menos esses 4 milhões (é muito mais, fiquemos apenas aí) vieram de DOADORES. E o que o Serra dirá a eles, já que PROCLAMOU QUE DINHEIRO PARTICULAR PODE SER SUBTRAÍDO, não tem dono?

***

PS – Serra não vai ganhar. Mas se por infelicidade, (a palavra serve para rotular a vitória certa da outra candidata) ganhasse, Paulo Preto (e outros da mesma cor e falta de credibilidade) passariam a ter acesso a DINHEIROS PÚBLICOS. Com o aval do ex-chefe PARTICULAR e agora chefe PÚBLICO.

PS2 – Como ambos são indefensáveis, ao lerem esse libelo sobre Serra, lembrem que serve também, milimetricamente, para Dilma.

PS3 – Fico satisfeitíssimo de estar contra os dois candidatos, não de hoje, mas de sempre. Não quero influenciar ninguém, apenas trocar informações, sem recriminar ou criticar quem votar em Dilma ou Serra.

PS4 – Mas seria grande vitória para o País se nenhum dos dois se elegesse. Sei que isso não é possível, mas tenho certeza de que, haja o que houver, nos reencontraremos.

PS5 – Estaremos juntos na TRINCHEIRA QUE OCUPAREMOS NA DEFESA DO GRANDE INTERESSE NACIONAL. Contra as PRIVATIZAÇÕES e principalmente contra as DOAÇÕES.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *